Hans Publicado por paixão22 em 11/04/2017 em Gay

"Uma noite em um bar especial e ali conheci a Hans um médico de origem alemã... "

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Hans

Bom dia a todos meus queridos leitores, espero que estejam muito bem e que tenham feito todas as coisas que lhes produzem prazer, devem aproveitar cada momento como se fosse o último já que não sabem se vai ser assim. Considero que tenho toda a moral para dizer isto, porque eu faço, mas minha única recomendação é que façam as coisas sem misturá-las com seu trabalho e tentando de não lastimar a ninguém, pelo menos assim faço eu.

Em dois dias vou apresentar ao escritório o caso Guimarães e, assim, eles vão dizer-me sua opinião. No gabinete, todos somos muito bons em nossas áreas, mas quando é um caso importante, antes de ir a juízo apresentamos o caso para nossos colegas para ver se temos alguma fraqueza e assim melhorar nossos argumentos e poder fortificar o caso e assim eliminar o fator de erro. Até o momento era quarta-feira, já estava na metade da semana e queria acabá-la o antes possível.

Como coisa “estranha”, tenho saído de último do escritório, me dirigi ao estacionamento e ali estava meu “ fiel amigo”, meu querido Jaguar, passei minha mão por sua formosa figura aerodinâmica, até que entrei, ainda se sentia o cheiro de couro e como gostava disso, o liguei e o comecei a acelerar, para assim, ouvir rugir seu motor e assim tornar-me relaxado; depois de fazer meu tradicional ritual sai do estacionamento; inicialmente ia para minha casa, mas fiz um desvio e fui até a rua dos bares, queria uma cerveja.

Estando na rua, entrei a um local que se chama “rainbow”, e pelo nome podem imaginar que o ambiente do bar é muito variado ao igual que seus visitantes; me parqueei e logo me dirigi a entrada principal, estando ali fui recebido por um dos guardas mais atrativos que até o momento tenha visto, um negrão de olhos castanhos claros e muito sério, chamou minha atenção, más só foi isso. Ele me revisou amavelmente, logo paguei minha entrada e passei.

Estando dentro do local, me dirigi ao balcão e pedi um chope, esse dia tinha o capricho de beber cerveja, gosto mais dos cocktails e do rum, mas hoje queria algo diferente ou pelo menos algo que não costumava beber muito. Já tinha bebido dois chopes e a música estava boa, nesse momento se ouvia “Todo Dia” de Pabllo Vittar com Rico Dalasam, gostava dessa canção; ao instante fui para a varanda do local e saquei da bolsa do casaco meu cachimbo, comecei a fumar meu preferido Captain Black Cherry e sentir seu delicioso bom cheiro.

Depois de ter acabado de fumar, entrei novamente ao local e me dirigi de novo ao balcão, me sentei e quando ia pedir outra cerveja, a bartender me deu um Martini e me disse que o homem da mesa que estava perto da janela o tenha enviado; bebi um sorvo e me virei, quando dei com a mesa ali estava um loiro de cabelo curto, olhos verdes, branco e desde onde estava se via que tinha um bom corpo, mas o que me gostou ainda demais foi seu rosto de menina, tão delicado e bonito.

Dei um pícaro sorriso, me levantei do balcão e fui até onde estava o atraente loiro; já tinha chegado a mesa e ele se pus de pé, ali foi onde o detalhei ainda mais, e de verdade estava muito gostoso, tinha um corpo muito atlético, nós demos um apertão de mão e me invitou a sentar-me a seu lado.

Já na mesa começamos a falar e ali soube seu nome, se chama Hans e é de família alemã, tem 20 anos e está a estudar medicina em Alemanha, mas agora está de férias e estava visitando a família; esse dia queria relaxar-se e foi a esse local a isso, ainda me confessou que recentemente tinha aceitado sua sexualidade e que segundo ele lhe parecia muito atrativo, eu sorri e lhe disse que tivesse cuidado comigo, já que podia ser um lobo disfarçado de ovelha; depois de dizer essa frase os dois começamos a rir.

Já tinha bebido umas quantas cervejas, só aceitei o Martini que me tinha invitado por educação, como lhes disse o que queria esse dia era chope. A música estava muito boa e o invitei a dançar, ao início sentiu vergonha, mas com os Martinis no corpo se desinibiu e fomos até a sala e assim sentir o ritmo da música em nossos corpos; estando defronte dele notei que quase era de meu tamanho e além de ter um corpo atlético era muito delicado, isso me encantou ainda demais.

Após ter dançado várias canções, voltou a mim a necessidade de fumar, mas esta vez fui até a varanda com Hans, ele sacou um cigarro e me acompanhou enquanto eu cachimbava tranquilamente, depois de acabar de fumar senti sua mão na minha, e isso me produz uma correnteza elétrica por meu corpo e me beijou ali mesmo, me senti muito excitado e continuei o intenso beijo; nossas línguas jogavam na boca do outro, o abracei com força já que o queria sentir muito perto de mim e senti sua ereção, assim como ele sentiu a minha.

Assim que depois de nossos intensos beijos, lhe pedi que me acompanhasse, pagamos a conta e saímos do local, fomos até o estacionamento ali ele me disse que si queria podíamos ir a sua picape Super Duty Platinum vermelha, era muito grande para meus gostos, mas estava muito bonita, o melhor de tudo é que tinha os vidros polarizados e ninguém podia ver o que sucedia dentro, mas nós podíamos ver o que acontecia fora.

Entramos a parte traseira da picape e iniciamos a rodada de intensos beijos, de uma vez saquei meu membro de minhas calças e fiz que o apanhasse enquanto nossas línguas jogavam na boca do outro, então saquei seu pênis e comecei a dar-lhe uma punheta; os dois estávamos a desfrutar o momento e os dois gemíamos de prazer, logo apanhei seu lindo rosto e o dirigi ao meu membro e começou a dar-me um ótimo boquete, para ser alguém que apenas tinha aceitado sua sexualidade como sabia chupar pênis.

Eu me mexia em sua boca e gemia, logo apanhei seu pênis enquanto continuava com seu labor oral e comecei a dar-lhe uma boa punheta, logo notei que Hans estava muito excitado e se baixou as calças e me disse que me queria dentro dele, eu sorri, e ia a fazê-lo meu nesse instante; o loirinho sacou um preservativo e eu o coloquei. Já estando pronto comecei a penetrá-lo com força, mas a picape nem se movia, era como se ali não acontecesse nada.

Minhas investidas eram fortes e enérgicas, Hans gemia ao igual que eu; enquanto o penetrava apanhei seu membro e lhe dava uma punheta, assim continuamos uns minutos até que senti como ele gozou na minha mão e ao instante senti como já eu ia acabar, assim que saquei meu pênis e retirei o preservativo para logo descarregar tudo meu sêmen na sua provocativa boca para vê-lo engolir meu leite.

Depois de nosso intenso encontro, nos arrumamos e mudamos de números de celular, ele me disse que em uma semana iam acabar suas férias e lhe gostaria de compartilhar comigo pelo menos uma vez mais. Lamentavelmente para ele lhe dei um número falso, já que só o queria para esse momento e pronto.

Não me considero mau, más só queria prazer dele e o obtive...

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor paixão22
Categoria Gay
Visualizações 156
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1462
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Afiliados