A lojista rabuda Publicado por anônimo em 18/07/2019 em Confissões

"Saindo do supermercado do bairro vi uma nova loja com coisas da roça interior de Minas e após deixar a compra no porta malas do carro decidi ir conhecer a loja. Na entrada da loja fui recebido por uma mulher que deveria estar beirando 35 anos e me atendeu de forma muito cordial."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Helena, tinha cabelo longo e cheiroso, devido ao calor estava com um short cavado que realçava bem a bunda bem moldada e as coxas grossas e revela um corpo bonito e provocante no que a boca ao sorrir dava todo charme, mas parecia ser do tipo comportada.

Andando a minha frente Helena foi apresentando a loja, mas, sendo sincero eu olhava mais pra bunda dela do que pra loja. Que rabão gostoso pensei comigo.

Helena tinha um “quê” diferente que dava um ar de mistério o que a deixava ainda mais charmosa, sempre simpática e demostrando ser boa vendedora, na medida em que ela ia mostrando a loja meu pau vibrava a cada rebolada dela no short.

Ela do nada se vira e me pergunta o que achei da loja e dos produtos e seu olhar pausa no volume do meu pau na bermuda. Notando que ela estava olhando pro meu pau disfarçadamente me porto de forma normal e deixo a sedução rolar.

Helena disfarça bem e pergunta se eu gostei de algo.

Respondo que sim e pergunto se tem vinho ou licor.

_ Me acompanhe, por favor. Diz ela passando pelo balcão indo ao fundo da loja 

Helena pega uma escada e posiciona perto de uma estante e começa a subir no que eu acompanho aquela bunda se mover como hipnotizado. O movimento do quadril deixou a mostra parte do rabão e tive ainda mais certeza do quanto àquela mulher era gostosa.

_ Gostaria de vinho ou licor pra algo a dois em momento marcante. Explico sem me desgrudar daquela bunda.

_ Pelo jeito vai se divertir um pouco com sua esposa. Solta Helena rindo maliciosamente

_ Sou solteiro, mas se você gostar de vinho ou licor é bem vinda. Convido sem recear levar um fora.

_ Homens... Ri Helena me passando duas garrafas e se apoiando em meu ombro pra descer

_ Mulheres... Retribuo no cinismo

Rimos juntos e nossos olhares se fixam e ela morde os lábios bem perto de mim. 

_ Seu marido deve ser um cara de sorte ao ter uma mulher como você.

_ Não sou casada. Confessa ela rapidamente.

_ Sério? Pergunto incrédulo

_ Sai de um convento tem pouco tempo e não quis me relacionar, não fui criada assim tão solta.

_ Agora entendi seu ar de mistério. Comento deixando ela curiosa

_ Como assim? Ela pergunta me encarando nos olhos e mordendo os lábios

_ Por favor, não morda os lábios assim na minha frente. Peço a ela 

_ E por que deveria te obedecer? Ela adota ar de desafio e morde novamente os lábios e noto o olhar travesso.

Em dois passos me aproximo de Helena e sem palavras a puxo e iniciamos um longo beijo com boa pegada. Meu pau já duro encosta na buceta de Helena numa boa sintonia.

Helena se afasta um pouco ofegante e vermelha, mas sem ficar distante do meu corpo. Meio corada, mas ainda com a buceta relando no meu pau... Ou seja, tinha gostado da pegada.

_ Que maldade me deixar excitada assim em pleno local de trabalho. Solta Helena ofegante

_ Não seja por isso, bem que poderíamos ir a lugar mais nosso onde da pra fazer de tudo e mais um pouco. Sugiro acariciando a bunda de Helena

_ Por mim tudo bem. Já atingi a meta de venda hoje. Concorda Helena

_ Seu patrão não vai achar ruim de você fechar antes da hora? Pergunto pra não prejudicar

_ A loja é minha querido. Responde com orgulho Helena

_ Helena vai até a entrada da loja e baixa a porta e retorna onde eu estava sentado. Fiquei admirando a ela se inclinando para travar a porta e a bunda gostosa e a marquinha do bronzeado… fez-me ficar ainda mais com tesão.

Como eu estava num cadeira Helena veio e se sentou no meu colo de frente pra mim e já me beijando. ” Dei um sorriso safado

– Maldade isso de se inclinar de forma provocante. Dou à bronca

_ Maldade é você relar esse pauzão na minha buceta. Retruca Helena suspirando, pois minhas mãos estavam acariciando a costa dela.

_ Você com essa bunda num short tão cavado queria que eu ficasse normal? Justifico-me 

_ Desculpa se olhei muito, o volume me impressionou, mais só porque até hoje só vi o de um primo e era pequeno.

_ Nunca experimentou outro? Pergunto pra conhecer mais

– Não. Responde ela fechando os olhos, pois eu estava mordiscando os belos seios.

Saquei meu pau pra fora e Helena se ajoelhou para começar um baita boquete...

_ Que delicia de cacete. Helena passava a língua pela cabeça do meu pau e começou a se masturbar

Após alguns minutos ergo Helena a carrego até uma mesa. Arranco o short dela e afastando a calcinha ensopada pro lado mergulho minha língua com força naquela gruta lisinha carente de pau. Minha língua foi invadindo levemente a bela buceta…

O belo corpo responde de imediato a carícia ousada ao estremecer e a bela mulher começar a gingar pra acolher minha língua.

Helena começou a gemer e sussurrar putaria.

_ Isso que é boa chupada de buceta. Elogia-a 

Helena foi ficando muito tesuda e os gemidos cada vez mais fortes

Passei a chupar com vontade, com movimentos mais rápidos a faço gozar só com chupadas na buceta.

Meio tímida Helena retira a calcinha e fica de quatro no chão oferecendo a buceta ensopada pra receber meu pau latejante.

Após colocar a camisinha miro meu pau na entrada da buceta de Helena e começo a penetra-la. Meu pau grosso sai arrombando e com isso alarga a buceta apertada como se estivesse tirando a virgindade dela. 

Com a penetração forte Helena não demora e acaba gozando...

Passei a socar com força meu pau na buceta dela e a deixei pegando fogo…

_ Me faz de puta seu gostoso. Helena estava ficando fora de si e deixando aflorar a Helena selvagem dentro de si que a fazia ficar fora de controle.

Helena com certeza iria gozar logo de novo... Estava sendo novidade pra ela.

_ Vou te comer com vontade. Aviso já aumentando o ritmo das estocadas na buceta.

Aumentei o ritmo, até que comecei a socar bem forte, com vontade, as bolas batendo no grelo de Helena…

_ Aiiii... Isso gostoso... Faz gostoso comigo... Aiiii... Helena já não sabia quantas gozadas já tinha todo. 

_ Sua puta, hoje você vai ter uma trepada pra nunca mais esquecer. Sentencio junto ao ouvido dela.

Dou uns tapas na bunda e meto com força…

_ Meu macho, isso mete então… come-me vai… Implora Helena.

Helena jogava o quadril contra mim cheia de tesão...

A buceta contraia e parecia mastigar meu pau com força…

Isso me deixou com puto tesão...

Deixei a bunda dela vermelha com os tapas...

Ainda não tinha gozado e de tanto olhar cobiçosamente aquele cuzinho me instigando, passei a brincar com os dedos no cuzinho de Helena…

Helena fica com muito tesão...

_ Arromba meu cuzinho... Me fode seu malvado. Pede ela

_ Vou arrombar seu cuzinho minha safada, vai sentir esse pau arrombando essa cuzinho apertado. Aviso já lambuzando o cuzinho dela com um dedo.

_ Me come toda, me deixa toda ardida. Volta a pedir Helena

Fiquei louco pra gozar...

Tiro pau da buceta… e miro no cuzinho.

O pau em pouco tempo fica todo enterrado no cuzinho de Helena... 

Com os dedos fui invadindo a buceta dela…

Ela relaxou e comecei a bombar naquele cuzinho…

_ No seu agrado safada? Pergunto de forma sacana

– Muito... Mete até gozar nessa puta, realiza esse meu desejo. Pede Helena rebolando

Atendi a ordem e… depois de algumas estocadas ela gozou forte…

Já prestes a gozar retiro o pau do cuzinho e deixo o jato de porra molhar a costas de Helena...

Limpamo-nos e numa breve conversa descubro que Helena morava no mesmo condomínio que eu e era amiga da Pietra (Ler o conto Açoitando a buceta da patricinha). 

_ Pietra me contou como você a comeu gostoso e me deixou muito curiosa. Confessa Helena

_ Aquela Linguaruda. Faço cara de bravo

_ Relaxa Lenhador foi ótimo e sempre que desejar pode me procurar. Helena me beija

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Confissões
Visualizações 202
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1510
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Afiliados