Fingi ser namorado de cliente e Publicado por anônimo em 06/05/2019 em Confissões

"Depois que comecei a trabalhar como Driver de App, eu tive experiências das mais diversas, que incluíram desde carregar animais e crianças pequenas sem responsáveis até o destino até buscar carro roubado dentro de comunidade dominada por bandidagem."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Quem mora no Rio de Janeiro passa uns apertos doidos de vez em quando. E como eu sou muito mais ativo na parte da noite, inevitavelmente eu ouço de colegas meus e relato também vivências das mais divertidas e bizarras possíveis. Meu nome prefiro deixar em off. Podem me chamar de Mateus

Sucedeu que eu conheci uma cliente chamada Paloma. Ela cursava( não sei se há terminou) faculdade de Letras na Castelo Branco, na zona Oeste do Rio, onde morava antes de nos casarmos. Obviamente, nada sabia da vida particular dela, não era amigo, sequer havia visto ela em minhas corridas. Mas quando a levei pela primeira vez, tive uma conversa bem inusitada com ela nos minutos que antecederam nosso encontro: Paloma me pediu que eu fingisse ser seu novo crush para colocar ciúmes no ex. Não queria me comprometer. Não sei como poderia ser a reação do cara, então fui disparando:

Eu: Moça, eu sigo um protocolo na minha plataforma, não me envolvo com cliente, eu nem tenho contato físico com meus passageiros.

Paloma: Moço, você está certíssimo, mas é por uma boa causa. Você nem vai precisar sair do carro. Por favor!

Cogitei em cancelar a viagem. Era meu direito fazer isso. Dane-se se ela reportasse à plataforma. Depois de um período de silêncio, ponderei os riscos e dei meu últimato:

Eu: Ok. Chegando em três minutos.

Paloma: Ai, moço, obrigadaaaaa!

A entrada da faculdade estava movimentada pra caramba, nem dava para estacionar direito. Achei um espaço com muito custo, anunciei minha chegada, e pediu para aguardar um minutinho. O negócio era pra ser encenado mesmo, e lá vinham os dois na sua discussão e ela… nossa, ela tava muito linda! Branquinha, cabelos longos escuros, seios bem distribuídos, quadris largos, uma gracinha. Mas pelas atitudes, uma menina. O cara insistia para que ela reconsiderasse a decisão, que ele a amava, e tal, mas pelo visto a Paloma estava disposta a jogar mesmo Até o final. Calado eu estava, calado eu permaneci. O indivíduo chegou segurar o braço dela, mas ela desvencilhou-se com energia e disse que era tarde demais. O cara também era novo, não deveria ter mais do que 23 anos, tinha um corpo bem trabalhado, mas bem mais baixo que eu, 1, 75m no máximo. Tomei uma atitude inusitada diante daquela cena que estava a poucos passos do meu carro, na época um Logan prateado 2014: Desci do carro, caminhei lentamente até os dois e simplesmente dei um abraço nela por trás e disse assim:

Eu: Não que eu me importe ou esteja inseguro com esse mané… mas estamos atrasados, amor. Então se não se importa, termina logo com isso, porque se ele tocar em você outra vez como fez agora, eu não vou me segurar mais…- e dei um beijo bem provocante no pescoço frágil dela, que se arrepiou toda. 

Eu estava um pouco fora de forma, mas meu tamanho dava pra assustar os caras, e quando estou em trabalho, eu quase não rio. O jovem se intimidou, dando uns passos pra trás, perguntou o que significava aquilo, e ela simplesmente disse: “A fila andou, querido. Acostume-se com isso.” Mulher é foda, bicho. O cara desferiu algumas palavras de ofensas a ela, eu fiquei em pé ao lado do carro, batendo com a chave sobre o teto, e Paloma simplesmente virou as costas pro ex e entrou no meu veículo, enquanto o bocó passava vergonha na frente da galera que zoava impiedosamente.

Quando dei a partida no carro, tomei a iniciativa de me retratar por qualquer ato inesperado, mas os olhos da minha cliente universitária brilhavam atrás dos seus óculos.

Paloma: Nossa, moço, você bolou tudo isso na hora, quando me viu? Ficou perfeito!

Eu: Com todo o respeito, mas você me inspirou. Além disso, aquele cara te segurou de um jeito como se você fosse posse dele. Isso não está certo…

Paloma: E você está corretíssimo! Meus pais já vinham advertindo sobre ele e eu não acreditava. Vinha me trocando por farras, bebedeira, e como eu não posso sair de casa sozinha muito tarde da noite, ele se aproveitava pra se divertir com os amigos sem mim. 

Eu: Ok, fique tranqüila, passou. Espero que daqui em diante você faça escolhas mais ponderadas, porque você não foi achada na lata do lixo, não. Dá pra ver que você é uma garota séria, pra levar um relacionamento tranquilo, só toma cuidado com esse tipo de cara porque últimamente tem crescido assustadoramente relatos acerca de homens inconformados que… bom, nem precisa dizer.

Paloma: Eu sei. E olha, não é de hoje que ele tá desse jeito. Mas ele plantou, agora eu que não quero mais…

Eu: E tá certa. Mas se precisar entrar com uma medida legal para afastar ele de você, sabe que a lei tá do seu lado, né… não vai me ter sempre por perto e…

Paloma: Moço, eu quero te fazer um pedido…

Eu: Ai ai ai, lá vem… manda!

Paloma: Pode vir me buscar todo dia no fim das aulas? 

Eu: O quê? Tá falando sério? 

Paloma: Muito sério! Você me passou confiança, e eu me senti muito confortável até naquele momento inusitado… eu não te pediria isso se te achasse um gatinho, rsrsrs.

Fiquei um minuto em silêncio. Eu não estava crendo naquilo. Até onde valeria a pena me arriscar a pele por uma pirralha de faculdade? Já tinha 33 anos na cara, praticamente, divorciado, com filho para sustentar, estava indo bem no negócio de Driver…

Eu: você quer isso todo dia?

Paloma: só nos dias de aula. Final de semana, feriado, não precisa.

Eu:( olhando dentro dos olhos dela ) Fechado, então. Venho te buscar no mesmo horário?

Paloma: na sexta eu saio mais cedo, um cadinho. A gente pode trocar número e ir se falando?

Eu: Claro, anota aí…- o problema era que a guria era convincente. E eu tava me deixando envolver por ela. Não perdi a pose. Tratei aquilo com o maior profissionalismo, contudo… era de fazer se perder qualquer um aqueles olhos castanhos enormes e aquele sorriso largo.

Ao deixá-la em casa, pedi desculpas por qualquer coisa. Ela me lançou um novo sorriso ainda mais contagiante e disse: “Imagina, foi um prazer.” Pela encenação e por toda a conversa, óbvio que recebi 5 estrelas pelo atendimento mais do que personalizado. O que eu nem fazia idéia era que estava começando uma aventura na minha vida. Estressante por um lado, porque nos primeiros dias o filho da puta no ex dela não desgrudava da saia da mina, e por outro lado, eu sempre a abordava de maneira mais envolvente. E nessa jornada insana, eu acabei conhecendo a família. E a mãe dela me tratou super bem, deixei meu cartão com ela para qualquer serviço que fosse necessário, que se fosse necessário marcar alguma viagem eu fazia, acompanhava ao mercado para fazer compras, enfim. Ela adorou o contato, o padrasto da Paloma agradeceu, mas eu fiz questão de alertá-los sobre o assédio do rapaz à moça fora das vistas deles.

Mãe da Paloma: A gente vai tomar algumas providências quanto isso bem enérgicas, mas isso serve de lição para ela aprender a nos escutar. Ele já vinha dando esses sinais há muito tempo. Mas ela, cega de amor pelo rapaz, só fez aumentar a preocupação da gente. Que bom que temos um amigo para tomar conta agora…

Eu: Bom, agradeço a confiança. Dentro das minhas possibilidades, contem comigo. 

Isso transcorreu em menos de 1 semana. Aí, meus senhores, eu até passei a me cuidar mais: comecei a fazer a barba com mais frequência, dei um tapa no visu do carro, um perfuminho pra deixar o ambiente mais aconchegante, gastei uma grana básica num corte novo, e Paloma não deixou passar batido, não, rsrs, fazia a chamada comigo dentro do carro pra poder me dar as 5 estrelas pelo atendimento, e mais: Deixei-me aproveitar da situação e sempre fazer um agrado diferente, um carinho diferente na frente do pessoal. No segundo ou terceiro dia, eu dei um beijo nela no cantinho da boca, simulando um beijo de casal. O cabelo dela ajudava a esconder a farsa. Mas tava na cara que ela tava curtindo aquilo, porque ela não falava nada. Os olhos brilhavam atrás daquele óculos. Lá pelo quinto dia, eu atrasei quase meia hora pois o trânsito não estava ajudando e fui me desculpando com a Paloma pelo WhatsApp, e ao chegar lá havia uma confusão armada: desta vez o cara está alterado, a garota chorando, e quando percebi o rosto dela havia uma certa vermelhidão. Eu não pensei duas vezes e parti pra dentro do cara. Algumas pessoas já o agarraram, a Paloma era amparada por algumas colegas e eu, hahahahaha: quando voei pra cima do ex dela uns 4 me seguraram. Na hora da raiva me joguei pra trás e trouxe os 4 junto comigo. Naquele dia não deu Polícia por pouco, mas eu apontei o dedo na cara do maluco e falei:

Eu: Espero que você tenha mais amor a si próprio e procure cuidar da sua vida. Porque você só tem ela. Se eu te pegar atrás perto dela outra vez, você tá perdido, meu chapa! 

Ex dela: Aí, tu não sabe com quem você tá falando, não, seu mangina de merda!

Eu: E você? Sabe onde moro, com quem ando, o que faço longe das vistas dos outros? Cuidado quando você andar pela rua, moleque! E põe algo na sua cabeça: EU SOU O NAMORADO DELA! ACABOU, PORRA! VIRA O CARALHO DA PÁGINA E AME SUA VIDA! OU VOCÊ QUER ARRUINAR A SI MESMO PORQUE LEVOU UM CHUTE NA BUNDA? Aviso foi dado!

Quando voltei-me para a Paloma, ela estava com os olhos arregalados, em choque com tudo que viu. Agradeci aos amigos que ajudaram a se tranqüilizar, conduzi-a ao carro com minhas mãos tremendo, e quando entrei, dei uma respirada bem profunda antes de ligar meu Logan. As mãos estavam ao volante quando Paloma pegou meu braço direito e beijou minha mão com carinho.

Paloma: Desculpa, Mateus, eu te pus nessa confusão toda e nem sei como reparar... 

Eu: Eu escolhi entrar nessa confusão. Faria isso quantas vezes fosse necessário.

Paloma: Agora vi do que ele é capaz… mas você…

Eu: Te assustei, né! Perdão pelo que eu disse, Perdão pela ousadia em afirmar algo que…

Paloma: Eu me senti super-protegida. Isso me faz ter fé nos homens. Que entre vocês, ainda tem muitos caras bons. Eu não fiquei assustada com você. Eu me senti mal. Você não merece is…

Ela não conseguiu terminar a frase porque eu a puxei com força e encaixei um beijo bem quente, pois eu estava me segurando desde o primeiro dia, com pau duro e tudo. Paloma gemeu gostoso e retribuiu abrindo mais a boca pra engolir a minha. Que beijo quente, aquela branquinha tem! Docinho, molhadinho, uma língua voraz e enorme caçando a minha. Ela tava usando um blazer marrom, com uma camisa florida azul com um decote generoso revelando parte da sua beleza física, e uma calça jeans bem colada às suas coxas. Seu cabelo estava muito cheiroso. Os gemidos dela aumentaram quando alcancei seu pescoço e abusei das mordidinhas. 

Paloma: Hunmm... Aaaaahhh! Tá uma delícia, mas tira a gente daqui, rsrsrs! Quero ir para um lugar mais tranqüilo!

Eu: Ok, linda!

Mais calmo, dei a partida e rumei para a casa dela. Isso já era umas 23h, e com aquele clima todo até desliguei a porra do aplicativo após o recebimento do pagamento, das 5 estrelas, enfim... Queria era curtir aquela princesa. Na despedida, outro beijo quente e demorado. Dessa vez, puxei-a pro meu colo e abusei das carícias no seu pescoço, descendo até chegar próximo aos seios. Paloma respirava descompassadamente e gemia alto dentro do carro. Peguei firme pela nuca, entrelaçando meus dedos nas suas madeixas e passeei com minha outra mão sobre seus seios, abdome, até chegar ao meio das suas pernas. Desabotoei a sua calça e lentamente coloquei a mão dentro da sua calcinha. Estava muito úmida. Acariciei lentamente sem tirar meus olhos do contato com os dela.

Eu: Olha onde a gente chegou… caramba!

Paloma: Não pára… que delícia! 

Eu: A gente pode ser pego aqui na porta da sua casa…

Paloma: E daí? A gente não está namorando? Até meus pais já perguntaram se tá rolando algo entre a gente.

Eu: Tá de zoa, não tá? 

Paloma: E por que eu mentiria? Eles gostaram de você, acha você super-atencioso, cortez, até minha mãe achou você um gatinho, rsrs.

Eu: Tô bem na fita, então, hein! 

Paloma: Agora você está mais ainda! Olha como você me deixou toda molhadinha…

Eu: Pois você já me fez bater umas punhetas deliciosas pensando em você…

Paloma: Kkkkkk, é? Que tal você deixar de tocar umazinha, exceto quando estiver longe de mim?

Eu: Sério que você quer namorar comigo?

Paloma: Muito sério, gatinho…

Bom, aqui termina a primeira parte da história. Tenho que voltar pro trabalho, até breve...

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Confissões
Visualizações 556
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 2611
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

Afiliados