NO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE! Publicado por anônimo em 29/06/2019 em Hétero: geral

"Hoje irei contar sobre o dia em que eu e meu namorado resolvemos transar no estacionamento da faculdadeâ?¦ "

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Conheci meu namorado Carlos na faculdade de gastronomia, um rapaz bem alto sabe, 1, 78 de altura, careca, barba por fazer, um olho verde que eu me apoixonei logo de cara, boca carnuda, muito educado e simpático. Nosso lance demorou um pouco para acontecer, pois eu sempre fui muito tímida e não saia para os barzinhos com a galera depois das aulas de sexta-feira. O tempo foi passando e eu fui criando amizade com a turma, até que um dia depois de muita insistência eu fui para o barzinho com eles, e foi lá que conheci meu Carlos. Logo de cara ele se sentou ao meu lado e puxou assunto, me oferecendo uma cerveja. Como eu não bebo recusei, porém peguei um refrigerante e um lanche para comer, onde ficando conversando com ele por horas. Por volta das 22: 00 hrs eu resolvi ir embora e me despedi da galera, pois ainda tinha que pegar um ônibus e não queria chegar tarde em casa. Rapidamente ele me ofereceu um carona e eu aceitei, pois ele tinha sido bacana comigo, então não teria problema de ele me levar embora pra casa. Nos despedimos do restante da galera e fomos pro estacionamento pegar o teu carro, onde seguimos direto para a minha casa conversando bastante durante o trajeto. 

Chegando em minha residência eu me despedi de Carlos e antes que eu descesse do carro ele pediu meu Whatsapp, e a partir deste dia a gente começou a sair frequentemente, até ele me pedir em namoro. Tudo foi muito rápido e intenso, rolando naturalmente com muita química e tesão, onde ele acabou sendo meu primeiro homem na cama até o momento. Passados 6 meses de namoro nosso tesão só aumentava, e com ele nossos fetiches de lugares inusitados, realizando várias loucuras, dentre eles no estacionamento da faculdade. Era mais um dia de aula, e por estar muito calor no dia, resolvi usar um vestido florido soltinho e uma calcinha rosa fio dental por baixo, que por sinal meu foi namorado que deu. Como era sexta-feira, a galera decidiu ir para um barzinho tomar umas, mas nós não estávamos muito afim de bagunça, queríamos ficar namorando em casa mesmo. Já no estacionamento e dentro do carro ele ficou me instigando, passando a mão na minha perna com uma cara de tarado, dizendo que eu estava muito gostosa e pedindo para que eu chupasse ele ali mesmo. 

Tá doido? Respondi.

Pessoal já foi embora! O vidro é escuro amor.

Aquela carinha de tarado me excitou muito, então eu me inclinei no banco e fui direto para o zíper da tua calça, abrindo e enfiando a mão na sua cueca, sentindo seu pau extremamente duro. Meu namorado louco de prazer, abaixou a calça junto com sua cueca e, segurando meu cabelo foi guiando minha boca até a cabeça do seu pau rosado. De imediato eu fui passando a língua de baixo para cima bem rápido, enquanto ele gemia e dizia;

Aiii que delícia! Isso! Ahhh.

Como sou sou viciada em sexo oral, chupá-lo ali escondido era bom demais, tipo um misto de perigo e prazer ao mesmo tempo. Aos poucos fui enfiando seu pau em minha boca, intercalando com um bela punheta rápida, louca para que ele gozasse na minha boca. Achando que seria apenas um sexo oral eu caprichei na chupada, mas meu namorado não satisfeito resolveu me levar para o banco de trás , fazendo-me morrer de medo.

Melhor não amor! Vai que alguém chega aqui, retruquei à ele.

Não vai não! Relaxa! 

Já no banco de trás ele me colocou sentada em seu colo, levantou meu vestido, afastou minha calcinha de lado e enfiou seu pau na minha buceta melada. Meu seios duros denunciavam a minha excitação, enquanto seu pau deslizava dentro de mim ele mordia os bicos bem devagar, me arrepiando toda. Eu cavalgava e gemia sem parar, e aquele medo de ser pega já não era minha preocupação no momento, querendo apenas sentir ele me fudendo. Ficamos alguns minutos transando naquela posição, até que em um certo momento me levantei do seu colo e fiquei de 4 ali no carro, claro que com um pouco de dificuldades, mas fiquei. Meu namorado com o seu pau grosso se posicionou atrás de mim e me penetrou firmemente, segurando meus cabelos com força e batendo bem forte na minha bunda, enquanto eu delirava de prazer e falava baixinho.

Isso! Me fode! Ainnnnnnn.

Eu já estava toda suada e toda ardida, quase perdendo as forças nas pernas. Meu namorado também suava e urrava demais, me chamando de putinha, mandando eu rebolar bem gostoso pra ele. Submissa eu obedeci, rebolando e mandando ele socar forte, pedindo para ele encher minha bucetinha de porra. Depois de dizer isso eu sentir teu pau pulsando como nunca dentro de mim, soltando rapidamente todo aquele gozo gostoso guardado só para mim. Extremamente exaustos caímos e nos abraçamos por alguns minutos ali no banco, pouco ligando se alguém iria nos ver nus. 

Bom! Essa foi uma de nossas transas loucas. Quem sabe outro dia conto mais. Beijos.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Hétero: geral
Visualizações 1100
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 963
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Afiliados