O perigo mora em casa Publicado por anônimo em 05/09/2019 em Hétero: geral

"Meu nome é José Roberto tenho 20 anos, Corpo atlético cabelo curto tipo militar, rosto bonito e o que é mais importante sou bom de papo."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Nunca tive problemas para arranjar namorada. Posso ter todas as mulheres do mundo.
Infelizmente só não posso ter a que eu mas desejo.
Tenho uma irmã adotiva a Vanessa ela tem 18 anos. E a mulher mais linda e delicada que eu já conheci. Tem olhos grandes, sensuais e ao mesmo tempo inocente.
Ela se veste ainda como menina. Porém eu fico louco só de imaginar as curvas que ela esconde debaixo do seu vestido leve e florido.

Era algo diferente, difícil de explicar. Talvez fosse coisa só da minha cabeça. O proibido sempre é mais gostoso.
Porém não tinha coragem de ultrapassar os limites, me declarar ou ter algo mais intimo.
De uns tempos prá cá. Noto que minha irmã está agindo de um jeito diferente.
Está usando maquiagem, roupas mais decotadas, enfim se vestindo como mulher.
Mas esta fase também é marcada por muita insegurança e vergonha do próprio corpo.
Notei que ela estava colocando enchimento dentro do sutiã para ficar com os seios maiores.
Fiquei preocupado com a sua auto estima por isso chamei ela pro meu quarto pra gente ter uma conversa.
Ela entra no meu quarto,. Senta-se a beira da cama. Sinto que ela está nervosa e com vergonha, imaginando que vai levar uma bronca.
(José Roberto) - Porque está colocando enchimento nos seios?
(Vanessa) - É que a Jessica me disse que os garotos da escola ficam dando em cima dela. Porque ela tem seios grandes. Então eu pensei que se meus seios fossem maiores eu ficaria mais atraente.
(José Roberto) - Olha você não precisa se preocupar com isso. Seu corpo ainda está em formação seu seios ainda ficarão maiores. Você é linda do jeito que é. Eles é que tem sorte se forem escolhidos por você.
(Vanessa) - Eu só queria parecer mais gostosa.
(José Roberto) - Você já é muito bonita e seus seios são perfeitos. Então tira isso dos seios. Tá bom?
Sabe aquele olhar de cachorro que caiu da mudança. Aquele olhar pidão. Uau fiquei com vontade de abraçá-la e protegê-la.
Apenas o seu olhar é capaz de fazer meu coração bater mais forte. Me desperta um instinto protetor.
Ela coloca a mão dentro do vestido e tira o enchimento. Com seu olhar eu percebia seu pedido de desculpas.
(José Roberto) - Viu! Assim é bem melhor. Você não precisa disso. Não é?
(Vanessa) - Sim. Você tem razão. Maninho você pode me fazer um favor? Quero te pedir porque não tenho um namorado pra opinar sobre isso. Meus seios são lindos?
Ao falar isso ela baixa a alça do seu vestidinho puxando ele para baixo e mostra seus lindos e deliciosos seios.
Eu fico completamente paralisado. Os seios dela são perfeitos, seus mamilos rosadinhos estão com o biquinho durinho. Nitidamente ela estava excitada.
Não sabia se era um sonho ou pesadelo minha irmã, no meu quarto exibindo seus seios para mim, apalpando e apertando seus mamilos.
(José Roberto) - Sim eles são lindos, mas tome cuidado nossa mãe pode aparecer. E isto é errado.
Ela continua acariciando e se não fosse tão inocente diria que estava me provocando.
(Vanessa) - Você tem certeza?
(José Roberto) - Sim eu tenho certeza, seus seios são fantásticos.
(Vanessa) - Você pode fazer mais um favor pra mim? Toque em meus seios.
Falando isso Vanessa pega na minha mão e coloca sobre seus seios.
Sua pele é macia e quente. Consigo sentir seus batimentos. É um momento de muita emoção e sensualidade para nos dois.
O proibido da situação. O perigo de ser pego pela nossa mãe. E a descoberta de nossos corpos.
Eu sabia que era errado. Minha mente dizia não. Mas o meu corpo queria sentir as curvas e a maciez daqueles lindos e deliciosos seios.
Ela coloca a sua mão em cima da minha mão. E me força a massagear seus seios.
Brincando com seus mamilos. Fui fraco. Não resisti e me deixei levar pelo momento
Fico ali acariciando os seios da minha doce irmã, enquanto ela me seduz com seu olhar de menina.
Falando baixinho, pedindo para ser tocada e acariciada.
(Vanessa) - Não tenho ninguém que possa pegar nos meus seios.
(José Roberto) - Eu não posso tocar neles maninha. É errado você sabe.
(Vanessa) - Mas você é a única pessoa que pode fazer isso por mim.
Então eu baixo ainda mais sua blusinha para ver eles completamente expostos. Indefesos ao meu toque.
Então começo a apalpar e acariciar. A textura é perfeita. Sinto a pele da minha maninha ficando arrepiada. A tezão vai tomando conta de nos dois.
(José Roberto) - Seus seios são perfeitos, seus mamilos são lindos. Você é completamente linda. Qualquer homem iria adorar tocar seus seios.
Então maninha fica acariciando seu colo descendo até seus seios. Com carinha de timida. Dizendo Ok a cada elogio que eu faço. Ela sabe que já passamos todos os limites e se continuarmos não teremos como voltar atrás.
(Vanessa) - Obrigada. Poderia fazer apenas mais uma coisa por mim?
(José Roberto) - O quê?
Então minha maninha se deita levanta seus vestidinho florido. Vejos suas lindas e delicadas coxas. Ela mostra a sua calcinha. E antes que eu pudesse impedir ela vai tirando a calcinha, levantando e abrindo suas coxas deixando a sua bucetinha exposta na minha frente.
(Vanessa) - Eu nunca mostrei isso pra ninguém.
(José Roberto) - Já chega!
(Vanessa) - So me fala se ela é linda também.
Ela abre a bucetinha fica acariciando suas coxas, virilha e pubis.
A bucetinha dela é linda, pequena e delicada, com os labios vaginais ligeiramente saindo da sua bucetinha. Seu grelinho está durinho e a mostra também. Ela fica acariciando se movimentando sensualmente. Abrindo e fechando as coxas perguntando se a sua bucetinha é linda.
E a sua voz delicada aliada ao seu olhar sensual e provocante me rouba completamente o juizo.
Então ela percebe que estou excitado. Ela movimenta sua mão em direção ao meu short. Pega no meu pau e começa a acariciar.
(Vanessa) - Seu pau está tão duro.
(José Roberto) - Não. Não toque ai Vanessa. Por favor.
Ela continua. Envolvendo meu pau com a sua mão delicada. Mesmo por cima da minha cueca o jeito que ela pega dá pra ver o volume.
Com a carinha de pidona. Bem inocente e safada ela pergunta
(Vanessa) - Ele está assim por minha causa?
(José Roberto) - Bebê. Eu fico excitado o tempo todo é normal. Não é por sua causa não.
Eu tento disfarçar meu tezão.
Mas ela continua me acariciando. Então ela baixa meu short. Meu pau duro salta pra fora.
E ela pega com vontade. Fica me acariciando e punhetando
Sinto a mão dela deslizando sobre todo o corpo do meu pau duro.
Brincando com a minha cabeçona. Meu corpo todo entra em êxtase.
(José Roberto) - Vamos está na hora vou te levar para o colégio.
(Vanessa) - Eu só quero ver ele. Sentir um pouco. Nunca peguei em um pau antes. É tão gostoso. Me faz sentir coisas.
(José Roberto) - Não para com isso por favor. Eu não aguento mais.
Ela vai punhetando, acariciando aproximando sua linda boquinha do meu pau.
Abrindo seus lábios lentamente.
Sinto o calor da sua respiração na cabeça do meu pau. Sua lingua vermelha e molhada saindo de sua boca. E dando suaves lambidinhas.
Ela pega de um jeito tão gostoso. Sua boca beija a minha piroca.
E aos poucos sinto seus lábios abraçando o meu caralho.
Minha doce irmão está chupando o meu pau.
E eu viajo até o paraiso do prazer.
A boca dela é molhada e quente, e ela sabe brincar com a lingua
Alternando lambidinhas com chupadas vigorosas.
Ao mesmo tempo que eu protesto e digo que ela não pode fazer isso.
Ela continua chupando e gemendo.
(Vanessa) - Que pau grande e grosso. Tão gostoso chupar ele maninho. Você está me deixando louca.
Então Vanessa abre suas pernas abraçando a minha cintura.
(Vanessa) - Venha mete gostoso na sua maninha.
Ela pega o meu pau e fica esfregando na sua bucetinha. No seu grelinho só me provocando. Fazendo mil caras e bocas.
Então ela encaixa minha cabeçona na sua grutinha.
Estou ofegante de tão tezão. Vou empurrando lentamente. Sentindo a bucetinha da minha maninha se abrir.
Ela geme de prazer e dor. Sinto seu cabacinho se rompendo. Beijo ela.
Acaricio seus seios.
Ela me envolve com as suas coxas puxando o meu corpo contra o dela. Fazendo meu pau atolar na sua bucetinha.
Ela geme. E isso me deixa louco.
Sinto o calor da bucetinha dela. Tão umida. Meu pau deslizando pra dentro e pra fora.
Seus lábios envolvendo minha piroca. Apertando. Massageando conforme vou me movimentando
Nossos corpos nus. Deitados na cama. Se movimentando suavemente.
Muitos beijos e caricias. Nossa boca não falava mas nosso olhar dizia tudo.
(Vanessa) - Que delícia. Tá muito gostoso! Ahh ohhhh
Enquanto meu pau entra na sua grutinha ela abre seu grelinho e fica acariciando
Fico chocado com a experiencia dela mesmo sendo virgem.
E isso só aumenta o meu tezão
Acaricio seus seios e ele geme e se contorce.
(José Roberto) - Vou meter um pouco mais forte. Ta bom?
(Vanessa) - Me fode gostoso maninho.
Faço então Vanessa ficar de quatro pego minha piroca e começo a esfregar no cuzinho dela.
De tanto foder sua buceta meu pau estava bem lubrificado.
Encaixou fácil no seu buraquinho
Seguro ela firme pela cintura e dou a primeira estocada
(Vanessa) - Aiiii. É muito grande e grosso não vou aguentar. Tira, tá doendo.
(José Roberto) Se eu tirar agora vai ser pior. Espera que já já você se acostuma.
Deixo meu pau atolado no rabinho dela e começo a beijar suas costas. Acariciar seus cabelos
Fico dizendo o quanto ela é linda e o quanto eu a amo
Minhas mãos deslizam por suas coxas e eu começo a brincar com o seu grelinho
O prazer faz ela esquecer a dor. E instintivamente ela começa a fazer o movimento de vai e vem.
Curvo meu corpo sobre o dela. E começo acariciando seus seios.
Ela não resiste e começa a rebolar e empurrar a bundinha pra traz. Empinando gostoso
Ela quer sentir todo o meu pau dentro dela.
Seguro ela firme e começo a bombar. Cada vez mais forte.
Sinto ela entrando em êxtase.
Começo a apertar seus mamilos e morder a sua nuca.
Ela rebola ainda mais rápido
Puxo seu cabelo com força dominando minha maninha.
Ela fica descontrolada, gemendo, e chorando baixinho.
(Vanessa) - Goza. Goza no meu cuzinho seu safado.
Aquilo foi o suficiente pra meu pau começar a tremer.
Então sinto jatos de porra saindo do meu caralho.
Preenchendo o buraquinho da minha doce maninha.
Caímos exaustos na cama e ficamos algum minutos abraçadinhos
Eu sabia que dali pra frente nossas vidas jamais seriam as mesmas.
Mas como diria o Poeta Luan Santana.
Amar não é Pecado. E se eu estiver errado. Que se dane o mundo. Eu só quero você.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Hétero: geral
Visualizações 190
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 2144
Tempo estimado de leitura: 11 minutos

Afiliados