In vino veritas Publicado por anônimo em 10/12/2022 em Sexo em grupo

"Existem alguns ditados ligados ao vinho e à bebida... como "In vino veritas/no vinho está a verdade" ou "A bebida entra e a verdade sai". Em todo ditado há também um fundo de verdade."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Edu e Flávia eram amigos até recentes do casal, mas a amizade, de cara, se mostrou muito próxima, com os casais se frequentando com alguma frequência. Churrascos, jantares, jogos, sempre havia motivo para visitarem-se.

Uma noite, escolheram o sítio de Jeiza e Lauro para um 'queijos & vinhos', aproveitando o friozinho do inverno e a possibilidade do aconchego do fogão à lenha em substituição à lareira.

Já havia ficado acordado, como era comum, que o casal visitante ficasse para dormir, para não ter de se arriscar ao volante depois da bebida. Noite alto, os quatro já de bochechas rosadas de vinho, nesse dia, o papo acabou descambando para safadeza.

Na troca de confidências, Jeiza contou que Lauro adorava ter duas mulheres e que ela, quando ele se comportava bem, até deixava uma amiga dela, a Lana, se divertir com eles, para matar o fogo do companheiro. Em contraponto, Edu disse que já havia pedido para Flávia ficar com outros homens na frente dela, mas tudo o que havia rolado até então era uns beijos e amassos dela num amigo, durante um carnaval em outra cidade.

Com o aumento da temperatura do grupo, mais desejos e fetiches foram sendo colocados à mesa, até que alguém teve a coragem de fazer a pergunta fatídica:

- O que acontecer nesta noite, fica nesta noite?

Em segundos, Flávia estava sentada no colo de Lauro e Jeiza no de Edu, os casais trocados se beijando e acariciando. Não demorou, as roupas já se embolavam pelo chão, Flávia de pernas abertas no sofá com Lauro a chupando. Ao lado dela, Edu estava de frango assado, ganhando boquete e fio terra de Jeiza.

Edu se contorcia com as carícias de Jeiza, da mesma forma que Flávia reagia à língua e dedos de Lauro. Um casal entregue à volúpia do outro. Flávia gozou primeiro, enlouquecida de ver a amiga com dois dedos dentro de seu marido.

Lauro pegou Jeiza pelos cabelos e beijou-a, misturando a porra de Flávia ao beijo babado da pica de Edu, que olhou para o amigo e pediu — Fode minha mulher...

Flávia se deitou no outro sofá da sala e abriu as pernas, recebendo Lauro entre elas. O casal se beijava enquanto transava. Num misto de ciúme e tesão, Jeiza socada mais forte os dedos dentro de Edu, arrancando gemidos do amigo. Ela olhou para ele, fazendo um cara deliciosamente sacana — Quer mais, puto?

- Safada.... quero....

Jeiza levantou-se e entrou no quarto, voltando de lá com um consolo de borracha. Flávio soltou um gemido ao ver a amiga com o brinquedo. Edu segurou as pernas por detrás dos joelhos e Jeiza penetrou-o com o dildo. Quanto mais Edu urrava de tesão ao ser comido por Jeiza, mais Flávia rebolava no pau de Lauro.

- Quero ficar por cima... deita ali....

Lauro obedeceu à amiga, que montou em seu pau, cavalgando de frente para o sofá onde Jeiza sodomizava seu marido. Não demorou muito para que que ela gozasse novamente, dessa vez, seguida pelo marido, que se masturbava enlouquecidamente enquanto era possuído pela anfitriã.

Jeiza fez questão de passar a mão na porra espalhada pela barriga de Edu e depois de lamber um pouco, passou o resto no roso dele e de Flávia, que continuava sentada em Lauro.

- Não sai daí não... tá gostando do cacete de meu homem?

- Tou, amiga....

Jeiza sentou-se na boca de Lauro, gemendo quando a língua dele a tocou, sorvendo a excitação dela Vc tá gostando do pau de meu homem e eu adorei comer o teu macho....

- E eu adorei ver, amiga... caralho.... que tesão da porra...

Uma acariciava os seios da outra, até darem um beijo de língua. Do sofá, Edu se masturbava novamente, inebriado pela cena. Ficaram assim por um tempinho até os gemidos de Jeiza aumentarem. Lauro a estimulou por trás e foi o suficiente para o gozo dela ir parar dentro da boca do companheiro.

Jeiza rolou para o tapete, recuperando o fôlego e Lauro fez Flávia se levantar, chamando Edu, colocou Jeiza de joelhos e a fez chupar os dois. Flávia se juntou a eles, ajoelhada ao lado oposto ao de Jeiza. Quam Lauro fodia a boca de Jeiza, ela chupava Edu, depois, invertiam, Jeiza, às vezes, segurava os dois paus, esfregando uma cabeça na outra e tentando engolir os dois juntos.

Depois de um tempo nessa brincadeira, ela ficou de 4 em frente ao sofá e pediu ao companheiro — Vem, puto, me come.... — Ao mesmo tempo que pegava o consolo e fazia sinal para Edu, que, obedientemente, se colocou novamente de pernas abertas á frente dela.

Lauro chamou Flávia e, beijando-a na boca, mandou — Pega meu pau e coloca na buceta da tua amiga enquanto ela come teu marido, tesuda... — Enquanto falava isso, Lauro alisava a bunda de Flávia, já completamente arrepiada de tesão.

Edu de frango assado no sofá, Jeiza chupando-o e socando um consolo em seu rabo, Lauro a segurando pelos quadris e socando forte enquanto Flávia lambia-lhe os mamilos.

O gozo de Lauro e Jeiza veio junto, ambos gemendo e grunhindo de tesão, embolados com os amigos. Lauro deixou-se cair para um lado, com Flávia prontamente abocanhando-lhe o pau, sentindo o gosto da porra de ambos. Edu seguiu a esposa e começou a chupar Jeiza, sugando dela o prazer dos dois.

Foram se arrastando pelo tapete até ficarem os quatro quase abraçados, recompondo-se. Depois de um bom tempo, Flávia foi quem quebrou o silêncio — Tudo bem que o que aconteceu esta noite, fica nessa noite... mas... se algum dia a gente quiser repetir, alguém ficaria chateado?

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Sexo em grupo
Visualizações 130
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1074
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Afiliados