Meu passado me condena.! Publicado por anônimo em 28/06/2019 em Gay

"Meu primeiro emprego foi quando completei meus 18 anos, meu vizinho trabalhava em um supermercado e surgiu uma vaga para trabalhar no açougue, então comecei fazendo meio período porque estudava de manhã e na parte da tarde ficava no açougue do mercado"

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

quando comecei não sabia nada de carnes mais fui aprendendo com os rapazes que já estavam trabalhando a mais tempo, tinham vários meninos é o encarregado, o Airton um cara legal, ele sempre ajudando os novatos, logo nas primeiras semanas fiquei na limpeza e usávamos um uniforme todo branco e botas de borracha, Airton deixou o Ademir comigo na limpeza, Ademir também já tinha bastante experiência e foi me ensinando, treinando e dizendo como gostava da organização.



Ademir tinha uns vinte e poucos anos e era um cara malandro e sarrista, estava sempre zuando e fazendo piadas, eu passava a maior parte do tempo no fundo do açougue e os outros ficavam mais na frente, uma tarde o Ademir me pediu para trabalhar com ele na câmera fria e ficamos sozinhos, o Airton não estava neste dia e começamos a organizar as caixas de congelados, Ademir começou a me perguntar se eu gostava de linguiça e ficava fazendo piadas com aquelas linguiças, uma hora ele começou a punhetar as linguiças e dizendo se eu nunca tinha pegado na linguiça de alguém, eu achei aquilo estranho mais fui deixando ele brincar, Ademir foi ficando cada vez mais inconveniente e com muita malandragem comigo, sempre brincando e querendo me deixar sem jeito, aquilo estava ficando cada vez pior, ele já tinha passado várias vezes uma linguiça na minha bundinha e Ademir disse para mim, sabe Lucas, aqui no açougue temos o batismo dos novatos e você ainda não foi batizado, como assim, oque é esse batismo, você precisa pegar na linguiça dos mais velhos e quando entrar outro ele pega na sua linguiça também, eu era bastante inocente e fui deixando ele me convencer, Ademir muito malandro foi fazendo minha cabeça, quando entrei aqui eu peguei na linguiça do Jairo e agora você é o novato então precisa pegar na minha linguiça, porque acha que estamos aqui sozinhos, então Ademir abriu o zíper e tirando da calça colocou sua linguiça pra fora, olhando aquilo fiquei completamente sem resposta e Ademir disse, vamos Lucas, pega minha linguiça logo, é a lei do açougue.



Ademir chegou perto e disse, então Lucas vai ficar olhando ou você nunca vai ser batizado, vai cara pega logo, eu com apenas 15 aninhos não tinha como saber que aquele malandro estava me sacaniando, como eu faço isso, é só pegar e pronto, já foi chegando mais perto e puxando meu braço, acabei tocando naquilo, Ademir disse, pega com gosto rapaz, então peguei na mão, fiquei sem saber o que fazer e ele disse, agora meche, como assim, não era só pegar e pronto, não basta pegar, tem que batizar por completo, você precisa deixar ele duro, aquele malandro fez eu mexer um pouco e aquilo foi crescendo na minha mão, então depois de umas mexidas seu pênis ficou enorme e grosso, tinha uma cabeça vermelha e pontuda, vamos Lucas, vai mexendo, eu tentei parar mais Ademir segurando meu braço me fez continuar, seu pênis duro foi ficando cheio de veias e pulando na minha mãozinha, mal conseguia abracar aquela linguiça, então ele pedia para mexer mais rápido, eu já tinha me masturbado algumas vezes e fui fazendo igualmente, mais seu pênis era muito grande e grosso e eu deixei aquele pênis muito excitado, Ademir ficava me dizendo, vamos Lucas, mais rápido, mais rápido, então aquele pauzão jorrou esperma pra todos os lados, foi porra pra caramba, e só depois ele soltou meu braço.



Ademir ficou com uma cara de satisfação e guardou seu pau na calça, muito bem Lucas, gostei de ver, agora falta o chupisco e você estára batizado, Ademir saiu e foi fazer outro serviço, então no outro dia Ademir me chamou para irmos para o fundos de novo, sempre esperando o Airton sair, e ficamos sozinhos de novo, então Lucas hoje você vai ser batizado, já foi abrindo as calças e dizendo, é só você repetir como ontem, então eu bem inocente já fui fazendo igualmente, peguei seu pau e fui masturbando, eu estava desconfiado que aquilo era mesmo uma malandragem mais fui fazendo como ele queria, Ademir então disse, vamos Lucas, faça um chupisco e considero você batizado, como eu faço isso, na mesma hora Ademir me fez ajoelhar e me disse, chupa gostoso esse pau Lucas, fiquei de frente com aquele pintão, não sabia como começar e fiquei olhando e Ademir disse, vai Lucas, chupa logo isso, então eu encostei meus lábios naquele pênis e brinquei com a cabeça, percebi que Ademir gostou quando eu passei a língua e aquilo me deixou com muita vontade e querendo experimentar mais, então peguei e chupando apenas a cabeça fui reparando que Ademir estava gostando cada vez mais, coloquei minha boquinha naquele pênis e fui chupando, Ademir segurando minha nuca me fazia carinhos e também me forçando engolir cada vez mais seu pau duro, já estava gostando daquilo e ficamos bastante tempo naquele chupisco, Ademir fechou os olhos e deixou eu chupando a vontade, minha boquinha já estava brincando com aquele pauzão quando Ademir soltou seu primeiro jato de porra, me assustei mais contínuei chupando, aquilo me lambusou todo e fiquei totalmente gozado, Ademir deixou seu esperma escorrer e ainda me esfregando seu pau na minha boquinha me fez limpar sua porra com muita vontade.



Ademir gostou do meu chupisco e ainda ficamos falando como eu tinha me saído bem por ser meu primeiro boquete, então Ademir para ninguém suspeitar foi fazer outro serviço e me deixou ali sozinho, no outro dia Ademir veio falar comigo, sabe Lucas o Jairo vai trabalhar hoje aqui com você e eu disse para ele que você chupa gostoso e acho que ele vai querer também, fiquei bravo por que ele tinha me enganado mais nada podia fazer, então o Jairo era um cara bem mais velho e gordo, ele já chegou dizendo, eai Lucas, fiquei sabendo que gosta de uma piroca, eu fiquei sem resposta é o Jairo foi me levando para trás, tinha umas prateleiras com umas caixas e ninguém entrava lá, é o Jairo disse, se você chupar o meu não conto para ninguém, eu não queria chupar aquele gordo mais o Ademir tinha me complicado, então o Jairo abriu as calças e tirando seu pau me disse, vamos Lucas, chupa só um pouco, e eu então comecei a chupar, seu pau, era menor e demorou endurecer, mais comecei a descobrir que tinha um dom, gostei de chupar seu pau também, o pau do Ademir era muito maior e mais grosso, mas Jairo gozou rapidamente e também foi para frente disfarçar, no mesmo dia o Ademir veio me perguntar, então Lucas gostou do pau do Jairo, eu fiquei envergonhado e o Ademir disse, tenho uns minutos e se você for rápido acho que da tempo e já foi tirando seu pau da calça, então comecei a chupar ele também, levei duas gozadas no mesmo dia, então comecei a satisfazer os dois, um dia o Ademir e no outro dia o Jairo, eles já tinham até uma escalação, acho que fiquei mais de um mês naquele esquema.



Um dia estava nos fundos e seu Airton veio falar comigo, preciso saber sobre um assunto delicado, e ouvi uma conversa que você anda fazendo uns boquetes aqui no açougue, então comecei a contar como tudo aconteceu, que o Ademir me enganou e depois contou para o Jairo e então tudo se desenvolveu daquele jeito, seu Airton então disse, a partir de hoje não quero mais essa putaria aqui no açougue e você pode me dizer se os dois te incomodarem, vou conversar com eles em particular e se isso continuar vou ter que tomar outras atitudes, estamos entendidos, e saiu para frente, eu continuei trabalhando como sempre, os dias foram passando e os dois nunca mais me procuraram, confesso que senti uma saudades daqueles dois, mais meu emprego em primeiro lugar, já tinha uns 6 meses e o Jairo já havia sido demitido e o Ademir foi trabalhar em outro mercado, e eu estava fazendo minhas limpezas no fundo do açougue e seu Airton apareceu, já era final de expediente, todos já haviam saído e seu Airton disse, então Lucas, agora que ninguém mais sabe sobre aquele assunto podemos ver porque eles gostavam tanto de você, como assim seu Airton, isso mesmo rapaz, e já foi abrindo as calças, vamos Lucas, chupa essa pica, seu Airton tinha um pauzão gigante e muito grosso também, seu pênis estava duro e bastante vermelho, vamos rapaz chupa logo , então fui me curvando e abocanhei aquele pauzão, fazia alguns meses que não chupava um pênis e rapidamente peguei o jeito, seu Airton queria minha boquinha só para ele, por isso conseguiu dispensar os dois do açougue, enquanto eu chupava seu Airton foi me dizendo como conseguiu a dispensa dos dois e que ninguém poderia saber sobre aquilo, tinha que ser nosso segredo, então comecei a chupar seu Airton todos os dias no final do expediente, seu Airton aumentou o meu salário e também meu horário era diferente, quando queria folga era só pedir e seu Airton me dava dispensa, fiquei viciado naquele pauzão e seu Airton na minha boquinha de veludo.



Já tinha uns meses que estávamos naquele esquema, quando seu Airton me disse, hoje você vai comigo no motel, então saímos antes do final do expediente e fomos de caminhonete para um motel perto do mercado, achei que era para sairmos da rotina, mais seu Airton tinha outros planos, chupa Lucas que hoje vou comer seu cuzinho, nunca tinha dado meu cuzinho e estava chupando porque tinha gostado mais dar meu cuzinho era diferente, então fiquei peladinho e com meu bumbum levantado, seu Airton disse que seria cuidadoso e não iria doer nada, então com um gel lubrificante seu Airton deixou meu cuzinho bem lubrificado, então seu Airton subindo em cima de mim começou a forçar seu pauzão enorme, senti quando a cabeça entrou e seu Airton perguntou, tá doendo muito Lucas, acho que o gel anestésico ajudou e estava doendo um pouco mais disse que não e seu Airton empurrando o restante abriu minhas pregas, estava latejante e seu Airton aplicou mais gel, que na verdade era xilocaina, então a dor foi amenizando, seu Airton esperou e começamos aquela penetração, seu Airton bombava meu cuzinho com muito carinho, comecei a gostar e gemer um pouquinho então seu Airton começou a forçar mais e aumentou o ritmo, minha dor se misturava com um prazer.



Depois de alguns minutos minha dor não incomodava mais e seu Airton fodia meu cuzinho com muita violência, mais gel e minha bundinha estava totalmente arrombada, meu cuzinho recebia grandes golpes e aquele pauzão foi me alargando, seu Airton não parecia querer gozar nunca, então depois de vários minutos levando vara seu Airton finalmente gozou, meu rabinho ficou tomado de porra, quando seu Airton tirou seu pau então meu cuzinho já estava deflorado e desvirginado, fiquei com muito ardor mais feliz por aguentar, então fomos embora é ainda seu Airton me deixou na esquina de casa, no outro dia fui trabalhar com as pernas abertas, fiquei com o cuzinho dolorido naquele dia, e no outro dia seu Airton me chamou novamente no escritório e disse que queria mostrar seu pau, então acabei pagando mais um boquete e seu Airton me liberou mais cedo, fiquei chupando seu Airton nos finais de expediente e ainda dei meu cuzinho várias vezes pra ele, então minha família precisou mudar de cidade por causa da minha mãe, ela precisava cuidar de uma tia minha e então mudamos no mesmo ano, nunca mais voltei saber do seu Airton, comecei namorar e ninguém hoje sabe que fui um menino levado, nunca mais chupei outro pênis e também nunca mais dei meu cuzinho e as vezes tenho vontades e desejos mais não aconteceu de dar certo, então esse foi um passado que me condena, nunca contei para ninguém é até hoje em dia lembro com saudades desse tempo.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Gay
Visualizações 1222
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 2390
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

Afiliados