A Motoboa Publicado por keeynia69 em 22/07/2022 em Hétero: geral

" Sou uma mulher muito fogosa, não consigo ficar sem sexo por muito tempo."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Perdi meu emprego como recepcionista de uma empresa. Era um trabalho legal, não trabalhava muito e de vez em quando flertava com um colega de trabalho ou outro. Sou uma mulher muito fogosa, não consigo ficar sem sexo por muito tempo. Depois conto uma dessas histórias. Então tive que me virar e comecei a trabalhar pra um app desses de entrega. Não é tão ruim quanto achei, mas às vezes é um negócio chato.

Preciso às vezes sair na chuva, o que é muito desagradável. E o trânsito? Terrível. Sem contar as cantadas que escuto, muitas vezes é de gente que eu nunca daria. Uns velhos, homens casados ou caras esquisitos. De vez em quando aparece um boy gostoso.

Pode parecer arrogante, mas eu sou gostosa. Tipo, gostosa de verdade, tenho uma bunda grande, durinha, acompanhada de um belo par de coxas. Minha cintura é fina, o que dá aquela impressão de ampulheta. O que eu gosto mesmo são dos meus seios, grandes e olhando pra cima. E pra completar tenho 1,75m. Me chamam de mulherão. Por isso que minha bucetinha, apertada e com um grelo enorme. Por isso mereço apenas a maiores pirocas que eu encontrar por aí.

Um dia desses fui entregar pizza. Cheguei na casa, toquei a campainha. Saiu um cara alto de uns 1,90m. Estava sem camisa, exibindo seus músculos, apenas de bermuda, com um volume bem em um lugar específico. Meu grelo deu uma pontadinha e me fez pensar "dá pra esse cara, olha o pacote dele". Abaixei um pouco mais o decote, pra exibir mais meus seios.

"Olá, tudo bem?", percebi que mal olhou para meus olhos, foi direto no decote. "Hamm, tudo bem, boa noite", respondeu, tentando disfarçar e me olhando nos olhos. Sorri. "Chegou a pizza", falei, indo pega-la na moto. Tentei arrebitar a bunda o máximo que podia, estava com uma calça jeans bem apertada. Me virei, novamente fez de conta que não estava olhando pra mim. Safado. "Débito ou crédito?", no que ele respondeu débito. Olhei nos olhos dele e falei, "pode inserir", tentando fazer cara de safada.

Depois de pago eu pedi para ir ao banheiro, que estava apertada. Era mentira, o que eu queria mesmo era ver aquela piroca. Entrei na casa, fui direto ao banheiro. Entrei, fiz meu xixi, tirei o sutiã para exibir melhor meus seios. E dei meu golpe: travei de propósito o zíper da calça.

Saí do banheiro, ele estava de camisa e já tinha aberto a caixa da pizza. Cheirava a atum.

"Moço, me ajuda aqui.", falei com voz melosa. "O que houve?", ele respondeu rapidamente. "O zíper da minha calça prendeu e eu não consigo fechar.". Ele deu um sorriso meio nervoso, talvez eu estivesse exagerando? "Olha, vê aqui". Fiz o máximo pra ele ver a minha calcinha. "Tenta aqui, você é tão forte".

Ele veio até mim, pedindo com licença. Era educado. Ele então pegou com todo o cuidado no zíper e tentou puxar pra cima e nada. Fiquei excitada, meus mamilos responderam, ficando durinhos e marcando a camisa. "Tenta pra baixo". Ele sorriu. Ele tentou de novo, e o zíper desceu, expondo minha calcinha rosa. "Ai obrigada moço! Nossa, que é isso na sua bermuda?"

Ele estava com uma ereção se formando, delineando um pau grande e grosso. Fiquei mais molhada ainda. Me ajoelhei e baixei a bermuda dele. O pau estava tão duro que era possível ver ele pulsar. "Nossa amor, eu até gosto de pizza de atum, mas meu lance de verdade é uma calabresa, sabia?" Em seguida passei a língua na cabeça do pau e senti que estava melado. Engoli tudo, colocando o pau na minha boca e fiquei chupando como se chupasse um picolé. Era bem grosso, então tive que usar dar minhas técnicas, eu adoro fazer uma garganta profunda, adoro sentir o máximo de pau que eu conseguir engolir.

Ele estava gemendo demais falando como nunca tinham chupado ele daquela forma. Então me levantei, beijei ele na boca e falei. "Me arromba seu pauzudo". Então comecei a tirar a roupa aos poucos, fazendo um strip-tease. Primeiro tirei a camisa que já não escondia tanto meus seios. Depois, comecei a tirar a calça, exibindo minha bunda redonda e grande. Em seguida, o joguei no sofá e sentei no pau dele. Ele começou a chupar meus seios enquanto rebolava na piroca dele, sentindo toda a grossura.

Quanto mais eu rebolava eu sentia o tesão crescendo e crescendo. Fiquei louca pra dar de quatro, quando eu ficava assim tinha que ser montada que nem uma égua. Me levantei e falei pra ele, "Promete que só goza depois de mim? Se gozar antes eu paro. É pra se controlar. Adoro uma calabresa com catupiry."

Fiquei de quatro e arrebitei a bunda, esperando pela penetração. Ele começou a me penetrar lentamente, senti cada centímetro invadindo minha buceta, me preenchendo como nem todo homem me preenche. "É pra meter com vontade.". Então senti as mãos fortes dele me pegando pela cintura e ele começou a me penetrar forte e rápido. Com poucas estocadas comecei a sentir que ia gozar, "não para", falei. Eu comecei a gemer e a gritar, sou dessas. Senti meu corpo tremer, aquela piroca me arrombando sem parar. "Não para, não para! Quero gozar mais.". E tive mais um orgasmo, a respiração dele estava ofegante como a minha. Meu corpo tremia de prazer, e uma hora simplesmente pedi pra ele parar.

"Agora senta no sofá". E engoli de novo aquela pica enorme, até onde eu aquentava. Ele deveria estar segurando, não deu 30 segundos de boquete e a porra dele começou a invadir a minha boca. Tentei engolir, mas era tanta porra que a minha boca ficou toda suja.

"Isso sempre acontece quando bebo de canudinho". Rimos muito. Comi a pizza com ele e dei de novo.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor keeynia69
Categoria Hétero: geral
Visualizações 71
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1120
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Afiliados