Na nossa cama cabe mais um Publicado por anônimo em 08/07/2021 em Sexo em grupo

"Carol tem uma grande amiga, Yasmim, já há muitos anos. São muito próximas, Yasmim é praticamente a irmã que minha esposa nunca teve."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Conversam todo dia por mensagem, embora não costumem se encontrar pessoalmente com a mesma frequência. Eu mesmo nunca tive muitas oportunidades de encontra-la, embora nas vezes em que nos vimos tenha sido uma ótima companhia. Yasmim é uma menina extremamente divertida, alto astral, daquelas que é impossível ficar perto sem dar risada, até as desgraças que ela conta ficam engraçadas... Além disso, é muito bonita: cabelo castanho sempre muito bem cuidado, olhos castanhos claros, mais ou menos da mesma altura que a Carol e ainda mais magra que ela, porém corpo trabalhado na academia, com coxas compactas e fortes, combinando com uma bunda pequena e firme. Seios pequenos e bonitos em qualquer roupa que ela usa. Resumindo, uma menina muito atraente, como eu mesmo comentei com a Carol em vários momentos em que saía assunto, no entanto sem qualquer segunda intenção, apenas a título de elogio mesmo. Sou bem tranquilo com relação a isso (sou bom moço kkkkkk), e ainda mais que ela também era casada, jamais me ocorreu de "fazer graça" com ela.

Pois bem, há algumas semanas, ela estava passando por uma fase difícil, havia se separado do marido, e combinou com a Carol de vir aqui em casa para jantarem juntas e conversarem à vontade. Neste dia que Yasmim veio aqui, eu estava bastante ocupado com o trabalho, cumprimentei-a logo que ela chegou, mas logo vim para meu escritório fazer o que eu precisava. Isso era por volta de umas 16h de uma sexta-feira. Elas conversaram bastante e, com a chegada do fim da tarde, me chamaram para dizer que iriam pedir uma pizza e me pediram para fazer uns drinks enquanto escolhiam a pizza. Eu aproveitei pra finalizar o que eu estava fazendo, fechei o computador e me juntei a elas. Fiz alguns drinks para nós, e fomos bebendo e conversando enquanto escolhíamos a pizza e esperávamos chegar. Quando a pizza chegou, abrimos uma garrafa de vinho para acompanhar, e continuamos a conversar e comer a pizza. Sabem como é né, o álcool entra, a verdade sai... Comecei a perceber, durante nossa conversa, que a Yasmim estava se insinuando para mim... A princípio me convenci que não era isso, que era apenas meu ego masculino querendo ser afagado... Mas conforme a conversa ia passando, o olho no olho começava a acontecer com mais frequência, o papo dela era diferente comigo, comecei a perceber que, de fato, ela estava de graça comigo. Até aí, nada de mais né, um flertezinho à toa não mata ninguém né... Mas eu comecei a gostar do negócio. Passei a olhá-la diferente também, como que me apercebendo da belíssima e gostosíssima mulher que estava dando em cima de mim, DO LADO DA MINHA ESPOSA. E agora, José??? Minha esposa não era tonta nem nada, com certeza tinha percebido as insinuações rolando na mesa, mas entrava no papo também, de forma que não rolou climão nem nada, mas eu estava, no mínimo, entre a cruz e a espada. Minhas opções: 1) ignorar o flerte, continuar agindo naturalmente e depois ir dormir de pau duro com "saudade do que a gente não viveu ainda"; 2) corresponder o flerte, eventualmente arranjar uma briga homérica com a Carol e também ficar sem a Yasmim; ou 3) tentar agitar um bem bolado com a Carol e propor um ménage com a Yasmim. Embora essa última opção fosse a mais improvável de dar certo, era a mais produtiva e com menores "danos": eu falaria primeiro com a Carol, e só daria sequência com o aval dela. Se a Yasmim pulasse fora, ok, sem ménage pra nós, mas pelo menos a Carol estaria tranquila comigo. Se a Yasmim topasse, ótimo, teríamos a experiência que estávamos ensaiando há tanto tempo!

E assim eu fiz. Esperei a Yasmim ir no banheiro, e lancei a real com a Carol:

- Carol, eu tô ficando doido, ou a Yasmim tá de graça pro meu lado???

A Carol:

- Olha Fernando, no começo eu achei que tinha percebido algo, depois eu tive certeza! Kkkkkkkkkkk que abusada essa Yasmim, vem aqui em casa dar em cima do meu marido...

Eu respondi:

- Mas e aí, que que você acha??

E a Carol:

- Ué, acho que vou sacanear ela depois por causa disso... Kkkkkk toma uns drinks e um vinho e começa a dar em cima do marido das amigas???

- Mas Carol, se bobear, era a oportunidade ideal pra gente experimentar um negócio diferente, hein...

Daí eu vi que era a hora da verdade. Os olhinhos verdes da Carol até se apertaram. Fiquei apreensivo, confesso, mas logo fiquei tranquilo. Ela deu uma olhadinha de lado, um sorrisinho engraçado e mandou:

- Olha, eu não tinha pensado nisso... Mas a ideia não é ruim não! Tenta dar a ideia pra ela, já que é com você que ela tá se engraçando... Se fluir, eu topo!

Bem nessa hora, escutamos a torneira do banheiro abrindo, e logo mais a Yasmim saiu e voltou para a mesa. Como a pizza já tinha acabado, levamos a louça para a cozinha e voltamos para a sala de estar, sentando as duas no sofá e eu numa poltrona.

Continuamos a conversar, e percebi que a Yasmim me olhava mais que nunca, seja quando ela estava falando, ou quando eu respondia, era olho no olho o tempo inteiro. Aqueles belos olhos castanhos, quase cor de mel, me encarando fortemente enquanto conversávamos, não havia mais dúvida de que o clima tava ali. Em determinado momento, a Carol foi ao banheiro e eu comecei a conversar com a Yasmim:

- Yasmim, deixa eu te perguntar uma coisa...

E ela, até se inclinando no sofá na minha direção de tanto interesse na pergunta:

- Pode perguntar, Fer!

Perguntei, meio dando risada:

- Você não tem vergonha não???

E ela, rindo e me encarando:

- Vergonha do q, Fer???

E eu:

- Ué, de vir aqui em casa conversar com a Carol e ficar me encarando???

E ela, rindo ainda mais:

- Eu é que te pergunto! Ficou me encarando de volta com a Carol do seu lado!

- E se eu te disser que eu tô afim, você topa??

Ela, pela primeira vez, manifestou algum receio:

- Ai Fer, eu tô morrendo de tesão, mas a Carol é minha amiga, não acho certo com ela...

E então mandei a real:

- Mas ela até já topou participar com a gente, Yasmim!

Deu pra ver nos seu olhar o quanto que aquilo a surpreendeu. Ela estacou, ficou me olhando, com a boca semi-aberta, sem entender e nem falar nada! Depois de alguns segundos estatelada olhando pra mim, ela balbuciou:

- Mas... Vocês... Conversaram sobre isso??? A Carol percebeu alguma coisa???

Daí foi minha vez de rir gostosamente:

- É lógico que percebeu, Yasmim! Não conhece sua amiga não? Se eu que sou mais bobo percebi, acha que ela não ia perceber?

E ela começou a sorrir, ainda sem entender muito bem:

- E ela percebeu, não ficou brava não?!

- Não ficou não, Yasmim! No começo ela achou engraçado, disse que iria te zoar sobre isso quando estivesse sóbria, e quando eu falei pra ela da gente experimentar algo com vc... Ela topou!

A Yasmim desatou a rir, não sei se de nervoso ou de alegria (ou do álcool, ou tudo isso junto), e eu comecei a rir junto com ela, ou da risada dela, ou de nervoso também, não sei... Nesse momento, a Carol saiu do banheiro e veio até nós, e pelo jeito que estávamos rindo, ela deduziu que tinha alguma coisa diferente acontecendo ali:

- Que que vcs dois tão rindo que nem dois loucos aí, hein?!

E eu já mandei:

- Pergunta pra sua amiga aí!

Minha esposa, também começando a rir:

- Agora me conta, Yasmim, que que tá acontecendo?

E a Yasmim:

- O que tá acontecendo é que vcs são dois doidos! Eu venho aqui pra relaxar, conversar com vc, comer uma pizza, caio na besteira de dar uma secada no Fernando... E quando eu vejo vcs dois tão me chamando pra cama!

E a Carol, na maior naturalidade do mundo, beirando o cinismo e segurando a risada:

- Ah sim, é isso mesmo! E se estiver afim, nossa cama é king size, cabe nós três e ainda sobra espaço! Kkkkk

Nessa hora, a Yasmim começou a perceber que a proposta era real, e, novamente, paralisou, só que dessa vez olhando de um pro outro!

Daí foi minha vez de agir, enquanto ela olhava pra nós dois, passei pro lado dela no sofá e dei um gostoso beijo. Ela no começo ainda estava meio receosa, meio travada, acho que nunca tinha dado um beijo na frente de outra pessoa... Mas logo mais já se soltou, e começamos a nos beijar loucamente. A Carol, por sua vez, se aproximou de nós e começou a acariciar nossos corpos, passando a mão nas minhas costas, no cabelo da Yasmim, nas costas dela... Como ela não é bi, não animou de entrar num beijo triplo, mas ficou ali curtindo conosco enquanto nos beijávamos com vontade.

Logo mais, ela mesma sugeriu de irmos pro quarto:

- Yasmim, Fer, vamos lá pro quarto, que a cama lá cabe nós três melhor que o sofá...

Nem precisava falar, né?! Fomos os três para o quarto. A Carol na frente, depois a Yasmim e eu atrás dela, abraçado com ela.

Chegando na cama, voltamos a nos beijar, a Yasmim e eu, enquanto a Carol começou a tirar a própria roupa. Nem havia comentado antes, mas ela estava super à vontade, só com uma calça estilo bailarina e uma camisetinha solta, sem soutien e sem calcinha, como ela costuma ficar em casa mesmo. Logo mais senti ela me abraçando por trás enquanto eu beijava a Yasmim, os peitos redondos e gostosos dela me apertando as costas enquanto ela passeava as mãos por todo o meu corpo, já por baixo da minha camiseta. Enquanto isso, os beijos com a Yasmim ficavam cada vez mais quentes, e eu já passeava as mãos nas costas dela, levantando aos poucos a blusa preta que ela vestia, e pegava a bunda dela com força por cima do shortinho jeans que ela estava usando. Logo mais, a Carol já começou a tirar minha camiseta, e eu também comecei a despir a Yasmim... Não demorou para que logo estivéssemos os três sem roupa na cama, e agora eu beijava Carol enquanto Yasmim passava as mãos pelo meu corpo inteiro, abraçada atrás de mim... Seus peitos nas minhas costas, e as mãos dela na minha perna, subindo pela minha virilha, meu pau ficava mais duro a cada instante enquanto a minha língua e a da Carol se entrelaçavam deliciosamente... Ela então parou de me beijar, e falou:

- Fer, hoje somos anfitriões... Vamos dar um pouco de atenção pra nossa convidada!

Yasmim deu uma risadinha e já deitou de barriga pra cima, pernas abertas, dizendo com o corpo o que ela queria de nós... Me ajoelhei entre suas pernas, e então vi, bem de perto, aquela bucetinha deliciosa, novidade pra mim até então... Depilada por inteiro, com lábios externos pequenos e os lábios internos proeminentes, com um grelo beeeem saltado, e já molhadinha por inteiro... Caí de boca, chupando primeiramente a sua virilha, lambendo depois os lábios com muito carinho, para depois partir para um trabalho caprichado no seu grelo... Sua buceta ficava cada vez mais molhada, ela gemia gostosamente, enquanto a Carol se aproximou dela e começou a tocá-la em todo seu corpo... Começou pelo pescoço, desceu para os braços, pernas, arranhou sua barriga com a ponta dos dedos e, por fim, passou a massagear seus peitos enquanto eu seguia na chupada... Não demorou muito e ela gozou gemendo alto, enquanto a Carol segurava forte seus peitos!

Em seguida, invertemos a operação: passei a chupar a Carol, enquanto a Yasmim fazia o mesmo que Carol fez com ela: acariciou e provocou seu corpo inteiro, chegando a dar uma mamada em um dos seus peitos, enquanto eu chupava com prazer aquela buceta deliciosa que já conheço há tanto tempo: lábios rosados, pequenos e fechados, grelo pequeno e quase escondido, e encimados por uma faixa de pelos bem aparados. Ali, cada cantinho é meu conhecido antigo, e, com a orientação da própria Carol, aprendi o jeito que ela mais gosta de ser chupada: movimentos rápidos e leves no seu grelo, enquanto uma mão arranha e massageia aquele espaço de pele entre o cu e a buceta. Logo mais, senti a sua gozada na minha boca acompanhada de um belo e forte gemido.

As duas então se olharam e olharam pra mim, indicando que agora seria a minha vez. Carol então falou:

- Yasmim, pode ir começando... Eu vou pegar uma coisa pra nós...

Yasmim então me deitou na cama, deitou do meu lado e foi me acariciando o peitoral, a barriga, e foi descendo pro meu pau enquanto gemia forte na minha orelha... Suas mãos eram pequenas, mas pegavam meu pau com uma intensidade e uma malícia incrível, o tesão dela em fazer isso era perceptível... Ela então se virou por cima de mim, como num 69, caindo de boca no meu pau e deixando a bunda na minha cara... Enquanto isso, vi que a Carol pegou o seu vibrador na gaveta ao lado da cama, e já percebi que ela não estava pra brincadeira... Ela veio ao meu lado, ligou o vibro e começou a estimular a Yasmim enquanto aquela boquinha deliciosa massageava meu pau inteiro...

Eu, particularmente, poderia morrer naquele momento, que morreria feliz. A visão daquela bundinha deliciosa da Yasmim na minha cara, com a Carol fodendo a bucetinha dela com o vibrador, enquanto a Yasmim chupava meu pau com maestria, segurando a base dele com força com uma mão, esmerilhando a cabeça com a língua... Carol, pra ajuda-la, deu-lhe a dica:

- Yasmim, quer ver o Fer encher sua boca de leite rapidinho??? Pega sua outra mão e arranha de leve o campinho dele...

Pra quem não conhece a terminologia, campinho é o períneo, aquela região entre o saco e o cu, que, pelo menos pra mim, é extremamente sensível... Yasmim só não concordou verbalmente pois estava com a boca cheia, mas seguiu a dica, e o que já estava bom, ficou ótimo... Carol só falava no meu ouvido:

- Vai Fer... Enche a boca dela de porra... Ela tá querendo, olha aí, tá fazendo do jeitinho que você gosta... Olha esse cuzinho dela aqui na sua cara... Você gosta que eu sei...

Estimulado simultaneamente pela visão da bunda da Yasmim, as safadezas da Carol no meu ouvido e o boquete magistral no meu pau, eu gozei, loucamente, enchi a boca da Yasmim de porra enquanto via a Carol passar a mão na sua bunda e foder a bucetinha dela com o vibrador...

Yasmim não se fez de rogada, engoliu tudo e continuou me chupando de leve mesmo após minha gozada, enquanto a Carol aumentava a velocidade do vibrador na sua buceta.

Percebi que ela estava para gozar, e comecei a apertar sua bunda enquanto ela empinava a bunda cada vez mais para a Carol foder com o vibrador... Cheguei mais perto e meti a língua no seu grelo enquanto via de perto o vibrador entrando na buceta, comandado pela Carol. Yasmim gozou então pela segunda vez, dessa vez com tanta intensidade que, enquanto gemia e gozava, agarrou meu pau com tanta força que ele, que estava meia bomba após a gozada, começou a se levantar novamente.

Yasmim deitou na cama para descansar, e eu então me virei pra Carol:

- Agora é com você, amor... Tô louco pra comer sua buceta...

Coloquei ela do jeito que ela gosta, barriga pra cima e as pernas em cima dos meus ombros, e comecei a penetrá-la com vontade. Metia forte na sua buceta, indo até o fundo sem dó, e ela gemia aprovando. Yasmim pegou então o brinquedinho e perguntou:

- Posso usar, Carol??

Carol só fez que sim com a cabeça enquanto gemia.

Eu achei que Yasmim ia se masturbar com o vibro enquanto nos assistia, mas, ao invés disso, chegou com ele perto da buceta da Carol e começou a estimular seu grelo enquanto eu comia sua buceta. Carol não aguentava de tanto gemer! Não contente, Yasmim lambuzou bastante o vibrador com o próprio mel da sua buceta e começou a brincar com o cuzinho de Carol, por baixo do meu pau... Sugeri pra Carol ficar de 4 pra facilitar a brincadeira, e ela se virou na hora. Apoiou os cotovelos na cama, arrebitou seu rabão e eu voltei a meter na sua buceta enquanto Yasmim estimulava seu cu, agora totalmente exposto. Amigos, mais uma vez me vi numa situação em que morreria feliz... Kkkk Não demorou muito e Carol gozou novamente, os gemidos abafados pelo travesseiro no qual apoiava sua cabeça.

Yasmim então virou pra mim:

- Fer, ainda não provei seu pau na minha buceta... Me fode enquanto a Carol descansa, que eu ainda quero gozar mais!

Yasmim então se deitou logo ao lado de Carol, na mesma posição que ela estava, de 4, com aquela bunda deliciosa arrebitada e os cotovelos na cama. Comecei então a comer aquela bucetinha diferente, ligeiramente mais apertada que a de Carol, enquanto dava tapas em sua bunda.

Carol então se ajoelhou do meu lado, pegou novamente o vibrador e começou a fazer com Yasmim o mesmo que ela havia feito: estimular o seu cuzinho com o vibro enquanto eu fodia sua buceta. Depois de algum tempo assim, Carol falou:

- Sabe Fer, quando vem visita em casa, a gente precisa servir bem, para servir sempre... Acho que tá na hora de comer esse rabo guloso da Yasmim!

Só ouvi Yasmim murmurando:

- O rabo não! Faz tempo demais que não dou o cu, não vou aguentar seu pau não!

Olhei para a Carol e, pelo olhar, concordamos que aquela desculpa era esfarrapada demais: meu pau é mediano, aprox. 16cm, e Carol nunca teve trabalho pra engoli-lo com seu cu. Vantagens de ter um pau dentro da média... Kkkk Carol já pegou o lubrificante e começou a colocar no cu de Yasmim, enquanto eu seguia fodendo sua bucetinha...

Yasmim então começou a falar, entre gemidos e risadinhas:

- Ah, seus dois pervertidos... Vão comer meu rabo mesmo! Vão com cuidado...

Mas isso nem precisava falar, Carol estava empenhada em preparar o rabo da amiga com muito carinho: lambuzou com bastante lubrificante, foi introduzindo o vibrador de leve, colocou mais lubrificante, e Yasmim cada vez relaxava mais... O anelzinho ficava cada vez menos crispado, e cada vez mais preparado pra ser fodido. Em certo momento, ela mesma falou:

- Vem Fer, fode meu rabo então... Me fode com gosto!

Sem maiores dificuldades, tirei o pau da sua buceta e coloquei no seu cu, que já estava alargado e muito bem lubrificado... Senti o aperto gostoso do seu cu em meu pau, e comecei a fodê-la com calma, sendo que logo mais ela já estava gritando como louca:

- Vai caralho... Enfia esse pau na minha bunda, me fode inteira... Vai porra!!!

Ela já estava pra gozar, e quando Carol encostou o vibro no seu grelo, foi quase instantâneo... Gozou, gemeu, gritou, e eu senti seu cu apertando meu pau como nunca.

Ela então deitou, praticamente caiu, na cama, e eu deitei do seu lado, entre ela e Carol.

Carol então veio me beijar, e reclamou:

- Sabe amor, ainda não mamei sua rola hoje... Tô com saudades...

E já foi descendo pro meu pau...

Eu, que já estava doido pra gozar desde que estava metendo na bunda da Yasmim, só me estiquei na cama e deixei ela se encaixar entre minhas pernas e começar a mamada...

Yasmim, que ainda se recuperava da sua terceira gozada, se prontificou a ajuda Carol:

- Carol, deixa eu te ajudar como você ensinou... O Fer vai ficar doido com nós duas chupando!

Mais uma vez, veio por cima de mim, com a bunda na minha cara, do jeito que eu gosto, e ficou acariciando minhas bolas e meu campinho enquanto a Carol chupava com maestria... Quando eu estava quase gozando, Carol ofereceu:

- Yasmim, você é nossa convidada... Acho que tem mais leite pra você aqui, hoje você tem a preferência...

Trocaram os papéis, Yasmim caiu de boca nele novamente, e Carol passou a acariciar minhas bolas e meu campinho... E foi aí, sentindo as duas meninas me chupando com tesão, que eu despejei todo o meu gozo, novamente, na boca da Yasmim, enquanto segurava e mordia sua bunda na minha cara.

Deitamos então os três na cama, cansados, gozados e satisfeitos.

Depois de algum tempo, Yasmim se levantou para ir embora apesar dos nossos "protestos", e eu e Carol passamos o restante da noite conversando sobre o que havia acontecido, como tinha sido gostoso para nós dois, e que deveríamos ter experimentado aquilo muito antes.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 1

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Sexo em grupo
Visualizações 307
Avaliação 0 ( votos )
Comentários1
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 4047
Tempo estimado de leitura: 20 minutos

Afiliados