Meu sobrinho Dotado.! Publicado por anônimo em 20/05/2019 em Amor Filial

"Olá, sou uma mulher bonita e ainda jovem apesar de estar sozinha e hoje não morar com meus filhos sempre tive muitos namorados, mais oque vou contar aconteceu a algum tempo e não preciso dizer que ainda me sinto culpada mas também não sei se tinha como ser diferente"

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

depois de me separar fui trabalhar em Campinas e minha família ficou em Santa Catarina, minha irmã tem um filho que precisava fazer uma especialização e veio passar um tempo comigo, Diogo tem 17 anos e é um rapaz muito bonito, e um pouco tímido e por isso quando ele chegou eu tentei deixar ele bastante a vontade, arrumei seu quarto com muito carinho e Diogo se adaptou bem, então na primeira semana teve uma noite que choveu muito e a energia elétrica acabou um pouco depois das 7 da noite, Diogo estava no seu quarto e eu na cozinha fazendo uns lanches, quando achei uma vela acendi ela no fogão e fui chamar o Diogo para comer, e quando cheguei perto da porta ouvi Diogo e alguns gemidos, não queria atrapalhar mais fiquei curiosa, então me aproximei com bastante cuidado, a porta estava entreaberta e Diogo na cama com o notebook na bateria aceso, os gemidos vinham do computador dele, olhando pela fresta vi meu sobrinho se masturbando, pensei em me afastar mas minha curiosidade foi maior, em silêncio fiquei observando.

Diogo não reparou que eu estava olhando e minha visão não era muito boa por que ele estava de costas para mim, mais consegui ver pelos seus movimentos que realmente ele se masturbava, então depois de um tempo ele virou um pouco e pude ver seu pênis iluminado naquele breu, era uma vista incrível, Diogo segurava aquele pênis que mesmo com a sua mão inteira ainda sobrava uma grande parte para fora, nunca pensei que meu sobrinho tinha um pênis daquele, e também com certeza nunca tinha visto nada parecido, seu pênis era muito gostoso, então enquanto ele se masturbava eu fiquei em transe com aquela cena, não sabia se me afastava ou ficava ali vendo aquilo, então acabei me afastando e voltando para a cozinha, não consegui deixar meus pensamentos e aquela cena maravilhosa mexer comigo, então continuei fingindo que estava apenas fazendo os lanches mais não parava de pensar naquela cena, terminei os lanches e chamei Diogo, ele demorou um pouco e entrou na cozinha, naquela escuridão Diogo veio bem atrás de mim e me pegou pela cintura brincando comigo, somente uma vela acesa deixava a cozinha num clima romântico e aquele rapaz pegando meu corpo era estranho o meu desejo, queria não estar sentindo aquilo mais não consegui me controlar, Diogo encostou seu pênis na minha bundinha que não queria, mais acabei arrebitando meu bumbum e esfregando seu pênis, foi uma reação involuntária, Diogo pareceu que percebeu e também em retribuição apertando meu bumbum contra seu membro me fez sentir mais um pouco aquele volume, depois se afastou e disse, que delicia esse cheirinho de comida hein titia, eu estava com minhas pernas bambas e fiquei sem resposta, então sentamos na mesa da cozinha e fomos lanchar.

Depois que comemos ficamos olhando a chuva que caia na janela, aquela cena não me saia do meu pensamento, então resolvi abrir uma garrafa de vinho e curtir aquele momento, Diogo me ajudou com a garrafa e as taças, então depois de algumas doses estávamos mais relaxados, Diogo me olhava com um jeito sacana e provocativo, nossa conversa foi ficando cada vez mais perigosa, Diogo queria saber sobre minhas últimas relações, e eu acho que por estar muito a vontade comigo e meu momento fui me abrindo com ele, então ele me pegou desprevenida com uma pergunta mais íntima, quando foi sua última vez tia, eu fiquei sem graça e inverti aquela pergunta para ele, Diogo bastante a vontade foi curto e grosso, minha última vez foi a uma hora atrás, e caímos na risada com aquilo, acontece que por causa da bebida deixei escapar e disse, eu percebi mesmo quando passei pelo seu quarto, Diogo assustado disse, você me viu fazendo oque, eu tentei mudar de assunto mais Diogo disse, agora eu quero saber, olhando atrás das portas hein, e ai gostou titia, eu já estava muito confusa com aquela situação e acabei falando, eu não queria ver mais acabei vendo demais, Diogo então disse, vamos me fale, quero saber, saber oque, quero saber se gostou do que viu, eu precisava beber mais então depois de mais alguns goles e aquelas insistências eu disse, estava muito escuro e só consegui ver um pouco, Diogo disse, eai gostou ou não gostou, tá bom eu gostei sim, e achei bem bonito, Diogo sorrindo bem sacana ficou ajeitando seu pênis na bermuda e disse, eu as vezes fico inseguro e é legal saber disso, então percebi quanto meu sobrinho parecia precisar de um elogio, acho que ninguém falava muito com ele sobre sexo e essas inseguranças da idade, então tentei ajudar, Diogo você é muito bonito e pode ficar tranquilo com seu amiguinho porque parece que você é acima da média, Diogo voltou a sorrir bem sacana e disse, você acha mesmo, então eu disse, me pareceu naquela hora, mais estava longe e foi pela fresta da porta, então Diogo ainda mexendo naquele pênis falou, quer ver agora mais de perto titia, eu fiquei completamente sem resposta e Diogo disse, eu só preciso de uma opinião, então eu queria ver aquele pênis muito e ele queria me mostrar então eu disse, pode ser, e Diogo levantou e abaixou sua bermuda e colocou aquele pênis semi duro para fora, se aproximou e com uma das mãos levou aquilo para perto de mim.

Parabéns Diogo, você tem um brinquedinho muito gostoso e ele vai fazer muito sucesso com as garotas, então Diogo manipulando abrindo aquela pele deixou a exposição uma cabeça vermelha e volumosa, seu pênis foi ficando cada vez maior e muito grosso também, ele colocou sua mão na base e apertou deixando sua veias querendo explodir, eu peguei a garrafa e enchi minha taça e sem conseguir tirar os olhos daquele pênis salivando disse, nossa é bem maior do que eu pensava, Diogo ficou bem próximo e ficou exibindo aquilo para mim, então virei minha taça e percebi que eu queria pegar naquele pênis, então não sei como tive coragem mais coloquei minha mão nele, Diogo tirou sua mão e deixou eu sentir o peso, estava pesado e pegando fogo, minha mão não conseguia atracar aquele monstro, nunca tinha visto um pênis tão bem torneado, levemente inclinado para cima e com a espessura de um pepino gigante, eu queria tirar a minha mão mais não podia, então aproveitei para sentir mais aquele pênis, Diogo ficou observando enquanto eu examinava cuidadosamente seu pênis, finalmente cheguei naquela cabeça e com carinho fiquei alisando por um tempo, então voltei percorrendo toda a extensão e ainda segurando ele inteiro com a outra mão alcancei seu saco e suas bolas, massageando elas senti seu pênis latejando e então depois de passear por tudo aquilo eu percebi Diogo fechar os olhos e aproveitar aqueles toques, eu precisava parar mais minhas mãos não me obedeciam, Diogo parecia estar em uma outra dimensão e colocou suas mãos nos meus ombros e se aproximou bem perto e eu estava com aquela cabeça bem perto da minha boquinha.

Minha respiração ofegante deixava aquilo mais complicado e insinuante, Diogo começou a forçar minha cabeça de encontro com seu pênis e eu precisava parar com aquilo antes que não tivesse mais volta, nenhum dos dois sabia porque aquilo estava acontecendo e como fazer para parar, então para minha sorte a energia voltou e nosso constrangimento nos impediu do pior, então soltei aquele pênis e Diogo me soltou também, ficamos olhando os dois sem saber oque dizer então Diogo colocou sua bermuda com aquilo duro e disse, nossa Jordana, que gostosa estava essa massagem, você é bem malandro hein, e pode deixar esse negócio guardado hein, então levantei e fui levando os pratos na pia, Diogo me ajudou e foi para o quarto, fiquei lembrando daquele pênis e fui ajeitando a cozinha, meu corpo tremendo de desejos e minha cabeça pesada com o arrependimento me deixava confusa e também muito envergonhada, não sei como fui deixar aquilo acontecer, era meu sobrinho e estávamos brincando com fogo, então terminei com a cozinha e fui falar com o Diogo, precisava esclarecer que aquilo jamais poderia se repetir, e que ninguém poderia ficar sabendo daquilo também, então quando cheguei no seu quarto Diogo estava trocando de roupas e Diogo sem camiseta e apenas de bermuda ficou me olhando na porta do quarto, pode entrar ele disse, então entrei e fui direto ao assunto.

Diogo ficou me olhando e enquanto eu falava tudo que eu precisava sobre aquilo que aconteceu na cozinha ele massageava seu pênis e parecia não ouvir nada que eu falava, então depois que eu achei que tinha falado tudo Diogo chegou bem perto e disse, fica de boa, ninguém precisa saber que você gostou do meu pau, e quando quiser fazer aquela massagem de novo é só me falar, eu estou mesmo precisando, acabei achando graça naquele seu jeito de falar, então acabamos rindo os dois juntos e aquele papo ficou nisso, voltei para meu quarto e fui tomar um banho, então comecei a lembrar daquele pênis e não me aguentei e comecei a me tocar e fui deixando aquela lembrança me fazer gozar com muita vontade, então fui dormir ainda pensando naquilo.

Na manhã seguinte Diogo saiu bem cedo e eu fiquei em casa porque só precisava sair depois do almoço e fui fazendo uma arrumação na casa, quando cheguei no quarto do Diogo aquela bagunça, comecei tirando as roupas sujas e encontrei uma cueca na sua bermuda, não queria mais acabei cheirando aquela cueca, tinha um perfume de macho e na mesma hora veio aquele pênis na minha lembrança e eu estava perdendo minha cabeça, então deixei tudo bagunçado mesmo e fui trabalhar, então quando cheguei a tarde Diogo já estava em casa, eu comecei a fazer uma jantinha para nós, Diogo gosta de carne acebolada e arroz branco então fiquei cozinhando e Diogo chegou me abraçando e me apertando no balcão da cozinha, Diogo aproveitou minhas mãos ocupadas e beijou meu pescoço e eu não dava essas intimidades mais Diogo estava muito atrevido, ficou me agarrando e ainda me fez sentir seu pau duro novamente, minha bundinha ficou completamente encaixada naquela vara enorme e Diogo não tinha me ouvido e não parecia ver a responsabilidade daquela sacanagem, e eu precisava impedir aquela molecagem, então lavei minhas mãos e tentei me livrar daquele garoto mais Diogo ainda mais atrevido me prendendo contra o balcão me beijando o pescoço ficou me agarrando, então eu comecei a não resistir e gostar daquela brincadeira, Diogo sentindo minha aprovação foi ficando mais safado e então sua mão entrou no meio das minhas pernas e foi subindo pelas minhas coxas e chegou na minha xoxota e Diogo encheu sua mão com tudo, tentei melhorar virando de frente então ele agarrou minha bundinha e encaixou aquele pênis na minha xoxota e continuou beijando meu pescoço.

Nesses apartamentos fui fazendo que brincava com ele mais Diogo aproveitou para fazer oque queria, depois de um tempo consegui escapar e tive que brigar com ele, Diogo já sabia que eu estava gostando então. Não respeitava meus limites, então comecei a deixar aqueles agarramentos serem mais frequentes e também cada vez mais intensos, nossa relação estava por um fio, Diogo agora me puxando no seu colo me fazendo sentir seu pênis duro e sua mão boba percorrendo meu corpo brincando com nossos desejos, eu tentava não deixar Diogo passar daquelas sacanagens, mas cada vez aquilo ficava mais perigoso, Diogo já não se contendo apenas com aquela brincadeira queria meus toques também, então numa dessas brincadeiras ele pegou minha mão e me fez segurar seu pênis de novo, eu fiquei batendo uma punheta por cima da sua calça e quando percebi Diogo também me masturbava por cima das minhas roupas, já não estava me aguentando então acabei cedendo e acabei pegando seu pênis novamente, depois de alguns dias naquela sacanagem eu estava com aquele pênis nas minhas mãos, Diogo parecia querer mais e eu precisava resistir, então acabei masturbando seu pau e fiz aquele pênis jorrar, finalmente aquele pênis gigante gostoso gozou na minha mão, então Diogo começou a querer minha punheta e sempre pedindo mais, queria meus carinhos e sempre pedindo meu corpo, e eu sempre resistente e já era bastante normal Diogo tirar seu pênis onde eu estava e pedir minhas carícias, eu tentava não fazer seus gostos mais eu também estava amando masturbar aquele pênis gostoso.

Então não estava mesmo mais me aguentando e de tanto insistir eu acabei cedendo e quando fui punhetar seu pau Diogo me puxando me fez chupar aquele pênis, foi muito rápido e Diogo gozou muito naquele dia, então comecei a chupar seu pau duas as vezes até três vezes por dia, Diogo ficou viciado nos meus boquetes, nossa relação estava ficando séria, Diogo me procurava no meio da noite para uma chupeta e eu estava gostando também de poder ganhar aquela porra quente, Diogo fazia questão de me fazer beber todo seu leite e não desperdiçar uma gota sequer, então eu já sabia quando Diogo estava querendo e eu já ficava esperando para satisfazer aquele pênis, Diogo já não estava mais aguentando ficar apenas me masturbando, ele queria me ter inteiramente e ficava me seduzindo com seu jeitinho malandro, então numa noite na sala de TV eu estava mamando seu pau e Diogo alisando minha xoxota e ele acabou abrindo minha calça e conseguiu me penetrar com seus dedos, então eu estava muito viciada naquele pênis e também não me aguentei e então me colocando minha xoxota naquele pau Diogo me puxando com tudo me penetrou com vontade, nosso pecado estava consumado, Diogo me comeu de todos os jeitos, e ainda gozou dentro, Diogo me deixou completamente drogada naquele pênis, então comecei a ser sua putinha na hora que ele queria, Diogo me comia quando queria, as vezes no estacionamento do mercado e provadores de lojas, eu fiquei totalmente entregue as suas fantasias, perdi minha cabeça e também meu juízo, Diogo me fez sua refém, depois de meses nessa loucura ele precisou ir embora e nosso romance teve que acabar, ainda me arrependo por deixar acontecer, mais também acabou acontecendo porque precisava ser assim, nossos corpos querem um ao outro, e ninguém poderia prever isso.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Amor Filial
Visualizações 366
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 2889
Tempo estimado de leitura: 14 minutos

Afiliados