Gorjeta Publicado por anônimo em 09/09/2019 em Hétero: geral

"Como o restaurante fica em um centro comercial, é normal que as pessoas venham de social ou roupas mais "arrumadas" para almoçar."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

De repente entra um casal jovem. Ele vestido normal, ela com um vestido curto no meio das coxas e todo solto.
Ela por volta dos 23 anos, pele bronzeada, seios medianos, bunda também mediana, magra, cabelos negros ondulados.
Se servem e vão sentar em uma mesa encostada a parede. Ela fica de costas para mim, que fico no caixa.
Mas como preciso ir até outra parte do restaurante, saio do meu lugar e atravesso o corredor. Ao voltar, vejo que ela está sentada com uma das pernas cruzadas sobre a cadeira e a outra perna, com o pé sobre o assento, isto faz com que o vestido suba e apareça sua calcinha branca.
Passo como se não tivesse visto nado, para não constranger a garota.
Passando alguns minutos, ela vai ao banheiro. Ao voltar se senta da mesma maneira que antes.
Sou chamado por um cliente e tenho que passar por eles. Na volta vejo a mesma cena, mas para minha surpresa, ela está sem calcinha desta vez. Dando para ver sua boceta depilada, rosada e carnuda. Diminuo o passo e tento observar o máximo que posso.
Ela finge que não vê meu olhar. E continua a conversar com o corno normalmente.
Percebo que toda vez que algum cliente velho, feio ou qualquer mulher passa, ela fecha as pernas. Deixando as pernas abertas somente para os homens que são mais novos e não feios. Mesmo os garçons ela fecha as pernas.
Até que o marido me chama a mesa, pergunta sobre as sobremesas. Respondo e ela pergunta mais sobre uma sobremesa em especifico, e abre a mão, revelando a calcinha que ela havia tirado.
Ela puxa minha mão e entrega a calcinha para mim. O marido fala "é a nossa gorjeta, faça bom proveito".
Fico meio sem reação, mas guardo a calcinha no bolso da calça e agradeço.
Eles pedem a sobremesa, e ela parece não abrir mais as pernas para mais ninguém. Terminam de comer, vão até o caixa, pagam a conta e prometem voltar mais vezes.
Passam-se dias e o casal volta. Novamente ele vestido normalmente e ela desta vez com um vestido um pouco menor, mas muito decotado, um pouco mais colado ao corpo.
Já na entrada, ela finge pegar algo no chão, dobrando a coluna deixando as pernas esticadas, o que faz o vestido subir e da para ver a calcinha vermelha, a sua boceta carnuda dentro da calcinha, que estava molhadinha. Ela antes de voltar ao normal me olha com malicia e vem até o caixa. Se debruça sobre o tampo do caixa, deixando seu decote bem aparente quase dando para ver os bicos dos seios. Que deu para ver estar sem sutiã e pergunta se tem aquela sobremesa deliciosa.
Respondo que sim. Ela pergunta se gostei da gorjeta, e afirmo que sim, que pude usar bastante a noite.
Ela sorri e vai se servir.
Desta vez eles sentam em uma mesa perto do caixa, e ela virada para mim, e se senta novamente com uma perna cruzada e a outra com o pé sobre o assento. Deixando aquela calcinha vermelha, molhadinha a vista. Desta vez ela segura a mão do corno, e com a outra passa a mão sobre a calcinha esfregando a boceta, deixando a calcinha entrar entre os lábios.
Ela larga a mão do corno, começa a comer a comida, mas não para de acariciar a calcinha. O corno me chama e pergunta "quer outra gorjeta? Porque ela está doida para te presentear". Eu digo que sim e ela larga o garfo e vai rapidamente para o banheiro.
Volta minutos depois. E Vai direto ao caixa. Desta vez ao se debruçar, balança o corpo e um seio fica de bico de fora.
Ela então joga a calcinha sobre o caixa, sorrindo maliciosamente fala:
- Se não cheirar agora, vou aprontar um escândalo.
Eu pego a calcinha, e tentando disfarçar, cheiro ela. E estava com um cheiro de boceta muito bom. Não resisto e lambo o fundo da calcinha.
Ela pula de felicidade e vai para a mesa e fica de perna aberta. Terminam de comer e prometem voltar outras vezes.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Hétero: geral
Visualizações 97
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 768
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Afiliados