Colega de quarto Publicado por anônimo em 09/05/2019 em Lésbica

"Me mudei pra SP pra cursar a faculdade dos meus sonhos. Grana curta então o jeito foi dividir um ap com mais duas meninas. Eu, Diana e Vivian éramos inseparáveis apesar de muito diferentes."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Diana uma paulista raiz, que vivia intensamente nos mostrou cada canto da grande SP. Já Vivian, uma patricinha loira, ingênua que apelidamos de “mãe de todas” por ser a mais ajuizada do trio. Estava noiva e não era muito de farra. Fazíamos tudo juntas e sempre, nos ajudamos muito durante a graduação e sou grata por isso. Esse amizade rendeu muitas histórias pra contar e uma delas foi de quando eu me descobri como bissexual. 
Diana era a mais velha de nós com 22 anos. Apesar de muito solta, era responsável e me auxiliou muito de diversas maneiras. 


Nas férias de Junho Vivian foi pra casa do noivo, Diana ia pra casa dos pais aos dias de semana e só voltava às sextas e eu fiquei no ap porque não tinha grana pra ir em Santa Catarina. Era uma sexta à noite quando Diana disse que iria pro ap, resolvi fazer uma janta diferente pra recebê-la. 
Jantamos, conversamos, rimos muito e deitamos pra procurar um filme. 
Começamos a ver um terror e eu acabei dormindo em meados do filme. Diana me ajeitou na cama, me cobriu e eu senti meu rosto ser acariciado, uma mão passava pela minha bochecha, ia até meus cabelos meus olhos abriram devagar e a Diana me olhava com malícia misturada com afeto. Não falamos nada, só nos beijamos. Um beijo lento e quente, ela mordia e chupava devagar meu lábio inferior enquanto sua mão segurava minha nuca. Nos beijamos por uns 15 minutos, ela soltava meus lábios e beijava meu pescoço, lambia enquanto eu deslizava minha mão pelo seu corpo. Acariciei sua bunda, desci com a mão por trás de seu corpo indo em direção a sua buceta lisinha e toda babada. Eu estava em êxtase mas não queria me apressar, queria sentir cada detalhe daquele corpo, era a minha primeira vez com uma mulher e ela exalava experiência, eu não podia fazer errado. 


Diana me puxou pra cima dela e me colocou sentada em seu colo. Eu me livrei das roupas e ela veio abocanhando meu peito. Mamou um enquanto apertava outro, chupava de forma deliciosa, passava a língua em volta do mamilo e me fazia gemer gostoso. Diana se livrou da sua roupa e ela era ainda mais linda nua. Uma frase tatuada na costela, pele bem branca, sardas na região do colo e seios pequenos com um mamilo bem rosado. Buceta perfeita, carnuda e lisinha. 
Deitei sobre a cama e ela veio de boca na minha xota com voracidade. Os dois dedos abriam meus lábios e a língua sugava todo o mel que ela produzia. Ela fazia movimentos circulares com o dedo no meu grelinho sem tirar a língua de dentro da xota. Nessa altura eu já gemia alto e seu dedo que antes massageava meu grelo, agora estava dentro da minha buceta fazendo um vai e vem rápido porém delicioso. Meu gemido era cada vez mais alto, seu olhar de quem estava adorando me maltratar me deixava mais instigada ainda. Suas duas mãos segurando firme minha cintura e seu rosto escondido entre minhas pernas me levavam ao clímax! Que boca sensacional! Entre gemidos anunciei que meu gozo estava prestes a chegar. Minhas pernas tremeram, meu corpo esquentou e eu gozei gostoso na boca da minha amiga de quarto. Deitamos e ai foi a minha vez de retribuir. Tomamos banho juntas, comemos algo e dormimos. 
No dia seguinte agimos como se nada tivesse acontecido, repetimos a dose muitas vezes até eu voltar pra Santa Catarina.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Lésbica
Visualizações 174
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 670
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Afiliados