Companhia Publicado por paixão22 em 15/02/2017 em Transexuais

"Uma noite acompanhado por uma boa comida, um bom vinho e a companhia de Larissa"

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Companhia

Ontem tive outra boa experiência, sou um homem com certas inclinações e gosto de algumas coisas particulares, além disso, me gosta escrever as experiências que me possam acontecer para assim ter um listado das coisas que faço para logo ver que mais quero fazer ou que me falta por fazer.

Então como estava dizendo, ontem tive uma boa experiência, não tinha nada por fazer uma a tarde do sábado e senti a curiosidade de chamar alguém para que me fizesse “companhia” e foi quando revisando google encontrei um site que me deu o número de um prostibulo, mas não qualquer um de renome, era conhecido como “A vontade do Homem”; liguei e foi atendido por uma sexy voz feminina, começou a explicar-me os preços e tudo o relacionado.

Falei com a sexy voz e lhe disse que queria os serviços na minha casa e que queria ver o material, então me pediu um correio eletrônico para assim mandar-me o porta-fólio das fotos; instantaneamente o recebi, e ali havia de tudo um pouco desde meninas de 18 anos até homens de 50 anos, a qualidade das fotos eram boas mas somente saiam com roupa elegante e fazendo algumas poses para assim poder detalhar um pouco mais seus corpos, de todas as pessoas que vi senti atração por três; uma tal Ofélia menina de 20 anos com um corpinho bom, mas sua cara foi o que mais gostei; um tal Estevão de 22 anos, magrinho e com uns olhos azuis ainda demais de bonitos; e por último Larissa transexual de 31 anos, esbelta, morena, cabelo ondulado e preto até os ombros e com uma bunda grande, digo isso porque vi uma foto de perfil dela.

Estes eram meus três possíveis “acompanhantes”, na primeira foto de cada um deles saia seus dados e um número onde podia localizá-los, a voz sexy me disse que depois de escolher chamava a quem tinha elegido e ali via se ao final ia a receber seus serviços ou no. Escolhi a Larissa, apanhei seu número e a liguei, me contestou:

- Olá, sou Larissa por cá quem por lá? –

- Sou alguém que quere teus serviços de companhia por toda uma noite. – Eu.

- A sério? Mas isso pode ser um pouco custoso. – Ela.     

- Por dinheiro não há problema, o único que quero saber é si vai poder ou não? – Eu.

- Tá bom! Onde devo estar e a qual hora? – Ela.

- Bairro as gardênias, quinta 15 às nove da noite. – Eu.

- Ali vou estar, carinho. – Ela.

- Outra coisa, quero que esteja elegante para mim. – Eu.

- Assim vai ser, amor. - Ela.

Já eram as quatro da tarde e comecei a preparar o jantar, como disse tenho gostos peculiares, esse dia preparei Bruschetta de Rosbife como entrada, Pizza de pão grelhada como prato principal e de sobremesa Mouse ligth de manga, além disso tinha bons vinhos para acompanhar a comida. Depois de acabar na cozinha foi a tomar um banho, para assim ficar listo e preparado para receber minha ansiada visita. Coloquei-me uma camisa branca e umas calças pretas, sapatos pretos, suspensório e gravata borboleta.

Vi o relógio que estava na minha sala e já eram às 8:50 da noite, pois, ouvi a campainha da minha porta; dantes de chagar a porta me coloquei um bom perfume, então recebi com muito prazer a minha esperada “acompanhante”. Ela ficou muito surpreendida ao ver-me e eu também ao vê-la; já que em pessoa era ainda mais atraente que por foto e, além disso estava muito elegante e muito sexy; nesse instante tive a primeira ereção da noite e o único que fiz foi sorrir de forma pícara.

Larissa entrou na minha casa, a recebi como um bom anfitrião dizendo:

- Gostaria de alguma bebida? – Eu.

- Gosto sim. – Ela.

Dirigi-me ao bar e lhe trouxe um vinho verde de Porto, um dos meus preferidos, ela aceitou e bebeu com muita delicadeza; fomos à sala e ali nos sentamos para discutir o nosso “negócio”:

- Larissa há algum limite que eu deva respeitar ou saber? - Eu.

- Nada de vídeos e já está, de resto farei o que esteja disposto a pagar; posso ser ativa, passiva, violenta, carinhosa ou as duas. – Ela.

- Muito bom, então vamos ver o que acontece; por dinheiro não há problema. – Eu.

Depois de falar de negócios, lhe disse que me acompanhara a sala de jantar; ela ficou um pouco surpreendida porque achava que só íamos a transar, mas o que não sabia e que eu sentia prazer de muitas coisas e uma delas e desfrutar das boas coisas e de ver as pessoas comer minha comida; começamos a comer e Larissa não podia deixar de deleitar-se, claro está, acompanhada de um bom vinho.

Depois de acabar a comida, me aproximei a Larissa e comecei a beijá-la, o vinho me põe luxurioso, enquanto sentia sua língua na minha boca e, instantaneamente, tive minha segunda ereção; comecei a beijar seu pescoço e lhe fui tirando a camisa pouco a pouco, lhe tirei o sutiã preto e vi suas perfeitas mamas; comecei a sugar suas mamas com paixão e introduz minha mão entre suas pernas, apanhei seu pênis e comecei a dar-lhe uma punheta, ela gemia por isso. Sabia que me desejava e isso me excitava ainda demais.

Levantei-me, tirei meu pênis das minhas calças e o pus defronte dela, foi ali onde meu corpo começou a desfrutar o prazer do sexo, o introduzi na sua boca e me deu um boquete magistral; sua língua se movia e se enroscou em minha glande, passava a língua até minhas bolas e depois chupava cada uma delas com muita habilidade. Fiz que ela se detivesse e logo se levantasse, comecei a beijá-la e começamos a masturbar-nos mutuamente, estive ao ponto de gozar mas pensei em outra coisa para não fazê-lo, e Larissa chegou primeiro.

Encostei-a na mesa da sala de jantar, a virei e me comecei a masturbar com suas nádegas, até que sem prévio aviso a penetrei com muita forca. Meus movimentos eram fortes e lentos, mas aos minutos aumentei a velocidade; tirei meu suspensório e minha camisa, só fiquei em calças e continuei com meu frenesi sexual. Depois saquei meu pênis e voltei a introduzi-lo e assim fiz algumas vezes até sentir como a desesperação por acabar estava próxima.

Muito excitado tomei a Larissa e a acostei na mesa, abri suas pernas e voltei a penetrá-la, a fúria que tinha dentro de mim me fazia estar ao ponto do clímax, voltei a lamber suas mamas com desbordante desejo e mordi seus mamilos. Larissa gemeu e arrunhou minhas costas até que senti o sangue correr, foi pouco, mas isso me excitou ainda demais. Meus movimentos eram rudes e ouvia como sua grande bunda chocava com minas pernas e o som que produzia essa fricção era forte.

Virei a Larissa e foi eu quem ficou acostado na mesa e ela acima de mim, Larissa começou a mover-se mas quem fazia a maior quantidade de movimentos era eu; apertei suas nádegas com muita força e senti como já meu sêmen estava ascendendo desde minhas bolas e quando estava chegando à glande e se ia a derramar, introduz meu pênis no mais profundo do seu cu e cheguei ao orgasmo, ejaculei muito.

Ao final sorrimos por dar-nos prazer e fomos a minha habitação; Larissa ficou a dormir e agora estou escrevendo o que começou ontem, vou dar-lhe uns minutos mais para continuar com a “companhia” e depois continuarei escrevendo o que acontece.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor paixão22
Categoria Transexuais
Visualizações 128
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1493
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Afiliados