Reforma da Chácara Publicado por anônimo em 26/08/2020 em Erotismo e amor

"me chamo Letícia e tenho 27 anos e sou casada com o Ivan a 4 anos, temos uma menina de pouco mais de um ano que é nosso xodó, Ivan tem uma transportadora e vivemos muito bem obrigada, nossa vida é uma loucura, viagem e festas"

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

temos muitos amigos e gostamos muito de nós divertir, Ivan mudou um pouco depois que nasceu a Clarinha, começou a ficar mais distante de mim e trabalhar como nunca, eu confesso que estava me sentindo um pouco sozinha mas entendo que todo relacionamento passa por isso, esfria e deixa o sexo pra segundo ou terceiro plano, Ivan tem me procurado uma vez a cada quinze dias, e as vezes nem isso mais, eu não sinto falta do sexo, sinto falta da sua companhia, mais Clarinha me deixa muito ocupada, apesar de ter uma babá que ajuda muito, então Ivan veio me buscar pra conhecer a chácara que ele comprou do seu melhor cliente, uma propriedade com uma lagoa artificial e também uma casa de campo, Ivan me pediu pra ajudar na reforma da casa, então chegamos lá e a arquiteta já estava falando com um senhor que ia tocar a obra, seu Dirceu, senhor simpático e também seu sobrinho o Robson, esse já era muito menos simpático, rapaz bonito e forte, mais parecia estar de mau com a vida.

Seu Dirceu sorrindo disse, se quiser posso fazer essa reforma em duas semanas, então o sobrinho dele disse, acho que pode demorar mais em tio, a arquiteta já experimente falou, não quero pressa, quero que fique perfeito, Robson ficou olhando enquanto seu Dirceu combinava alguns detalhes como eu gostaria que fosse a varanda e também a churrasqueira, Ivan ficou no carro com seu celular, não desceu nem pra conversar com seu Dirceu, eu acertei os detalhes com a Laís e também com seu Dirceu e fui embora, no outro dia eu estava com uma dúvida sobre o que tinha combinado com a Laís a arquiteta, então liguei pra ela e combinamos de nós encontramos lá na chácara, cheguei primeiro e fui entrando na casa que estava com alguns andaimes e já com algumas ferramentas espalhadas pelo chão, fui dando a volta pelos fundos e me deparei com o Robson, o rapaz bonito sem camisa e totalmente suado e também molhado, desculpa dona Letícia, é que eu estava me refrescando um pouco, tudo bem Robson, pode me chamar só de Letícia mesmo, deixa o dona pra lá, Robson sorrindo disse, é o hábito, e seu Dirceu onde está, meu tio foi pra cidade buscar um quilo de prego e depois ia passar em outra obra, e a Laís não chegou ainda, não vi ninguém chegar não, então peguei meu celular e liguei pra Laís, ela atendeu e disse que não ia conseguir chegar em menos de uma hora, eu não tinha outro compromisso então disse que podia esperar, Robson foi colocar sua camiseta e voltou todo cheio de ideia pra cima de mim, nossa dona Letícia que bonito esse lugar, tem um pomar ali atrás das árvores grandes, é uma belezura, não conheço nada ainda Robson, meu marido comprou essa chácara sem falar comigo, posso te mostrar dona Letícia, só vou com você se parar com essa dona, tá bom então Letícia, é só descer por aqui e fomos indo pra trás da casa e seguindo um caminho cheio de palmeiras e flores, Robson foi na frente e me ajudou com a cercado que dividia o pomar do resto da propriedade, e realmente era muito bonito, várias espécies frutíferas, manga, goiaba, pêssego, entre outras, então Robson apanhou uma manga e começou a chupar e se lambuzar todo, aquele rapaz bonito comendo aquela manga com muita vontade me deixou com água na boca, Robson mordendo com vontade me disse, quer uma Letícia, quer o que Robson, uma manga, a uma manga, risos…pensou que era uma mordida…risos.

Aquele rapaz era muito safado mesmo, eu fiquei sem graça e disse, acho que vou preferir uma goiaba mesmo, deixa que eu pego Letícia, Robson escolheu uma bem bonita e me deu olhando nos meus olhos com muita safadeza, eu peguei na mão dele e agradeci meio sem jeito, mordendo levemente a goiaba e também olhando pra ele devorar aquela manga com alguns golpes, vem Letícia, tem uma vista linda da lagoa por trás do pomar, então fomos indo entre as árvores e Robson me mostrou aquele lugar lindo, nossa Robson que lindo, por um momento até me esqueci que estava com o sobrinho do construtor no meio do nada e também um pouco impressionada com aquele rapaz bonito, Robson foi na lagoa e lavou as mãos grandes e fortes e voltou dizendo, você precisa ver do alto dessa árvore grande, lá no topo é muito lindo, não subo nessa árvore grande nem por um milhão, risos…Robson me pegou pela cintura e me colocou no primeiro galho e depois subiu também, que força ele tinha, parecia que eu não pensava nada nas mãos grandes dele, você pode deixar que eu te seguro então fui subindo galho por galho e Robson me dando segurança enquanto eu subia com muito medo, mais Robson me pegou pela cintura e me segurando firme me deixava mais segura, tá vendo Letícia como não tem perigo, então comecei a relaxar e confiar nele e fui subindo, em pouco tempo já estávamos quase no topo e a vista linda valendo a pena, Robson então parou em um momento e disse, não sei se é seguro continuar, acho melhor apreciar a vista daqui mesmo, sério mesmo Robson, agora eu quero subir mais e ver se consigo chegar no topo, tudo bem então Letícia mais vai precisar se agarrar em mim, eu olhei aquele rapaz bonito e forte então eu me segurei firme nele e depois fomos com cuidado e com nossos corpos colados subindo com muita calma, seu rosto apenas alguns centímetros do meu, e sua boca carnuda e seu sorriso lindo me deixando louca mas não deixei ele perceber minha excitação, apesar da minha respiração alterada e um pouco ofegante, mais naquela altura era muito compreensível.

Robson se apoiou em um galho e depois me disse pra segurar naquele galho e depois se posicionou por trás de mim e com seu corpo forte me deixou descansar sobre ele, que visão maravilhosa, valeu muito o esforço, Robson ficou me apoiando pela cintura e com seu corpo bem atrás do meu disse, acho que não tem vista melhor da lagoa, eu não queria mais acabei sentindo um desejo de me encostar mais nele então fui me posicionando contra aquele corpo, Robson percebeu então com muita malícia me colocou bem coladinho a aquele volume, Robson com 1. 80 de altura e eu com 1. 65 fiquei com ele totalmente bem encaixado na minha bundinha, eu não sabia bem como desfarçar mais estava adorando aquela rapaz me deixando sentir seu pênis duro, Robson bem safado me tocando levemente na minha cintura me trazendo as vezes pra ele e eu já não aguentando mais deixava meu bumbum encontrar seu corpo forte, Robson com sua mão na minha barriguinha e seu pau duro me tocando, então eu disse acho melhor agente descer e a Laís já pode estar chegando, você quem sabe Letícia, por mim eu ficava a noite toda aqui em cima, e me encoxou mais uma vez, nossa eu já estava querendo me virar e beijar aquela safado, mais fiquei firme me fazendo de difícil, que delícia Letícia sentir seu perfume, e sua mão alisando minha barriguinha e seu pau duro cada vez mais sacana, preciso mesmo descer Robson, tá bom então e foi me ajudando a descer e também aproveitando pra se agarrar em mim e me mostrar como estava excitado, eu fiquei disfarçando que não tinha sentido aquele volume, então quando chegamos em baixo da árvore Robson me pegou e foi me fazendo sentir seu corpo forte e naquele lugar deserto se aproveitou pra me ajudar e flertar comigo.

Fiquei agarradinha com ele no meio do nada em baixo da árvore e pra minha sorte ouvimos quando chegou um carro, deve ser a arquiteta, preciso ir Robson, tudo bem Letícia, também preciso voltar pro trabalho, obrigado por me mostrar essa lugar lindo, que isso, é só chamar que eu vou estar sempre por aqui até o final da obra, então me virei e comecei a voltar e Robson me pegou pelo braço e me puxou com muita força e me beijou, foi muito rápido e me pegou de surpresa, eu não resisti seu beijo e retribuindo aquele beijo gostoso que durou um minuto mais que pareceu uma eternidade, me soltei daquele ssfado e disse, o que você pensa que está fazendo, seu casada Robson, você não pode fazer isso comigo, me virei e voltei correndo pra obra, Laís estava me esperando, na varanda da casa, oi amiga, faz tempo que você está esperando, não cheguei agora, eu estava conhecendo um pouco mais o lugar, então Robson apareceu e disse, Letícia estava vendo o pomar comigo, se quiser posso pegar umas mangas pra levar pra casa, você quer Laís, acho que não vou querer porque não comemos muita fruta lá em casa, então Letícia qual era sua dúvida mesmo, então fui conversar com a Laís e também me afastar daquele safado, tirei minhas dúvidas com a arquiteta então Laís foi indo pro carro dela e eu fui com ela, Laís foi embora e eu fui calmante indo pro meu carro também e quando percebi Robson veio se aproximando, não consegui entrar no carro e ele me cercou e disse, queria pedir desculpas por aquele beijo, esquece isso Robson, a dona vai ficar brava comigo, olha Robson, primeiro que não te dei intimidades pra isso, sou uma mulher casada e você tem que me respeitar, a senhora não vai contar pro meu tio, não consegui resistir aquele jeito de me olhar então eu disse, você pode ficar tranquilo que não vou falar nada com ele, mais nunca mais faça isso com outra mulher, você entendeu, claro dona Letícia, obrigado por me deixar trabalhar aqui, então eu entrei no carro e fui embora.

Cheguei em casa e Ivan estava com um amigo bebendo whisky no seu escritório, oi amor, você estava na chácara, fui lá mesmo mas já resolvi, que bom ter você pra essas coisas, não tenho paciência com essa gente, na mesma hora comecei lembrar do meu beijo gostoso em baixo da árvore,, que coisa louca, meu coração disparou e fiquei toda vermelha, tudo bem amor, você parece que viu um fantasma, não e nada não, acho que foi o calor, vou tomar uma ducha e descansar um pouco, beijei meu marido e fui pro meu quarto, tirei minhas roupas e entrei na ducha, meu corpo estava quente e tinha uma certa excitação que eu estava querendo desfarçar, mais embaixo daquela água quente não consegui resistir e comecei a lembrar daquele ssfado me encoxando naquela árvore e seu pênis duro me tocando, quando percebi já estava me masturbando gostoso pensando no Robson, eu acabei gozando naquela ducha e com aquele sentimento confuso deitei e acabei relaxando e adormecendo, Ivan me acordou com uns beijinhos na barriga, e como estava ainda sonolenta imaginei que fosse o Robson me beijando e aquilo foi estranho, Ivan me procurando pra fazer um sexo, deixei aquela fantasia rolar então transei com ele pensando no Robson, Ivan não entendeu bem porque eu estava tão fogosa, mais gostou é claro, então na manhã seguinte eu acordei já com um tesão que não sabia bem o porque, minha bucetinha estava piscando, toda mulher casada sabe que isso não é normal, acordar excitada assim é um pouco incomum, então me virei e continuei naquele cochilo gostoso, mais meu tesão só aumentou e comecei a lembrar daquele ssfado do Robson, não queria mais acabei pensando naquele beijo gostoso e aquilo estava mexendo comigo.

Já tinha passado uma semana desde aquele beijo e eu já estava dominando meus sentimentos, evitei ficar pensando como foi gostoso beijar aquela boca carnuda do Robson, então Ivan veio me buscar pra ir na obra, queria minha opinião sobre alguns detalhes do acabamento, eu fiquei muito nervosa só de pensar que eu iria encontrar com ele na obra, me arrumei toda pra ele, Ivan ficou até impressionado com meu vestidinho curto, nossa Letícia que vestido curto é esse, não enche o saco Ivan, peguei o primeiro que vi no closet, tá bom então vamos que eu estou com pressa, cheguei na obra e Robson me olhou de longe, não consegui resistir e também olhando pra ele dei uma rebolada pra fazer um pouco de charme, Ivan estava com pressa então vimos tudo bem rápido e quando já estávamos indo embora Ivan pediu pro seu Dirceu se ele podia ir lá em casa pra ver um probleminha na garagem, um vazamento que estava deixando a parede toda embolorada, seu Dirceu disse que não teria tempo mais ia mandar o Robson dar uma olhada, amanhã mesmo ele vai dar um pulo lá seu Ivan, tá bom então seu Dirceu, se não estiver lá pode pedir pra ela falar com minha mulher, os dois falando e eu olhando pro Robson, ele ficou me encarando todo o tempo, então fomos embora e eu fiquei muito excitada em saber que o Robson iria me ver no outro dia.

Ivan saiu cedo para trabalhar e eu fui me arrumar pra esperar o Robson, não sabia que roupa colocar, estava super excitada com a visita dele, então coloquei um short e uma blusinha e pedi pra babá levar clarinha pra passear, eu queria receber ele sozinha em casa, Robson chegou e eu fui recebê-lo, oi Robson, oi Letícia, seu Dirceu pediu pra mim ver um probleminha aqui na casa, pode vir comigo que eu vou te mostrar, então fomos pra garagem, Robson olhando pra parede examinou o serviço e disse acho que vou ter que quebrar e ver aonde está o vazamento, eu estava muito nervosa com ele tão perto de mim então fiquei olhando seus braços fortes enquanto ele falava comigo, a garagem tinha uma porta que dava acesso pra uma lavanderia então Robson começou investigar mais e eu atrás dele, ele foi até a porta da lavanderia e fechou a porta, eu fiquei entre ele e a porta fechada e Robson disse, eu queria dizer que não consegui esquecer aquele nosso beijo, não fala nisso aqui, a babá pode estar voltando, ninguém vai ouvir agente e disse baixinho, você me deixou maluco Letícia, já te falei que não era pra você falar mais sobre esse assunto, eu sei disso mas não tem como esquecer seu perfume, eu estava encurralada então tentei passar por ele e fugir daquela tentação, deixa eu sair Robson, passei por ele e quando alcancei a porta Robson me agarrou por trás e me puxou pela cintura e me deixando sem reação me disse no meu ouvido, eu sei que você também gostou Letícia, me solta Robson, se não gostasse não vinha aqui com esse shortinho, suas mãos grandes começaram alisar minha perna e eu não sabia definir se queria continuar com aquele safado me tocando na lavanderia, ou tentava me soltar e fugir dali, Robson me agarrando era muito gostoso, mais eu não podia deixar ele me tratar assim daquele jeito, eu estava gostando daquela sensação de ser desejada outra vez e ainda mais por um rapaz bonito, mais era minha casa e aquilo não estava certo, eu tentei me soltar e Robson me virou pra ele e me beijou novamente, sua língua deliciosa invadindo minha boca foi demais pra mim, não consegui resistir e comecei a agarrar aquele safado, o clima estava esquentando e aquele beijo me deixando vulnerável, Robson agarrou minha bundinha e também meus peitinhos, o safado estava se sentindo o dono da casa, então consegui me afastar um pouco e disse, não podemos fazer isso aqui Robson, aonde você vai querer fazer então Letícia, no momento eu pensei que tinha que ganhar um pouco de tempo porque já estava quase transando com ele ali mesmo na lavanderia e era muito perigoso, a babá já estava voltando e eu precisei pensar rápido, acho melhor eu te encontrar na obra, você tá falando sério Letícia, tô sim, agente se encontra na obra depois das seis horas, eu sempre vou pra academia e ninguém vai perceber, Robson então me soltou e disse, se não aparecer venho aqui amanhã te comer todinha entendeu bem, e não vai me enrolar com nenhuma desculpa, não Robson, eu juro que vou as seis horas, então Robson me agarrou e me beijou novamente com aquela sua voracidade, que delícia sentir seu pênis duro e sua boca carnuda, ele me soltou e disse, não quero levar bolo hein, e saiu com sua moto, eu estava muito aliviada por enquanto, consegui ganhar um pouco de tempo e não sabia como eu iria fazer pra me livrar daquela enrroscada que eu tinha me metido.

A babá chegou e eu ainda estava pegando fogo, muito excitada com aquele agarramento na lavanderia, eu tentei me recompor e não dar bandeira, mais não conseguia parar de pensar naquele safado me tocando gostoso, fiquei o dia inteiro pensando uma forma de resistir aquela sensação maravilhosa de ser desejada, mais não consegui, já estava totalmente louca pra encontrar o Robson, então Ivan chegou do trabalho e eu disse que ia na academia como sempre fazia, Ivan foi tomar banho e ir dormir cedo, Ivan sempre dormia antes das 10 horas, eu já estava acostumada com seu horário diferente do meu, então peguei meu carro e vestida com calça legging preta e um top fui pra chácara encontrar com o Robson, meu coração estava a mil, era a primeira vez que eu estava fazendo aquilo, meu marido Ivan não podia imaginar que eu estava traindo ele, e ainda mais com um rapaz da obra, mais estava muito envolvida com aquele rapaz bonito e queria ver se eu conseguiria ir até o fim, então cheguei na chácara e já estava um pouco escuro, percebi uma luz acesa no fundo da casa, estacionei e bateu um arrependimento, mais não podia ir embora então fui entrando na obra, no final do corredor tinha um quarto com uma televisão acesa e a porta entreaberta, Robson estava sentado só de short e sem camiseta num sofá de canto, ele me mandou entrar, o quarto era um pouco escuro e apenas a TV ligada iluminando seu corpo forte, você pode entrar aqui Letícia, eu entrei com muita dúvida se devia estar ali, ou voltava pro meu carro e fugia dali, deixa eu ver essa bundinha gostosa Robson falou, eu me virei pra ele e mostrei meu bumbum, Robson me puxou pela cintura e me beijou com aquela safadeza, eu sabia que você viria, eu só vim aqui pra dizer que não posso mais fazer isso, meu marido não merece isso, deixa seu Ivan fora disso Letícia, esse papo é só nosso, e como eu estava gostando deixei ele me agarrar gostoso, seu membro estava duro e querendo pular pra fora do seu shorts, Robson me deixou com os peitos pra fora e começou chupando um de cada vez, aquele safado sabia chupar gostoso demais, eu tentei falar que não podia fazer aquilo mais já estava totalmente nas mãos dele.

Robson não queria perder tempo e em poucos minutos já me deixou peladinha e de costas naquele sofá e começou a me chupar, sua língua envadiu minha xoxota e também meu cuzinho, ele alternava suas lambidas, comecei a gemer muito e Robson então foi tirando seu pauzão do shorts, me virei um pouco e pude ver o seu tamanho, que loucura, seu pau duro estava envergado pra cima e levemente inclinado de lado e completamente rígido, uma cabeçona bem avermelhada, eu não queria ficar tão feliz daquele jeito, parecia uma criança ganhando doce, Robson então disse pra mim, vem aqui sua putinha chupa gostoso meu pau duro, eu não esperava por aquilo mais não consegui resistir aquela vontade então me virei e comecei a lamber seu pau duro, com a língua lambendo suave e lentamente aquela cabeça vermelha, seu pau duro estava uma delícia, então fui babando e salivando aquele mastro gigante, com as duas mãos comecei a punhetar e chupar com muita vontade, Robson então abriu suas pernas e disse, que putinha safada, chupa gostoso minhas bolas, então fui me posicionando e comecei a lamber seu saco gostoso, eu estava muito excitada e comecei a me masturbar enfiando meu dedo brincando com minha bucetinha, Robson então me puxou pelos cabelos e me jogou na caminha de solteiro que estava no outro canto, do quartinho, já cai de quatro numa posição que Robson adorou, só ajeitou meu bumbum e foi empurrando seu pau duro gostoso pra dentro da minha xoxota, Robson me penetrou profundamente com muita violência, senti quando ele entrou com tudo, tentei pedir pra ele ir mais devagar mas não tive chance, Robson me agarrou e começou a bombar minha xoxota como um animal, que delícia sentir seu pênis duro dentro da minha bucetinha, Robson então me levantou um pouco e disse, você vai levar rola nessa bundinha gostosa então ele já foi abrindo meu cuzinho e foi empurrando aquele pênis duro no meu cuzinho, eu não estava esperando por aquilo então não tive tempo pra dizer não, Robson foi enfiando seu pau no meu cuzinho sem muita cerimônia, só tive que me curvar e arrebitar meu bumbum e deixar Robson me penetrar gostoso, meu cuzinho não resistiu aquele pauzão gostoso e aquilo foi me enlouquecendo, que delícia ser fofida por um macho gostoso, Robson me fodendo o meu rabinho e me chamando de safada, seu marido é um corninho de sorte, esse rabo é uma delícia, seu pauzão gostoso entrava fundo e depois de alguns minutos eu já estava acostumado com aquela vara enorme então Robson gozou dentro de mim, sei pau duro não parava de jorrar, meu cuzinho ficou tudo lambuzado de gozo, eu estava exausto com aquela surra que ele me deu, acho que valeu por umas três horas de academia, Robson então se deitou e me beijou novamente com muito carinho, eu estava nas nuvens, preciso ir embora Robson, seu corninho manso vai ficar esperando por você, não sei, acho que quando eu chegar Ivan já deve estar dormindo, que pena, você podia mostrar esse rabinho gostoso pra ele, o corninho manso vai gostar do meu pau, e também o serviço que eu fiz foi de primeira, para com isso Robson, eu preciso ir mesmo.

Vesti minhas roupas e Robson me agarrou e me beijou e me deixando com muita vontade de foder com ele de novo mas já estava na hora e Ivan podia desconfiar de algo, então eu ui embora toda lambuzada e também com meu cuzinho todo esfolado, Robson tinha me deixado com o rabinho pegando fogo, que delícia sentir seu pênis ainda nas minhas pregas, nunca ninguém me fodeu gostoso assim, então cheguei em casa e o Ivan estava no escritório, ele me viu entrar no banheiro e depois foi deitar como sempre fazia, eu fiquei na água curtindo minha aventura, fui dormir mais tarde um pouco, na manhã seguinte eu acordei com o Ivan conversando com um cliente e combinando uma viagem de negócio, amor você cuida de tudo que vou fazer uma viagem de 3 ou 4 dias e se precisar me liga, tá bom amor, pode ir tranquilo, deixa comigo, Ivan fez as malas e foi pro aeroporto, o táxi dele saiu e a moto do Robson chegou quase na mesma hora, nossa babá veio me perguntar se podia levar a Clarinha no parque pra brincar com as meninas da escola, eu disse que tudo bem e não tinha pressa pra voltar, então fui receber Robson na porta, eu estava de babydoll e uma calcinha enfiada na minha bundinha, abri a porta e Robson não acreditou no que viu, seus olhos arregalados e sem saber o que dizer, então peguei ele pelo braço e puxei ele pra dentro da casa, fechei a porta e pulei no seu colo e Robson sem entender nada me segurando firme me beijou gostoso, o que está acontecendo Letícia, onde está o corno manso, Ivan foi viajar a negócio e não podia ser uma hora melhor.

Robson me agarrou e começou a me beijar e ficar excitado com seu pauzão gostoso, eu disse acho melhor você vir comigo pro meu quarto, Robson não acreditava naquilo, então fomos pro meu quarto e começamos a nossa festinha, eu disse pra ele que estava com saudades do seu pau duro e Robson então disse já abrindo as calças, e eu com saudades dessa boquinha gulosa, vem aqui chupar meu pau duro sua safadinha, eu joguei Robson na minha cama e fui tirando seu pau duro pra fora, comecei a beijar seu pênis duro com muito carinho, sem pressa, arregacei aquele pauzão gostoso e comecei a sugar aquela cabeçona, Robson então de deitou bem confortável com os braços no travesseiro enquanto eu beijava e lambia lentamente aquela cabeça vermelha, o ssfado parecia estar no céu, chupa minha safadinha, chupa gostoso seu macho, eu estava adorando aquela sacanagem, não deixei de chupar um minuto seu pauzão grosso, Robson então me disse, vem putinha, senta gostoso nessa vara, eu fui calmante e subi naquele pênis duro, minha xoxota totalmente encharcada engoliu aquele pauzão gostoso, então me virei e comecei a foder seu pau duro virado para ele, minha bundinha ficou ao seu alcance, Robson me deixou cavalgar e também me dava tapas na bunda, vai putinha, foda mesmo, assim mesmo que eu gosto, vai safada fode gostoso esse pau duro, eu estava muito louca pra sentir ele dentro de mim então fiquei em cima dele sentindo aquele pênis delicioso abrir minha xoxota totalmente, que delícia era aquela experiência, meu marido Ivan me deu um presente, foi viajar bem na hora que eu estava louca pra sentar naquele pênis duro, que maravilha, Robson então disse, vai putinha fica de quatro que quero arrombar esse rabinho lindo, eu imediatamente fui ficando de quatro na cama então Robson sem perdão me puxou pela anca e estocou de uma só vez, seu pauzão grosso entrou pela metade, ainda um pouco dolorido da outra vez que ele me fodeu, mais não queria parar e deixei ele me penetrar gostoso, seu pau foi aos poucos entrando no meu cuzinho e Robson então começou a bombar com muita vontade, como aquele safado sabia como me dominar.

Ele já estava bombando meu cuzinho e deixando meu rabinho todo arrombado, que delícia era aquela vara enorme me fodendo gostoso, Robson então disse pra mim ficar de joelhos na cama que ele queria gozar no meu rosto, me puxando os cabelos me disse, abre essa boquinha linda e chupa gostoso meu leitinho quentinho, eu não estava acostumada a ser tratada como uma vadia, mais estava adorando aquela sacanagem, Robson então soltou seu gozo no meu rostinho, eu bebi um pouco do seu esperma e o resto escorreu pelo meu queixo e também nos meus seios, então Robson deitado como se fosse sua cama me perguntou quando meu marido voltaria de viagem, eu disse que achava que 3 ou 4 dias, então Robson disse pra mim que ele ia demorar esses dias pra arrumar o vazamento na garagem, risos… eu estava feliz da vida com meu amante, Ivan não era metade do homem que o Robson era, precisei foder com ele pra ver como é gostoso ter um macho de verdade, fodemos muito nesses dias que o Ivan viajou, Robson até dormiu uma noite comigo, mais já estava dando na cara e decidimos tomar mais cuidado pra ninguém descobrir nosso romance, a babá já estava desconfiada de mim e do Robson, então começamos a nós encontrar na obra, naquele quartinho que virou nosso ninho de amor

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 1

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Erotismo e amor
Visualizações 611
Avaliação 0 ( votos )
Comentários1
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 5471
Tempo estimado de leitura: 27 minutos

Afiliados