Duas dominadoras e uma curiosa jovem Publicado por anônimo em 04/10/2020 em Lésbica

"Naquela festa reunindo a elite de Nova Lesbos, Katlin era a mais jovem, com 21 anos recém completos. A garota de cabelos claros, que iam até pouco depois dos ombros, tinha olhos verdes, lábios delicados e grandes seios, com pouco mais do que um metro e 60."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Fora convidada pelo sucesso como pesquisadora em biologia, na cidade erguida secretamente por mulheres de diferentes partes do mundo.

Escolhera um vestido bege justo, que lhe valorizava as formas... Talvez por esta razão, tão logo se posicionara em uma roda de conversas na grande mansão, reparou que duas exuberantes figuras a observavam…uma loira com porte de modelo, cabelos até o meio das costas, olhos verdes como os dela, de lábios carnudos, muito bem ressaltados pelo batom vermelho, certamente com um metro e 75 no mínimo, busto mediano e pernas muito bem torneadas à mostra, já que usava um vestido negro de fendas, não parava de lhe lançar olhares excitantes…ela estava em um grupo à esquerda de onde a garota se encontrava. À direita, uma morena com cabelos até pouco abaixo dos ombros, olhos negros expressivos, boca de um batom mais discreto, embora também de forte desenho, e tetas maiores do que a outra, agia do mesmo modo... Quase tão alta quanto a primeira, preferira um vestido rubro, também com fendas…ambas usavam luvas das cores das respectivas roupas.

De repente, uma surpresa. A moça notou que cada uma delas se afastou quase ao mesmo tempo das pessoas com quem, separadamente, conversavam. E logo à frente se uniram, subindo lado a lado uma escada que levava ao andar superior da casa. Katlin escutou o sinal que dava o início a alguns jogos entre experientes e novatas… entretanto, não resistiu e desobedeceu ao protocolo daqueles encontros, indo atrás das que com ela tinham flertado.

A universitária chegou ao segundo pavimento da luxuosa residência, e imediatamente viu a porta do que parecia ser um enorme ambiente. Entrou e ficou fascinada com a lareira à frente, sobre a qual havia um quadro mostrando um momento íntimo de duas personagens, uma caracterizada como princesa, a outra como prostituta. Assim, não percebeu as presenças encostadas nas paredes junto à entrada daquele espaço.
.
A loira tapou a boca da garota com a mão direita, segurando-lhe os braços por trás… entrelaçou as pernas com as dela, ao mesmo tempo em que a morena, habilmente pelo outro lado, a vendou… a jovem gelou de pavor por um instante, mas a sensação mudou tão logo a mulher de cabelos claros lhe sussurrou ao ouvido esquerdo:

– Você desobedeceu às regras, vindo atrás de nós, mas somos compreensivas... Porque a desejamos com urgência! E lhe daremos duas escolhas.

A moça ficou imediatamente excitada… sentiu os seios entonados e a vagina lubrificada inapelavelmente com a voz melodiosa e rouca da dominadora… sempre abafando os lábios da pesquisadora, a estonteante dona do vestido negro continuou a falar baixinho:

– Podemos soltá-la agora e você irá imediatamente embora daqui… não poderá mais voltar a uma festa do tipo que nossa confraria organiza… basta dizer que é isso que deseja… se no entanto seu desejo é outro, terá que ficar vendada e fazer rigorosamente o que determinarmos…vou deixar livre sua…. Bela boca e você responderá o que prefere…

A loira soltou lentamente a pesquisadora… virando-a para si. Katlin balbuciou, abandonando-se às ânsias:

– Aceito fazer o que quiserem…

As duas mulheres sorriram. A de vestido negro fez com que a jovem se voltasse para frente. A de vestido vermelho escancarou as fendas... Katlin foi conduzida pela primeira até a perna direita da segunda... A dama de cabelos claros murmurou, desta vez, ao ouvido direito da cativa:

– Ajoelhe-se, beije e lamba, com calma, a perna de minha amante…

A moça obedeceu, subindo a língua e a boca devagar do tornozelo à coxa da escultural morena… com uma das mãos enluvadas a loira mexia nos cabelos dela, enquanto com a outra começava a se tocar vendo a expressão de prazer que tomava conta da parceira… esta, após chegar ao auge da excitação, ergueu Katlin, beijou-a demoradamente à moda francesa, e revelou ser também dona de uma voz insinuante:

– Vamos te deixar nua…

E a garota foi abraçada por trás e pela frente pelas dominadoras que a despiram sem pressa, masturbando-a, beijando-a... As libertinas que conduziam o ato ousado também tiraram as roupas e roçaram a três os sexos, até intenso orgasmo compartilhado... Repetido após mergulharem as línguas nas vaginas, reciprocamente, em mais de um “meia nove alternado”, não sem antes fecharem a porta. Katlin depois foi vestida e conduzida pelas mestras discretamente até um carro, dirigido por uma mulher de cabelos curtos e musculosa, que a levou para casa, mantendo-a vendada até o destino. Desde aquela noite, sonhou várias vezes com as ricaças, gozando quando acordava.

- X –

A dama loira se chamava Monique. Poderosa industrial no ramo da alimentação, costumava se somar a uma amante morena para atrair e dominar garotas inexperientes em festas, com ou sem máscaras. Um ano depois, um processo na empresa que comandava exigiu os conhecimentos de uma destacadíssima bióloga... Ela imediatamente percebeu quem era a renomada profissional.

Katlin se desconcertou tão logo igualmente entendeu quem estava à sua frente na ampla sala da empresa, no momento em que a secretária que a conduzira ao local a deixou a sós com a interlocutora, a qual transbordava sensualidade até com mero cumprimento de mão. Tentou, com enorme esforço, explicar o que deveria ser instalado, justificando os investimentos da firma. A empreendedora fingiu não ter outro interesse além daquele tema, não fazendo qualquer alusão à noite em que pela primeira vez haviam se visto e realizado algo mais... Depois daquele momento de luxúria, a jovem havia comparecido a um único evento da elite da cidade. A dupla com a qual se envolveu não pudera estar na confraternização, e ela acabara tendo uma relação convencional e decepcionante, na comparação com o que vivera em termos de submissão e prazer.

Monique concordou com o projeto da garota. As duas se despediram da mesma maneira formal, mas com ardentes desejos sendo redespertados. Em pouco tempo, a pesquisadora, que imediatamente teve acesso à metade de seu pagamento, passaria a supervisionar as operações necessárias para que a indústria aumentasse a eficiência. Durante seis meses, veria esporadicamente a exuberante dona da fábrica, que apenas perguntava se tudo estava dentro do previsto. Chegou, finalmente, o último dia de implantação do novo sistema, que foi inaugurado, e a bióloga recebeu a parte que faltava de seu dinheiro.

Uma semana depois, a garota atendeu a um telefonema em sua moradia:

- Alô...

Houve silêncio do outro lado da linha.

- Quem fala?

- Alguém que pretende vê-la nua... E indefesa.

A voz quase murmurada e o conteúdo da frase excitaram imediatamente a pesquisadora. Decidiu provocar a interlocutora, após alguns segundos.

- Onde e quando?

- Não vou dizer... Quero apenas que deixe a porta de seu apartamento aberta... Todas as noites, e durma o mais à vontade possível...

Foi a vez de a jovem fazer silêncio, levando a mão livre ao peito. A estranha com quem falava se despediu com um sussurro.

- Até breve, Katlin...

Tão logo largou o telefone, Karla sorriu e beijou longamente Monique. Era a amante com quem a loira ia a bailes de máscaras para dominar novatas em Nova Lesbos. Tinha a firma que produzia as mais avançadas tecnologias na cidade. Ambas foram procurar Anelise, uma próspera comerciante e parceira com quem a dama de cabelos claros atraíra a garota para o ménage.

Katlin, desde a noite do telefonema, teve certeza que o fato deveria estar relacionado ao reencontro com Monique. Na empresa dela, havia conhecimento sobre seu contato e endereço... A bióloga aceitou o jogo, enfrentando enorme dificuldade para dormir, nua, nas 96 horas que se seguiram à conversa.

Às 23 horas, no quinto dia, recolheu-se, tentando não se tocar como vinha fazendo no período... Recém havia adormecido, quando ouviu algo e ia se sentar na cama. Porém, uma das morenas de melenas compridas, já presentes no quarto, com máscara apenas nos olhos, usando um vestido negro decotado e grandes brincos redondos, imediatamente, lhe tapou a boca, usando a mão esquerda, enquanto com o braço direito atava-lhe o esquerdo com uma fina corda de cetim na guarda do leito... A outra mulher, com roupa semelhante, mas branca, já imobilizara sua mão direita. Mantendo a jovem em silêncio, Karla murmurou ao ouvido dela:

- Somos as amantes de Monique... Fique quieta.

E deslizaram as bocas, empolgando-lhe os bicos róseos dos seios portentosos... Katlin, que reconheceu a voz que lhe propusera a situação, sentiu a vagina molhada de maneira abundante... Ela podia ver apenas as silhuetas estonteantes das intrusas. Enquanto uma se posicionava sobre a cativa, devorando-lhe os lábios e acariciando-a, outra se despia... A garota foi masturbada e chupou cada uma das dominadoras. Enquanto Karla estava por cima de seu rosto sentiu que lhe sugavam os pés... Uma loira também mascarada, com belíssimo vestido rubro aberto nas pernas, entrara no imóvel e fechara a porta.


Com uma cunilíngua, fez com que a jovem gozasse ao mesmo tempo em que a morena por ela chupada atingia o orgasmo. Em seguida, foi a vez de Anelise abafar os lábios da mulher amarrada, para que, com o abajur ligado, ela visse o strip-tease da invasora de cabelos claros. As duas morenas passaram a interagir separadamente, enquanto a parceira delas conduzia alucinante roçar dos sexos, beijando voluptuosamente a moça presa na cama, de maneira que chegassem simultaneamente ao clímax.

A loira mascarada sussurrou:

- Saiba que vamos lhe conceder um privilégio...

E as três damas retiraram as máscaras. Katlin disse baixinho imediatamente:


- Monique...

- Eu sou Karla.

- E eu sou Anelise, que você já conhecia – complementaram as parceiras da poderosa industrial.

Katlin sorriu por um instante e confessou:

- Adorei a fantasia... Estava ansiosa para que nos reencontrássemos assim.

E, depois que a pesquisadora foi libertada, as quatro se abraçaram e beijaram doidamente, sabendo que aquela seria a primeira de várias orgias.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Lésbica
Visualizações 199
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1925
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Afiliados