Me engravidaram e meu Marido viu. Publicado por anônimo em 29/11/2017 em Sexo em grupo

"Na época já tinha 5 anos de casada com o Renato que tinha 36 anos 1, 80a mestiço e dava aulas na academia junto comigo."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Sou instrutora de bodypump, e por conta disso possuo um corpo bem definido, com um bumbum bem avantajado e durinho.

Tenho as coxas não muito grosas mas bem troneadas e firmes, cintura fina, seios médios e uma bucetinha pequena e lisinha, pois depilo sempre.

Por conta da minha criação sempre fui muito reservada, só não casei virgem por que ninguém é de ferro né rsrsrs.

Namorei com o Renato 6 anos antes de casar e até aquele dia ele era o primeiro e o único homem com quem eu me deitei.

Só para constar, Renato era muitíssimo ciumento...

Em uma sexta feira cheguei super excitada em casa e fui logo tomar um belo banho; Me perfumei toda e vesti uma roupa bem sensual. Coloquei uma tanguinha vermelha minuscula, rendada na frente, que mal tampava minha buceta, e um baby-doll que ficava até a metade da bunda, e sem sutiã.

Como tínhamos ido a praia no feriado passado, eu estava bem bronzeada e com as marquinhas bem amostra...

Logo meu Marido chegou e me vendo daquele jeito sugeriu de irmos ao motel. 

Embora eu estava louca para sentir ele dentro de mim ali naquele momento, topei e fui vestir um vestido soltinho e curto, para permitir que ele acariciasse minha bucetinha no caminho.

Entramos no carro isso era mais ou menos 23h da noite, acionamos o controle do portão e fomos abordados por 4 sujeitos armados que imediatamente mandaram a gente fechar o portão e entrar para dentro da casa.

Obedecemos e ficamos juntos sentado no sofá. Eles disseram que só roubariam umas coisas, e não iriam nos machucar se cooperássemos.

Um deles ficou olhando para minhas pernas, riu e falou;

- Olha eles aí que já venho.

Foi em direção a lavanderia, e depois de um tempo voltou com uma fita adesiva e um bolo de fio que usávamos para varal.

Foram logo 3 deles prendendo os braços e as pernas e amordaçando meu marido, enquanto um ficava com a arma apontada para mim.

Amarraram meu Marido no sofá e disseram:

- Agora no vamos brincar um pouco com sua esposinha deliciosa.

Dois deles eram fortes, não muito alto que vou dar o nome fictício de Alberto e Jorge, um era alto e barrigudo que darei o nome de Ricardo, e o quarto era alto também, mas magrelo darei o nome de Mario.

Mario me puxou do sofá e apertou minha bunda, relutei para não deixar, mas fui ameaçada.

Mario disse:

- Se não deixar, nós vamos fazer a força e mataremos seu marido depois.

Mediante a isso, fiquei ajoelhada no chão e olhei para meu Marido, que fazia sinal de não com a cabeça.

Não deu tempo nem de eu pensar, minha cabeça foi puxada para o lado, quando vi era o Alberto só de camiseta com o pau na mão e enfiando em minha boca.

A rola dele não era grande nem pequena, mas estava super dura e dava para ver várias veias salientes. Mal abri a boca e Alberto puxou minha cabeça em direção ao seu pau, enfiando ele todinho na minha boca.

Alberto iniciou um vai e vem rápido com aquele membro duríssimo na minha boca, me fazendo babar muito na rola dele.

Tirou a rola toda lambuzada com minha saliva e disse para meu Marido:

- Olha corninho como seu esposinha deixou meu pau? Agora vou chupar a xoxota dela.

Me deitaram no chão e agora foi a vez do Jorge foder minha boquinha. O safado já estava totalmente pelado e com o pau babando. Ele se ajoelhou com uma perna de cada lado do meu corpo, olhou em meus olhos e mandou eu colocar a língua para fora, obedeci, e então ele se inclinou para frente e passou a cabeça do pau na minha língua, depositando toda aquela babinha que brotava em seu membro, em seguida forçou o corpo para baixo socando o pau todinho dentro da minha boca, ainda bem que era pequeno e não me fez engasgar. A rola dele era tão pequenininha que seu quisesse daria até para colocar as bolas dele na boca também.

Com o pau do Jorge na boca, pude escutar um deles falando:

- Galera ganhamos na loteria, olha a bucetinha dessa mina? Lisinha cheirosinha e com marquinha, puta que delicia.

De repente senti uma língua percorrer toda minha buceta. Embora eu não estava gostando daquela situação, confesso que me arrepiei toda, e sem pensar no que estava fazendo afastei um pouco o corpo de Jorge e comecei a chupá-lo com vontade, e a medida que eu ia e vinha, dava uma verdadeira surra de língua na cabeça daquela rola pequena, que mais parecia um pau de criança.

Não demorou nada e Jorge já começou a urrar, anunciando seu gozo, seu pau latejava na minha boca, tentei tirar o pau dele da boca e sair de baixo, mas o safado era forte e pesado, apenas soltou o peso do corpo e gozou enchendo minha boca de porra.

Sempre deixei meu marido gozar em minha boca, mas nunca engoli, e ali estava eu preste a engolir todo o sêmem do Jorge.

O cretino tinha o pau pequeno mas gozava feito um cavalo, foram seis jatos fartos e fortes, e fui obrigada a engolir cada um para não engasgar.

Os outros riram de Jorge dizendo que "gozou rápido em..."

Jorge respondeu dizendo:

- Coloca a rola na boca dessa mina e vê se você aguenta, foi o melhor boquete que já recebi.

Alberto estava se acabando chupando minha buceta, e eu ouvindo aquilo, acabei sentindo tesão pelo que estava acontecendo.

Mario se aproximou de meu rosto só de cueca, e disse que queria ser chupado que nem eu chupei o Jorge. 

Olhei ao meu redor e vi que todos estavam bem a vontade, tudo pelados cada um aguardando sua vez. Só meu Marido que continuava amarrado tentando não ver aquela cena.

Mario me levantou pelos braços tirou meu vestido, e me guiou até sofá onde ele se sentou e disse:

- Fica de quatro linda e me chupa bem gostoso; Chupa ela desse jeito Alberto, assim da para você chupar o cuzinho também. 

Tirei a cueca dele, e saltou para fora uma rola que me surpreendeu, era bem grossa com a cabeça pequena, eu não conseguia fechar minha mão ao envolver aquele membro. Comecei a chupar, mas não cabia em minha boca, não porque era grande, mas sim por ser grossa.

Alberto me vendo naquela posição não quis mais saber de me chupar, e foi logo posicionando a rola em minha bucetinha, mas foi impedido por Ricardo que queria ser o primeiro a me foder.

A cena foi até engraçada ouvir os dois discutindo quem iria me comer primeiro.

Do nada o Mario disse:

- Pede para o corninho escolher. Ai corninho, quem você quer ver fodendo sua mulher primeiro?

Eu com a boca toda preenchida com o pau do Mario, pude ouvir o Alberto dizer:

- Sábia escolha corno.

Pensei; porque será que meu Marido escolheu o Alberto? Logo, logo eu iria descobrir.

Eu já estava toda melada e não dava para esconder deles, pois minha buceta escorria e Alberto penetrou de uma vez, me fazendo gritar e apertar com a mão a rola do Mario.

Virei para trás e pedi que Alberto tirasse o pau de minha buceta e colocasse camisinha.

Alberto disse:

- Camisinha para que gata? Quero sentir a pele da sua buceta no meu pau.

Mario por sua vez, pegou minha cabeça e colocou em seu pau novamente, falando para eu não parar de chupar e aguentar a rola.

Alberto fodia com vontade fazendo seu pau entrar com força na minha buceta toda melada.

Eu não sentia diferença em relação a tamanho do pau dele para o pau do meu Marido, mas eu sentia claramente as veias salientes que aquela rola tinha e o quanto era dura, toda vez que passava nos lábios da minha vagina, sem contar que a velocidade das investidas, era bem maior. Alberto alisava meus seios e fodia sem parar, e eu sentido toda aquela pressão, não conseguia me concentrar no boquete que estava fazendo para o Mario.

De repente senti meu corpo esquentar, e percebi que eu iria gozar, tentei me controlar mas não consegui, e soltei um gemidinho de quem anuncia que vai gozar. 

E Alberto disse:

- Olha corno, sua esposa vai gozar no meu pau.

Foi onde me dei conta do que realmente estava acontecendo, e percebi que eu nem lembrava mais que meu Marido estava ali.

Só que era tarde demais. Gozei e gozei gostoso na rola do Alberto, tentei disfarçar sem gemer, mas meu corpo me entregou. Pois minha buceta se contraiu toda apertando o pau do Alberto por vários segundos, e ao mesmo tempo encharcando todo aquele membro com meu mel.

No momento Alberto disse: 

- Não falei que ela ia gozar. Ela esta gozando, que delicia. Caralho corno, a buceta da sua mulher parece um alicate, prendeu meu pau dentro dela, deixa ela relaxar e soltar que vou ai te mostrar minha rola toda melada com o gozo da sua esposa.

Meu marido sabe que quando gozo faço isso, então ele sabia que realmente eu tinha gozado.

Mas para ajudar e confirmar que tinha gozado, quando Alberto conseguiu tirar a rola de dentro de mim, foi e mostrou para meu Marido e disse:

- Da uma olhada corno, como sua mulher deixou meu pau. Toda essa baba esbranquiçada é dela.

Percebi que tinha melado mesmo a rola de Alberto pelo comentário do Ricardo que disse:

- Caralho mano, ela goza muito mesmo. Vai ter que gozar no meu também.

E foi logo tomando a frente de Alberto. Seguro minha cintura e foi penetrando, foi nesse momento que percebi porque meu marido escolheu o Alberto primeiro.

Cheguei a pedir para o Ricardo colocar camisinha, mas ele nem deu atenção e foi enfiando.

A cabeça da rola do dele era muito grande e grossa, e a sensação que a rola ia entrando parecia que ia rasgar minha buceta.

Não resisti e comecei apertar o pau do Mario com as mãos a gemer alto:

- Aai, aaaaaii, aaaaaiiii, tá doendo para. Meu amor, me ajuda, esta doendoooooo.

Meu marido nada podia fazer, nem falar, pois estava amordaçado. Eu só ouvia os sons que ele emitia com a boca, mas não dava para entender. Restava para ele, era que tudo aquilo acabasse logo.

E Ricardo dizia:

- Aguenta tesão, falta entrar só mais um pouco.

Estava fazendo uma pressão imensa em minha buceta, mas no fundo eu estava adorando aquilo, sentir um pau ir tão fundo na minha xoxota, estava me deixando louca de tesão. De repente Ricardo disse em meu ouvido, que a rola já tinha entrado todinha, e que ele só ia pressionar um pouquinho mais.

Me segurou pela cintura e forçou a rola para dentro.

Não acreditei no que senti, fui as nuvens e voltei, ele disse que tinha entrado toda a rola e quando ele pressionou parecia que tinha entrado mais uns 10cm. Berrei na rola dele que nem uma bezerrinha.

- Caralhooooooo que pau esse?

Ricardo disse:

- Porra mina gostosa, que bunndão duro da porra. Depois vou comer esse cu.

E começo um vai e vem bem gostoso e devagar, a medida que ele foi percebendo que eu estava acostumando com a rola, ele foi acelerando os movimentos.

A essa altura eu estava totalmente entregue e gemendo muito.

Nem dava mais conta da situação.

Voltei a chupar a rola do Mario babando gostoso naquele cacete grosso e me esforçando ao máximo para tentar abocanhar toda aquela tora, mas foi sem sucesso. Logo Mario tirou minha boca de seu pau, e percebi que ele ia gozar.

Ricardo deitou no chão e disse para eu sentar em seu membro.

Foi onde pude ver o tamanho daquela rola, enorme, acho que dava duas da do meu Marido e com uma cabeça bem grande linda lisinha, me deixou com água na boca. A minha vontade era chupar bem gostoso aquele monumento, mas me contive e obedeci o pedido dele. Aguachei na rola dele e fui sentando bem devagar, nem me dei conta que estava de costa para meu Marido, deixando bem amostra o estrago que aquela rola estava fazendo em minha bucetinha.

Subi e desci várias vezes naquele membro delicioso e gozei da mesma forma que gozei no pau do Alberto, só que não segurei meus gemidos.

Logo em seguida Ricardo anunciou que iria gozar. Imediatamente tentei sair de cima dele para que ele não gozasse dentro de mim. Mas Ricardo segurou minha cintura e me puxou para baixo fazendo sua rola entra contudo e bem fundo na minha buceta. Tive a sensação que seu pau tocou em meu útero. 

Cheguei a implorar disse:

- Dentro não por favor, não goza dentro por favor.

Pedido em vão, Ricardo segurou forte minha cintura, apertou minha bunda e encheu minha buceta de porra gozando feito um louco. Eu sentia seu jatos inundando minha bucetinha.

Ouvi Mario dizer:

- Agora é minha vez, venha aqui no meu colinho sua bunduda gostosa.

Assim que Ricardo me soltou , obedeci como uma putinha o pedido de Mario e fui para o colo dele.

Ao sair do colo do Ricardo vi que mesmo após gozar muito dentro de mim, seu pau ainda estava duro quando saiu da minha buceta, olhando aquilo pensei; "Que virilidade tem esse barrigudo...".

De cabeça baixa quieta sem falar nada, fui sentando bem devagar naquela rola grossa.

Nessa altura minha bucetinha já estava laciadinha devido a tamanho da cabeça da rola do Ricardo, mas a rola do Mario era toda grossa e quando sentei parecia que ia me partir ao meio.

Cavalguei bem devagar aquela tora, para não me machucar, mas não era assim que Mario queria. Então ele me levantou me tirando da sua rola descomunal e me colocou de quatro segurando nas pernas de meu Marido e disse:

- Olha para cara de seu Marido enquanto fodo essa sua buceta. E você corninho, observa a carinha dela ao receber minha rola.

E começou a me foder com força e rápido sem dó. Eu só escutava o barulho daquela rola entrando e saindo de dentro de mim. 

Com o Mario senti mais dor que prazer, e acabei chorando naquela rola. Para minha sorte ele não aguentou muito e gozou depois de algumas fortes estocadas.

Mas antes dele gozar, eu tentei tirar o pau dele de dentro de mim. Só que quando a mulher está de quatro, ela fica a mercê do homem e foi o que aconteceu.

Mario me disse:

- Não foge não putinha. Quero gozar dentro de você também. 

E mais um que encheu minha buceta de porra. Eu sentia a porra escorrer pela minhas pernas, não sabia de quem era se do Mario ou do Ricardo.

Mario saiu de trás de mim, tirando aquela tora de minha buceta e disse:

- Quem é o próximo?

No canto da sala o Jorge que havia gozado na minha boca disse:

- Mano, vamos embora, já estamos muito tempo aqui.

Eu já estava ficando feliz achando que eles iriam atender o pedido de Jorge, pois aquela altura minha xoxota estava inchada e um pouco dolorida de tanto levar rola, mas Alberto levantou e disse:

- Calma, eu ainda não gozei. Pode ficar de quatro ai aonde você está, no colinho do seu marido que quero comer você ai mesmo.

Alberto enfiou o pau em minha buceta puxou meu cabelo para trás e iniciou suas investidas rápidas, sua rola entrava feito uma flecha dentro de mim. Foram várias estocadas sem parar. O cachorro me fez gozar outra vez e enquanto eu gozava e gemia ele me fez beijar a boca de meu Marido.

Alberto não parava de meter, parecia que não iria gozar nunca, eu não estava aguentando mais aquelas pauladas dentro da minha bucetinha e não me contive de novo e comecei a dizer:

- Goza seu puto, goza logo, enche minha buceta de porra.

Logo em seguida pedi desculpas a meu Marido.

Mas o pedido que fiz a Alberto, acabou funcionando, Alberto parou de foder e forçou o pau bem para dentro da minha xoxota e começou a gozar. Nesse momento eu estava sem força para tentar algo, e nem relutei, deixei ele gozar bem gotoso no interior da minha buceta. Por mais que minha buceta estivesse toda ardida, e eu não estivesse aguentando mais aquilo, foi uma delicia ver aquele homem desfalecendo dentro de mim, senti os jatos de porra inundarem minha buceta, e em seguida aquele pau tão duro e veias bem salientes, foi ficando mole.

Quando Alberto tirou o pau de dentro de mim, não parava de escorrer porra de dentro da minha xoxota, também não é para menos, foram três fartas gozadas dentro dela.

Foi me dando um alívio, mas para minha surpresa o Ricardo levanta e diz:

- Já gozou, agora sou eu.

Quando olhei, ele estava com aquele membro enorme cabeçudo e bem duro apontando para o teto. Pensei, da onde vem tanta virilidade? E disse:

- Mas você já gozou.

Ele respondeu:

- Sim já, mas quero de novo e agora no seu cuzinho.

Me estremeci toda ao ouvir aquilo, pois anal é uma coisa que não faço com frequência com meu marido, acho que em todo o tempo estamos juntos se fizemos 4 vezes foi muito, e estamos a 11 anos juntos.

E agora estava ali na minha frente um dotado dizendo que vai comer meu cu, me desesperei, mas no fundo eu queria, além do mais, seria um alívio para minha buceta, pois ela não aguentava mais nada.

Fiquei de quatro de novo segurei nas mãos de meu Marido e disse a ele que estava com medo.

Ricardo começou a lamber o meu cu deixando meladinho com sua saliva e disse:

- Essa mina é foda, o corninho de sorte, até o cu dela é cheiroso e gostoso de chupar. Vou socar gostoso nesse rabão.

Ricardo deu dois tapas na minha bunda e posicionou a cabeçorra do seu pau na entradinha do meu cu.

Fiquei o mais relaxada possível para facilitar a entrada, mesmo assim foi bem dolorosa. A cabeça do pau do Ricardo era muito grande e grossa. 

Mas Ricardo não foi grosseiro e enfiou devagar, sem dar paradas, só parou quando seu pau esta todo dentro do meu cuzinho.

Cheguei a sentir suas bolas tocarem minha buceta.

Ricardo começou a foder sem pressa, a pressão era muita e eu berrava pedindo para ele parar, mas ele continuava e os poucos ia acelerando os movimentos.

Comecei a chorar naquele cacete imenso, e olhei para meu marido e ele estava chorando também, parecia que estava sentindo a mesma dor que eu.

Ricardo ficou uns 15 minutos socando aquele pau em meu cuzinho sem parar, eu estava com as pernas toda mole, bambas.

A sala ficou toda silenciosa, só se escutava o barulho das rápidas socadas de rola que Ricardo dava em minha bunda.

Eram mais ou menos assim:

-Ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft, ploft.

Eu tinha a sensação que meu cuzinho não tinha mais nenhuma preguinha, estava ardendo.

Implorei para Ricardo gozar:

- Goza por favor, não aguento mais sua rola. Seu pau é muito grande, Estou toda arrombada.

Ricardo disse para eu relaxar que faltava só mais um pouquinho e ele já gozaria.

Deu mais algumas fortes investidas, tirou a rola rapidamente de dentro do meu cuzinho, segurou minha cabeça pelos meus cabelos colocando meu rosto bem perto do rosto do meu Marido e disse:

- Olha corninho o leitinho escorrendo na boca da sua esposinha gostosa. Abre a boca putinha linda.

Obedeci e abri minha boquinha e coloquei minha linguinha para fora, Ricardo deitou aquela cabeçorra linda e lisa na minha língua e começou a gozar. Foram três jatos de porra, o primeiro foi até minha garganta já os outros dois caíram em minha língua e foram escorrendo para dentro da boca. 

Olhei de rabo de olho para meu Marido e ele estava assistindo toda a cena.

Eu queria chupar muito a cabeça do pau do Ricardo, mas só que bem ali na frente de meu Marido se eu fizesse isso, seria demostrar claramente que eu queria aquilo. Para minha sorte Ricardo disse:

- Chupa minha rola, e engole todo meu leitinho meu amor.

Não perdi tempo, olhei para meu Marido e ele ainda assistindo a cena, fechei meus olhos e continue chupando aquele membro imenso com aquela cabeça linda. 

Estava com tanto desejo de chupar a cabeça da rola do Ricardo que achei até a porra dele gostosa, e só parei de chupar a rola dele porque ele tirou a rola da minha boca. Mas me senti realizada, o gosto da cabeça do pau dele era delicioso. Confesso que com o Ricardo eu faria tudo de novo.

Depois de tudo o Ricardo se vestiu e eles saíram rápido de casa, pois os outros já estavam vestidos. Acabaram que não roubaram nada e ainda agradeceram a foda.

Eu desamarrei meu Marido nos abraçamos e choramos juntos. Mal sabe ele que adorei tudo aquilo.

Pensamos em dar parte na policia mas quando olhamos a hora eram 4: 15 da manhã, desistimos tomamos banho e fomos dormir.

Quando acordamos fomos fazer exames para ver se contrai alguma doença. No dia que os resultado saíram, todos deram negativo, exceto um que deu positivo, o da gravidez. Eu estava grávida e não sabia quem era o Pai, se era o Ricardo, o Mario ou o Alberto. Pois o único que não gozou dentro da minha bucetinha foi o Jorge.

Meu Marido queria que eu abortasse, mas eu quis ter o bebê. É um menino lindo, e como o Pai é o que cria e não oque faz. Renato meu Marido está sendo um ótimo pai. 

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Sexo em grupo
Visualizações 7832
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 4116
Tempo estimado de leitura: 21 minutos

Afiliados