Conversa Publicado por rainhadomal em 25/04/2017 em Sexo de distância

"Como as redes sociais me ajudaram a conhecer a Aníbal, com quem tive uma conversa interessantíssima."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Há alguns meses decidi sair do meu país, tornei emigrante para pesquisar um lugar melhor, um futuro melhor, mais segurança e mais oportunidades de viver bem. Ainda sou uma mulher jovem e tenho uma profissão, graças a Deus acabei meus estudos no meu país de origem e mesmo agora moro na Europa. Estou ainda me costumando ao clima cambiante deste lado do mundo no qual contam com quatro estações climáticas.

Gosto da ordem que têm neste lugar, todo está limpo e apresentável, todo no seu lugar certo. As pessoas são um pouco frias, não são tão humanas e amigáveis como eu estou costumada, mas quase todo mundo é muito amável e faz bem seu trabalho. Já tinha conhecimento da língua, por isso não foi um impedimento muito grande para mim; ao início me custou poder entender todo o que as pessoas falavam, mas ao pouco tempo, isto é, aos dias, já compreendia ao menos um 90% do discurso dos demais.

Já tinha todos meus documentos em regra e já podia trabalhar, pois, eu não tinha chegado ilegalmente, isso seria uma grande tolice; pelo contrário já tinha planos de documentação e trabalho no meu lugar de destino, o único que faltava era um lugar para morar. Para iniciar não queria uma coisa muito grande, pois meu plano era alugar um lugar pequeno, como é confortável onde ficar alguns meses enquanto poupava mais dinheiro para alugar algum apartamento mais grande ou, se for possível, próprio comprar um lugar pessoal onde morar.

Os primeiros quatro dias os passei em um hotel, passava os dias combinando todo o que precisava para o trabalho e, depois, ia com um amigo que se tinha mudado alguns anos antes para que me mostrasse a cidade e me ajudasse a eleger um lugar para alugar. Afinal me decidi por um pequeno apartamento tipo estúdio em uma rua não muito longe do meu trabalho, pois, era uma rua que por fora parecia antiga, mas o apartamento era bastante moderno e a localização mais que perfeita, podia chegar ao meu trabalho a pé, o que era uma grandíssima vantagem. 

Sentia saudades de muitas coisas, especialmente de minha família a qual tinha deixado com a esperança de ajudar desde onde eu estivesse; meu plano a logo prazo era ter suficiente dinheiro para poder trazê-los comigo, isso ia levar tempo e muito esforço, mas eu estava determinada e decidida para fazer isso ou morrer no tentativo. Também meus amigos estavam muito presentes no meu coração, aquelas pessoas que costumava ver todos os dias, que eram parte ativa de minha vida e que, de um dia para o outro, já não estavam mais ao redor. Foi um golpe bastante duro, mas eu já sabia que isso ia acontecer, não só por todos aqueles compatriotas que desde outros países exprimiam suas saudades através das diversas redes sociais, mas porque eu já me sentia longe do meu lugar sem nem sequer ter ponho os pés no aeroporto.

Mas, deixando a infelicidade de lado, não todo era negativo. Estava bem, decidida e era um novo começo, um começo que prometia. Aos dois meses já me tinha costumado rapidamente a rutina diária, a alguns costumes do lugar, coisas tradicionais e às normas legais; estava bem e contente. Mas, só havia uma coisa que não gostava tanto, e era que até aquele momento não tenha tido nada de sexo em absoluto. Dois dias antes de partir tinha transado com meu amigo Aníbal, não era meu namorado, mas eu gostava imenso dele.

Na verdade não tínhamos uma relação seria porque eu já sabia que ia embora do país, senão, com segurança seriamos namorados. Ele é um homem encantador, masculino, como eu gosto; sabia como tratar uma mulher e, coisa importante, sabia transar como um profissional. Os dois primeiros meses foram duros, alugar o apartamento e comer acabaram com meu dinheiro rapidamente; mas com o passar do tempo fui capaz de comprar um celular para, ao menos, ter uma forma de comunicação com meu país e minha gente. Todos meus aparelhos os tinha vendido para poder chegar cá.

Pois, já com o celular em mano, procurei que fosse de boa qualidade e com muitas apps e possibilidades, pois, ia ser minha única forma de comunicação por ao menos um mês. Entrei no Facebook e comecei conversar com muita gente que pedia noticias de mim, pois, até o momento só tinha falado com minha família. Aníbal abriu um chat para me saudar, me emocionei e escrevi para ele, tínhamos tanto tempo sem falar; nos contamos todo o que tínhamos feito nestes meses, estivemos um bom tempo falando. Me lembrei de todas aquelas vezes que o tínhamos feito deliciosamente em algum lugar, o desejo me invadiu. Lhe disse a Aníbal para falar pelo WhatsApp e escrevi por ali.

Sentia muita saudade dele e de sua forma de fazer-me sentir mulher, lembrei como Aníbal gostava de ver-me em fio dental e sorri por isso, começamos a falar por WhatsApp e tudo era muito legal, de verdade desde que cheguei a este novo país não me sentia tão bem, meu Aníbal me fazia sentir mais calma, mais relaxada, mas também me fazia sentir ardente e com muitos desejos de ter sexo. Então lhe disse que se me podia enviar uma foto dele, especialmente desse momento, já que tinha saudade desse rosto tão masculino e tão provocativo que tinha.

Muito obediente aceitou o que lhe disse e me mandou o que lhe pedi, aos minutos ele também me pediu uma foto, mas eu fui um pouco mais atrevida e lhe enviei uma deitada de barriga para baixo com um dos novos fios dentais que tinha comprado, o que tinha posto era de Calvin Klein em preto, era muito cômodo e se via excelente em minha bunda firme, além disso, sabia que lhe gostaria muito dessa foto o Aníbal.

Ao instante ele me enviou um áudio, rindo e dizendo como estranhava minhas nádegas, eu ri por seu comentário, Aníbal é uma pessoa muito sincera e gostei demais dele por isso, por sua espontaneidade e além de ser muito atrativo fisicamente e parecer um “malandro” posso dizer que Aníbal tem bonitos sentimentos, tanto para mim como para muitas ele é um bom partido, mas agora queria brincar um pouquinho já que estava excitada. Então ao instante lhe enviei umas fotos de minha cona bem lubrificada, eu sabia que podia confiar muito em Aníbal, mas por acaso todas as fotos que lhe enviei em nenhuma se via meu rosto, para assim, evitar possíveis inconvenientes.

Depois ele me enviou fotos de seu venoso e ereto pênis, sinceramente como queria ter comigo a Aníbal nesse momento para poder comer-me esse suculento pinto, o qual estranhava muitíssimo; logo de ver essas magnificas fotos meu nível de excitação aumentou consideravelmente e pensei em dar-me uma boa siririca, mais me faria um vídeo para que assim me querido moço o pudesse olhar e pudesse saber o excitada que me tinha nesse momento.

Comecei a dar-me prazer, enquanto me fazia um vídeo, para ele; meus mais grandes estímulos era lembrar todas às vezes que transamos, todas às vezes que me comi esse pinto, todas às vezes que me bateu as nádegas, todas às vezes que se comeu minha cona, todas às vezes que me batia o rosto enquanto me penetrava com violência; de verdade todas às vezes que tive sexo com ele foram excelentes e pensá-las era muito excitante. Meu corpo recebia intensos choques de prazer, enquanto com meus dedos me esfregava o clitóris, minha pele se punha de galinha, meus sentidos estavam agudizados, meu ritmo cardíaco estava muito acelerado, meus gemidos eram longos e prazenteiros, de verdade que excelente era isto.

Por primeira vez em muito tempo, não sentia uma siririca tão intensa e tão deliciosa; arquei as costas, comecei a mover minhas cadeiras enquanto me tocava, até que senti um fogo dentro de meu ventre e o mesmo queria espalhar-se por meu corpo tudo; esfreguei com maior intensidade minha cona e ao instante senti como chegava a mim um forte e delicioso orgasmo o qual vinha acompanhado de um squirt.

Sem sequer ver o vídeo o enviei a Aníbal, aos minutos ele me respondeu só com um (WOW) e eu sorri com muita picardia, me sentia muito relaxada e fiquei dormida. Ao dia seguinte revisei o   WhatsApp e vi que Aníbal me tinha enviado um vídeo, nesse vídeo eu via como desde seu computador ele estava assistindo o que lhe enviei enquanto ele se dava uma forte punheta até que gozou, ver esse pinto descarregando seu leite me fez sentir novamente excitada e além disso senti um imenso prazer em ver que se deu prazer assistindo meu vídeo.

Logo me desculpei por não responder mais, lhe disse que fiquei dormida graças a que depois de meu labor manual acabei muito relaxada e por isso me dormi; ele se riu por isso, e continuamos falando até que tive de ir ao trabalho.

Desde esse dia, minhas “conversas” com Aníbal foram diárias até que conheci a alguém com o qual podia fazer tudo isso, mas em pessoa. A vida está cheia de ciclos e o meu com Aníbal tinha chegado a seu final...

 

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Visualizações 619
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1814
Tempo estimado de leitura: 9 minutos

Afiliados