Fui algemada, arrombada pelo meu sobrinho e o amigo roludo dele Publicado por 352846 em 22/12/2022 em Sexo em grupo

"Fui algemada e arrombada pelo meu sobrinho e o amigo roludo dele."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Olá pessoal!

Para quem não me conhece, sua a Mari, na época desse relato eu era ainda casada com o Jorge e minhas aventuras extraconjugais, me faziam me sentir livre e realizada, recomendo muito que vocês leiam meus contos anteriores, caso ainda não o tenha feito, são relatos que venho trazendo aqui e compartilhando.

Essa relato se passou novamente com o Bio, marido da minha sobrinha, com o qual eu tive várias experiências, como falei anteriormente, Bio era casado com minha sobrinha e se encontra em segredo comigo, como conversávamos bastante e já havíamos participados de muitas situações, conhecíamos bem as preferências sexuais e fetiches um do outro, principalmente o fato de eu adorar ser arrombada por homens diferentes, toda vez que íamos para cama, eu e ele ficávamos, lembrando das situações que tínhamos passado e isso me dava um tesão enorme!

No dia que havíamos marcado nosso encontro, estava tudo favorável para nós, mas todo cuidado era pouco, então precisávamos esperar por dias em que a minha sobrinha não estivesse em casa e nem meu marido e filhos, coloquei uma blusinha de oncinha, um shortinho jeans e calcei meu All Star, não coloquei nesse dia, pois não tive tanto tempo para me preparar.

Bio veio me buscou em uma esquina afastada de casa e me levou para a casa dos seus tios, que estavam viajando, ao chegar na casa, fomos para o antigo quarto que ele usava, antes de ir morar na casa dos sogros com a Sasa, no quarto Bio colocou uma máscara preta de dormir em mim e falou que tinha uma surpresa, foi quando escutei um barulho estranho e senti ele colocando uma coisa gelada nos meus pulsos, na hora questionei ele e o Bio falou que resolveu me algemar na cama, na hora me lembrei da minha viagem ao Acre, onde tive umas aventuras com minha amiga que morra lá e o namorado dela que era policial.

Sem ver nada, Bio começou a bater com seu pauzão duro na minha cara, ele alternava colocando bem fundo em minha garganta ate eu engasgar e tirava aquele pauzão babado para bater novamente no meu rosto, minha boca mal dava conta daquele pauzão gostoso, depois de brincar com minha boquinha, Bio me virou de bruços na cama, tirou meus tênis e logo começou a tirar meu shortinho e a minha calcinha, ele dava tapas na minha bunda e mordia ela várias vezes, Bio abriu o meu cuzinho e comecei a escutar barulho de fotos, questionei oque ele estava fazendo e me disse que depois iria deletar.

Escutei Bio tirar varias fotos e então ele deu um tapa na minha bunda e começou a me chupar por trás, sentia aquela língua quente deslizar no meu cu e na minha buceta, me fazendo gemer gostoso, Bio cuspiu no meu cuzinho e me chupou toda para me deixar bem molhadinha e me preparada para a penetração que estava por vir, mesmo molhada, Bio passou lubrificante na minha buceta antes de me penetrar de bruços e começou a me comer.

Com os braços algemados para frente, sentia aquele pauzão penetrar em mim, eu estava totalmente dominada, vendada, a mercê das vontades do Bio, que metia com força e cada vez mais rápido, eu gemia, pedia mais, me sentia uma puta, usando apenas a blusinha que o Bio não havia tirado de mim.

Eu - Me come mais. Me come, Bio!

Depois de me arrombar bastante de bruços e encher minha buceta de porra, Bio me mandou virar e abrir as pernas:

Bio - Quero mais fotos suas, putinha. Agora abertinha pra mim.

Eu não enxergava, mas escutei o barulho da foto sendo tirada, então ele mandou de novo:

Bio - Arreganha mais essas pernas, safada, deixa elas bem abertas pra mim agora.

Abri minhas pernas para que ficasse em posição de frango assado pra ele, Bio tirou varias fotos minhas exclamando:

Bio – Puta gostosa do caralho!

De repente , senti o Bio pincelar o pauzão dele na minha buceta e forçar a entrada do meu cuzinho, pedi para ele ir devagar, mas ele começou a penetrar o meu cuzinho naquela posição, senti uma dor quando ele me penetrou e dei um grito, ele ficou meteu forte em mim repentinamente, fazendo eu gritar e gemer, ele não parava,  continuou me arrombando com força, enquanto ele mesmo segurava minhas pernas para que ficassem bem arreganhadas e me comesse bem fundo, eu sentia o pauzão dele no meu estomago, perdi a noção de quanto tempo Bio me fodeu naquela posição sem parar, eu gemia alto e gritava de dor e prazer, aquele pauzão estava me arrombando toda, nem sentia mais as minhas pernas direito.

Bio não parava, foram vários minutos me fodendo, foi quando escutei ele urrando e ofegante, se preparando para gozar, quando achei que ele iria gozar no meu cuzinho, ele tirou o pauzão e colocou na minha boca, colocando fundo na minha garganta, me fazendo afogar, não demorou para que ele gozasse, engoli quase toda aquela porra, uma parte acabou escorrendo pelo cantinho da boca.

Eu estava arrombada e exausta, mas satisfeita, pedi para Bio me soltar e me mostrar as fotos que havia tirado de mim, quando ele me soltou das algemas e eu tirei a mascara tive uma surpresa, Rodolfo nosso amigo estava deitado ao meu lado com o pau todo melado, Bio estava sentado na beirada da cama com o celular na mão, fiquei com muita raiva na hora, Rodolfo se levantou e mandou eu para de frescura que até pouco tempo estava adorando o pauzão dele no cuzinho, Bio se deitou do meu lado e perguntou se eu gostei da surpresa, respondi que não e que estava braba e fui me levantando da cama, procurei a minha roupa e a calcinha, mas não estava encontrando, foi quando o Rodolfo me puxou para a cama e me falou:

Rodolfo – Vamos Tia Mari, já estamos aqui pelados mesmo, vamos continuar nos divertindo!

Eu – Não foi para isso que eu vim aqui!

Bio – Você veio para transar, então vamos transar, bora aproveitar a oportunidade e fazer uma Dupla Penetração, que eu sei que você adora.

E já foi me puxando para cama, Rodolfo ficou por baixo, me fazendo sentar no seu pauzão, que por sinal e maior que o do Bio, enquanto eu estava cavalgando ele, Bio veio por trás e começou a penetrar meu cuzinho, já arrombado pelo Rodolfo, ficamos transando por quase meia hora, até que gozamos alucinadamente, fomos todos tomar banho juntos e ainda tive que chupar aquelas rolas deliciosas no banho, depois Bio me deixou na esquina de casa e foi embora, quando meu marido chegou em casa eu estava deitada na cama, ele questionou se eu estava bem, respondi que tinha dado mau jeito nas costas arrumando umas coisas e precisava descansar, ele me deu um DorFlex para dor e falou para eu descansar, mal sabia ele que a minha dor era da surra de rola que tinha levado.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor 352846
Categoria Sexo em grupo
Visualizações 478
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1332
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Afiliados