Me aproveitei da minha irmã especial Publicado por anônimo em 02/05/2019 em Amor Filial

"Me chamo John, tenho 23 anos e moro com meus pais e irmãos, tenho uma irmã de 19 anos que se chama Beatriz, mais conhecida como Bia ela é especial, tem um pensamento bem infantil"

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

para alguém da idade dela, ama aquelas novelas de criança que passam na tv, porém ela não é
inocente e sabe de algumas coisas, inclusive já namorou a pouco tempo atrás mas não deu certo
e terminaram e agora ela está com ouro rolo por aí.

Meus desejos pela minha irmã começaram após alguns de vários sonhos eróticos que tive com ela, no
começo achei normal, mas depois era direto que sonhava com ela, quase todos os dias, as vezes era comendo
ela no meu quarto outra era chupando ela todinha, acho que é porquê vi aquela pirralha chata crescendo 
e se tornando uma mulher, pelo menos na aparência e no corpo. 

Com o passar do tempo comecei a reparar mais nela toda vez que ela passava na minha frente eu fixava meus olhos na
bunda dela que não era grande mas seus peitos compensavam a falta de tamanho, sonho após sonho eu acordava
com o pau duro e a cabeça dele toda melada, não me aguentava e batia uma ali mesmo querendo que ela estivesse
para que fosse na boquinha dela. 

Eu e Bia temos uma mania boba toda vez que tô distraído ela da um tapa na minha bunda e eu claro desconto, quando vejo
ela moscando, coisa de irmaos. Certo dia ela deu um tapa na minha eu dei risada e falei que ia descontar, ela riu também,
quando a vi distraída aproveitei e dei, foi um tapa certeiro mas não tirei a mão e já dei uma apertada gostosa, ela 
ficou assustada e saiu correndo pra sala e eu dei um grito disse que tinha apenas descontado, fui pro meu quarto e
me perguntei se ela tinha gostado, nessa hora me veio uma idéia na cabeça, eu tinha que bolar algo pra saber se ela
tinha alguma malícia em mim, já ia colocar em prática no outro dia.

Dia seguinte, eu sempre acordo primeiro que minha irmã, das 8 até meio dia ficamos só nós dois, meu irmão vai pra
escola, minha mãe vai cuidar da minha avó e meu padrasto trabalha. Era 8 e meia da manhã e fui até a sala
vi que a Bia ainda estava dormindo, voltei pro meu quarto e me deitei mas não fechei completamente a porta, coisa 
que sempre faço pois odeio ser incomodado e tem os gatos que ficam entrando, peguei meu celular e liguei pro telefone
de casa, fingi não escutar para que ela acordasse e fosse atender, chamou chamou e nada, esperei mais 30 minutos e
fiz a mesma coisa e dessa vez deu pra escutar que ela levantou, quando pegou o telefone eu não falei nada e depois de uns
15 segundos eu desliguei, eu sabia que ela viria no meu quarto avisar que alguém tinha ligado pois poderia ser minha
mãe tentando ligar, guardei o celular e me ajeitei na cama, eu estava com uma cueca samba canção, abaixei ela um pouco
até que metade do meu pau ficasse de fora deixei a coberta toda desajeitada e peguei um travesseiro e coloquei na cabeça
mas com uma pequena abertura para que eu pudesse olhar a reação dela. Meu coração estava acelerado com aquilo, eu não
sabia qual seria a reação dela que podia até ficar assustada e falar pra minha mãe, mas não foi o que aconteceu, assim
que a safadinha chegou ela disse "Jo..." e nem terminou meu nome e ficou olhando pro meu pau duro sem piscar um olho, 
ela achou mesmo que eu tava dormindo mas eu tava bem acordado vendo ela admirando minha rola de fora, fui inventar de
me mexer na cama mas acabei assustando a menina que saiu em instantes. Era 9 e meia da manhã, levantei de fininho e na 
ponta dos pes fui até a cozinha, vi ela na sala com as pernas abertas e com uma mão por dentro da calcinha, não me aguentei
e fui até o banheiro e bati uma bem gostosa, fiquei com medo de ir até ela, eu precisava de mais alguma certeza que ela
tava afim de algo. A certeza que tive no dia seguinte, ela estava tomando banho quando disse que tinha esquecido o sabonete
eu estava no meu quarto e escutei o grito dela pedindo e dizendo que esqueceu, fui pegar e levei até na porta, ela abriu
pegou e fechou menos rápido do que devia, foi o tempo suficiente para ver seus belos seios grandes e sua buceta peludinha,
tive a sensação que ela esqueceu de propósito. 

Após o banho ela estava passando pelo corredor perto do meu quarto quando a chamei:

- BIA!!
- Oi John?
- Vem aqui depois que quero lhe mostrar uma coisa.
- Ta

Nao demorou 10 minutos e ela veio me perguntando o que era:

- O que você quer me mostrar?
- Fecha a porta que eu te mostro.
- Pra que fechar a porta? 
- Apenas feche e você verá. 

Assim que ela fechou eu já botei meu pau pra fora e disse:

- É isso que eu queria que você vesse de novo
- De.. De novo? Como assim?

Ela estava com a mão na maçaneta da porta pronta para sair e com a cara toda vermelha, era visível a sua tensão,
tive que tentar acalmá-la senão tudo não teria valido a pena, então disse:

- Sim, de novo, aquela hora ontem de manhã eu vi você olhando pra ele, e vi que gostou, e também vi você fazendo um
carinho nela quando tava sentada no sofá...
- Mas...
- Ei Bia, tá tudo bem, não tem problema, não vou falar pra mãe nem pra ninguém, pode ficar tranquila. 
- Me desculpa, eu não queria ter visto.
- Já falei que tá tudo bem, não precisa ficar assim, eu também olhei pra você aquela hora que estava no banho,
agora senta aqui do meu lado.

Ainda meio sem jeito e desconfiada se sentou do meu lado.

- Por favor não fale pra mãe nem pro meu pai.
- Eu já disse que não ia falar mas se você ficar assim eu vou, agora vai ter que fazer o que eu mandar!
- Está bem, eu faço qualquer coisa então.

Por um momento pareceu que ela gostou daquela situação, foi ai que eu disse pra ela pegar nele, meio sem jeito
ela pegou e não sabia o fazer direito então coloquei por cima da mão dela e fiz um vai e vem e deixei ela continuar sozinha.
Ela ficou ali por um tempinho batendo uma pra mim e olhando pra ele, e em nenhum momento ela olhava pra minha cara, 
quando fui pegar um travesseiro para apoiar minhas costa ela deu uma mordidinha nos lábios e achou que eu naor vi, peguei 
e coloquei a mão na nuca dela e fui subindo, segurei firme o cabelo um pouco molhado dela e guiei até meu pau, a safada
já sabia o que fazer e foi logo abrindo a boca e engolindo meu cacete, chupar ela sabia bem mas mesmo assim fiquei empurrando
até entrar quase tudo na boca dela, estava uma delícia era um sonho virando realidade literalmente. Mandei ela bater
uma enquanto mamava, ela sem dizer nada me obedeceu, não demorou e eu dei uma gozada bem gostosa e demorada na cara dela, que 
pegou a toalha que estava ao lado e se limpou, logo em seguida se levantou e foi em direção a porta.

- Ei onde você pensa que vai?! Ainda não falei que podia ir, tem mais volta aqui!
- Ok...

Como eu sabia que ela estava gostando fui além e pedi para que deitasse na minha cama, ela foi e eu fui atrás, após
se deitar fui abaixando seu shortinho devagar e pra minha surpresa ela mesma me ajudou abaixando a calcinha, 
vi aqueles pelos castanhos brotando de sua buceta branquinha, meu pau já subiu na hora, fui beijando suas pernas e subindo
até sua bucetinha peluda, eu amava uns pelinhos a mais, não via nenhum mal, pelo contrário, chegando lá abri suas pernas
falei para que ela segurasse e ela com maior prazer segurou, antes de passar a linguar naqueles lábios rosados e molhados 
fechei os olhos e dei uma cheirada bem gostosa na buceta da minha irmã, o cheiro de quem tava doida pra dar parecia uma droga na
minha mente, quando voltei a si não perdi tempo e cai de boca, chupei sem parar, ela gemia baixo com vergonha de mim mas 
não sabia disfarçar mais, gemia gostoso com os olhos fechados e eu me lambuzando todo como se fosse uma criança chupando uma
manga, brincava com o grelinho dela e socava a lingua lá dentro e quando tentava enfiar meu dedo ela tirava, aí lembrei 
que ela ainda era virgem então eu tinha que tomar cuidado senão dava problema, fiquei lambendo seu grelinho e aos poucos
fui enfiando meu dedo no cuzinho dela que não falou nada apenas sentiu e soltou um gemido mais alto, eu tava louco para 
meter naquela buceta deliciosa mas não podia, meu pau lá em baixo pesava e doía de tanto tesão que eu tava, nunca tinha
sentido aquilo antes e queria muito sentir de novo. Em meio a tanta excitação ela coloca um dedo na boca e se esforça para 
controlar o gemido, e minha boca se encheu com um líquido quente, engoli tudo, enquanto sua buceta se contraia e seu cuzinho
piscava com meu dedo dentro ela gozava sem parar. Peguei na cintura dela e a virei de 4 pra mim, se não podia por na buceta
então tinha que ser no cuzinho, fui enfiando a cabeça devagar para não machuca-la, de vermelha tava mais pra roxa e aos poucos
entrando naquele cuzinho rosinha, depois que entrou a cabeça foi mais fácil, fui enfiando e tirando e ela com uma das mãos em mim
pra tentar me conter, fiquei metendo e lembrando que nos meus sonhos fazia do mesmo jeito, aumentei a velocidade e ela ia ficava
dizendo que doía, mas eu estava no controle e lembrei dos tapas que ela dava na minha bunda e lhe avisei que tinha uma surpresa 
pra ela, então esquentei a mão e dei um tapa bem servido naquela raba branquinha que agora estava vermelha com a marca da minha 
mão, a safada soltou um "Aii" e segurou com força o lençol, Falei que eu tinha descontado pelas outras vezes. Eu não aguentava mais,
gozei dentro do cuzinho dela, enchi o cu da minha irmã de porra. Ela se levantou e foi até a porta mas dessa vez não falei nada, foi 
em direção ao banheiro.

Nesse dia conversei com ela e disse que era nosso segredo e que se ela não fizesse o que eu pedisse a partir daquele dia,
minha mãe e o pai dela saberia e que ela apanharia muito e tiraria o celular dela que ela tanto gostava, isso nos rendeu muitos
outros casos como esse até eu parar de fazer chantagem e ela continuar dando pra mim

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Amor Filial
Visualizações 390
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 2099
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Afiliados