Memorias de uma viciada (II) Publicado por maçãdadiscordia em 07/04/2017 em Hétero: geral

"Como fazer uma apresentação se torna muito interessante e prazenteira... "

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Memorias de uma viciada (II)

Sei que sou uma viciada sexual, mas que mais posso fazer? Acho que tenho de apanhar minhas experiências e tentar de apreender delas para assim poder ser alguém melhor no futuro, embora, sejam coisas que possam danar a alguém, inclusive a me mesma. Sou Leticia Gonçalves de Moura tenho 25 anos e proximamente serei engenheira civil, de verdade que a perseverança dá prêmios; para perfeiçoar meus conhecimentos como futura engenheira devia ler muitas coisas em inglês e por isso desde o início da carreira, fiz um curso, e assim, estar mais preparada.

O curso era três vezes por semana, já quando ia pelo terceiro modulo tive uma professora que era de origem inglês, além disso, tinha vivido vários anos na Inglaterra e falava ainda demais de bonito; seu sotaque era muito legal e sua forma para explicar as coisas era ainda melhor, de verdade, como gostei de suas aulas.

Uma vez tocou de fazer uma apresentação em triplas, como era lógico eu já tinha feito amigos nas aulas e por casualidade da vida, meus melhores “amigos” eram dois homens, Enrique e Julião dos caras muito diferentes fisicamente, mas muito atrativos para mim; por um lado Enrique era alto, negro, magro, careca, olhos castanhos claros e um sorriso muito bonito, além disso era muito inteligente e calmo; por outro lado estava Julião de estatura média, branco, gordinho, olhos azuis e uma face muito linda, também era muito inteligente e um pouco impulsivo; acho que se levavam muito bem porque suas pessoalidades eram opostas.

Tivemos de ir à casa de Enrique, já que ele nesse momento tinha Internet em casa, Julião e eu ainda não tínhamos nessa altura. Estando lá nos estávamos sozinhos e isso porque os pais de Enrique estavam trabalhando; já tinha passado uma hora desde que começamos de fazer a apresentação e já estava pronta e cada um de nós tinha sua parte para dizê-la, ainda tínhamos tempo libre e o louco de Julião disse...

- Como eu sabia que íamos acabar pronto eu trouxe uma coisinha para compartilhar. –

Então de sua mochila sacou um baseado, Enrique e eu começamos a rir e instantaneamente Julião acendeu-o, esse baseado era mais que suficiente para nós, dantes de acabá-lo já estava totalmente drogada e assim como eu os outros também o estavam; nós sentamos na sala para sentir tranquilamente os efeitos da erva e nesse momento Enrique sacou uns cigarros e começamos a fumar também, isso o que fez foi aumentar o efeito da maconha.

Enrique e Julião começaram a rir como tolos, e eu comecei a me sentir muito quente, minha super puta interna se despertou e queria ser punida, pois, me sentei no meio dos dois e eles me olharam com surpresa e foi quando tomei a iniciativa de algo para calmar minha excitação; me aproximei mais a Enrique e o beijei com desejo, ao minuto me virei e beijei a Julião com a mesma intensidade.

Meus dois amigos ficaram estupefatos e foi quando disse...

- Agora o único que quero é que vocês sejam meus objetos. –

Eles riram, mas me atenderam e nesse momento foi quando iniciou o bom, comecei a beijá-los um por um e desfrutar desse momento, enquanto os beijava saquei seus membros dos seus jeans e comecei a lhes dar uma boa punheta, o pinto de Enrique era longo e um pouco magro, o pinto de Julião era de tamanho standard, mas era grosso; se pudesse misturar esses dois pintos seria o “Pênis Perfeito”, sabia que não podia misturá-los, mas ia desfrutá-los como nunca antes tivessem feito.

Logo de estar fazendo uma punheta e estar beijando-os, me pus de joelhos e comecei a chupar o grosso pênis de Julião, logo, fiz o mesmo com o de Enrique, me tornava de um para o outro, queria que os dois sentissem muito prazer, pois, Enrique me sacou as bermudas e as calcinhas e começou a me comer a crica muito rico, de verdade como sabia usar sua língua e seus dedos. Para estar mais cômoda me pus de quatro e assim Enrique me comia bem e eu fazia o mesmo com Julião.

Depois de estar um tempo assim disse...

- Quando me queiram penetrar usem camizinhas, né! –

Enrique foi o primeiro em atender o que disse e se colocou uma e me penetrou devagar, de verdade que delicia era sentir um pinto dentro de mim enquanto chupava outro, isso era ainda demais de saboroso, estimulante e excitante. Durante era penetrada pelo “negrinho”, o “gordinho” começou a investir minha boca e a esfregar seu pênis por minha cara toda, eu gemia e pedia mais, de verdade gostava de me sentir usada.

Mais diante, mudaram os papeis e agora Julião era quem me ia a penetrar, seus movimentos eram muito briosos em comparação de Enrique, além disso cuspiu meu cuzinho e começou a esfregá-lo com um de seus dedos, enquanto com a outra mão me batia as nádegas, de verdade como gosto de que joguem com meu cu, durante as investidas de meu querido “gordinho” me comia com devoção o pinto do meu Enrique, logo senti como Julião começava a introduzir seus dedos no meu anel e isso fez que me detivesse uns segundos do meu labor com o “negrinho” para emitir um agudo e forte gemido de prazer.

Depois de meu gemido continuei comendo e recebendo pau, até que senti como Julião começou a me penetrar devagar o cuzinho, que delícia! (Exclamei em alta voz); estivemos assim uns minutos mais e logo mudamos de posição, lhe disse a Enrique que se sentasse no sofá, me sentei em cima dele e comecei a rebolar nesse longo pau como uma louca, sinceramente meus movimentos de ancas são excelentes, pelo menos todos meus amantes o confirmam; aos minutos de estar rebolando senti como chegou meu Julião e me penetrou por atrás, sentir dois pintos em mim era a glória absoluta, embora eu podia estar com mais homens ao mesmo tempo.

Além de estar todos suados e estar muito ativos ainda tínhamos os efeitos da maconha em nós, ou pelo menos eu sim. Continuamos assim uns minutos e logo mudamos de posição, agora fiquei sentada de costas para Enrique e ele me penetrou o cuzinho, enquanto Julião me penetrava com força e muita energia minha vagina, de verdade que esses dois me faziam sentir muito excitada e mais que tudo porque tinha a dois homens que faziam as coisas de formas diferentes, mas nesse momento faziam tudo como eu queria.

Julião apanhava meus peitos e beliscava meus mamilos enquanto Enrique me mordia a parte baixa das costas, que delicia era tudo isso, sentir seus pintos em mim, nosso suor misturado, nossa luxuria no ar, o cheiro da maconha misturado com o cigarro na sala tudo era ainda demais excitante, tanto assim que senti uma corrente elétrica me atravessar o corpo, meu ventre se relaxou e senti um intenso e muito rico orgasmo, ao instante de ter acabado eles me seguiam penetrando e lhes disse...

- Quero que me gozem na boca! –

Em seguida me separei deles e me pus de joelhos, Julião e Enrique se sacaram as camizinhas e começaram a se masturbar na minha face e aos segundos me gozaram na boca e os dois descarregaram muito sêmen o que fazia que me gostasse mais o momento, depois os olhei aos olhos e engoli tudo seu leite.

Logo me limpei e nos vestimos, nós vimos e rimos, a partir dessa vez fomos mais amigos e compartilhamos muitas coisas mais; nossa apresentação foi a melhor da turma e tanto nossa professora como nós ficamos muito contentes, então vocês pensaram que sou uma puta ou não...

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Visualizações 56
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1500
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Afiliados