Desabafos de uma Submissa Publicado por anônimo em 21/09/2018 em Voyeurismo

"Não consigo me controlar, não consigo parar de chupar uma rola preta."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Sou completamente viciada em chupar pau. É vicio mesmo. Principalmente uma rola preta. É mais sacana, é o proibido, o sujo. A inversão social.

Toda loira gosta de um negão!

Tenho um peguete que costuma me falar que eu já devo ter beijado mais rolas do que bocas. Não diria isso, mas as duas coisas foram numeros acima de uma patricinha normal.

interracial. É sacana de mais. A perversão de uma piroca preta na minha cara. Uma mão na minha nuca, forçando, sendo empurrada pra mamar.

Não leitor, não é o seu pau. É um negão enorme com um caralho grosso na minha carinha de princesa. Quem não entende ou não compartilha do quanto isso é pervertido, nunca vai entender a minha cabeça.

Sempre fui a patricinha popular da escola, que os garotos tem tesão e raivinha. A loirinha do nariz em pé, ali, com um caralhão grosso, preto na cara. é a minha sina de submissa.

Vou contar uma passagem de uma vez que chupei o pau de um peguete na frente dos amigos dele. Pra vocês entenderem um pouco da minha falta de controle.

Não consigo me controlar, não consigo parar de chupar uma rola preta.

Era uma sexta feira, eu tava num baile funk, numa comunidade carioca. Costumo frequentar esses bailes porque são o melhor lugar pra uma patricinha loirinha ser bem comida por um negão.

Eu estava com um peguete que era um dos organizadores do baile. Estavamos numa espécie de area vip, se é que isso existe num baile funk de favela.

Mas uma parte fora da pista, onde só a galera da diretoria tem acesso.

Sentados no sofá, um preto e uma loira: Uns beijos, uns amassos, uma festa rolando e nos dois apenas no nosso mundinho, trocando olhares, trocando beijos, trocando mãozadas.

Um ziper se abrindo, um cacete duro pulando pra fora das calças, uma mão na minha nuca, uma missão: Chupar uma rola!

Ali, na festa, no sofá, foda-se o mundo, só tava afim de mamar o meu negão.

Era apenas um sofá, muitas bebidas e um ambiente particular fechado. Sem mesas na nossa frente, sem nada que bloqueasse a visão. Com amigos em volta circulando e assistindo tudo que rolava naquele sofá.

Nas minhas mãozinhas, uma pica preta, grossa, quentinha. Muito gostosa!

Ele sentado, eu de 4, por cima do colo dele, bundona empinada pra cima, vestidinho levantado, uma mão apertando meu rabo, uma rola na minha boca, uma plateia nos assistindo.

Subindo e descendo a minha cabeça, escorregando meus lábios naquele cacete gostoso, borrando meu batonzinho em mais um caralho.

Quanto mais eu chupava, mais o pau dele ficava vermelho da cor do batom. Quanto mais eu chupava, mais o meu queixo ficava babado da saliva misturada com as gotinhas de porra que saiam daquele cacete. Quanto mais eu chupava, mais eu perdia o respeito dos amigos que assistiam o meu boquete.

Olhando em volta percebia os amigos olhando, curtindo, rindo, incentivando o meu negão a me botar pra mamar.

Um dos amigos fazia o gesto mostrando o dedo do meio. Não, ele não estava mandando a gente ir pra aquele lugar. Ele estava dando ideias pervertidas pro negro tarado que recebia um boquete da loirinha exibida.

Meu peguete entendeu.

A mão que apertava a minha bunda começou deslizar para o meio dela. Um dedo esfregava a minha xota ainda por cima da calcinha, esfregando e deslizando a calcinha pro lado. Agora sim, o gesto do amigo mostrando o dedo fazia todo o sentido...

Vlapt!

E assim um dedo sumiu ali dentro...

De 4, por cima de um negro caralhudo, cabelos cobrindo a minha cara pra ficar com menos vergonha, chupando um pau e levando uma dedada na xana. Acho que o resto da festa perdia toda a sua importância, a única festa que acontecia naquele momento, estava rolando naquele sofá...

Mas claro, claro, claaaaroooo... O dedo nunca fica num lugar só...

Ele foi parar exatamente aonde vocês estão pensando.

E sim, apenas um dedo é muito mais sacana do que dois ou três. Ali, o que importa não é o volume ou grossura se instalando no meu cuzinho, o que dá todo o tom sacana da coisa, é o gesto, o ato, a representatividade da coisa.

Imaginem aquele gesto que você faz, quando quer mandar alguém ir tomar no cu. Mão fechada e apenas um dedo em riste.

Pois é exatamente isso que faz tudo ficar tão sacana. Aquele gesto, aquela mão fechada, aquele dedo em riste, aquele sinal de mandar alguém ir tomar no cu, me fazendo realmente tomar no cu...

Um dedo, apenas um dedo é suficiente pra me deixar mansinha, dominada e desmoralizada na frente de toda uma plateia. Acho que nem preciso mais repetir aqui o quanto eu gosto disso rs

Fazendo vai e vem, ele enterrava aquele dedo no meu cuzinho, me arrancando um gemidinho abafado pela rola que estava na minha boca.

Não tinha nem mais coragem de olhar para a plateia que nos assistia. O exibicionismo já havia sido transformado em vergonha. Que situação a patricinha do narizinho em pé foi se meter...

De 4 com uma rola na boca e 1 dedo no cu. Chupando o pau de um preto, na frente dos amigos dele. Com a bunda toda empinada e exposta. Levando um vai e vem nervoso de um dedo tarado de um negro que queria se mostrar para os amigos.

O vai e vem do seu dedo acelerando no meu cu, dava mostras que o meu negão estava pra gozar. Se a coisa já estava vergonhosa, ainda podia piorar...

Sendo xingada, sendo dedada, sendo observada por todos, aquela pica grossa gozava em toda a minha carinha de princesa.

Pronto, não haviam mais degraus pra descer na escala de desmoralização e exibicionismo.

Ele se ajeitou e precisava cuidar do backstage do show do baile que iria começar

O que isso significava?

Que enquanto ele cuidava do baile, eu ficava curtindo a noitada e esperando por ele no camarote, com TODOS OS AMIGOS ME FAZENDO COMPANHIA!

Ou seja, toda aquele plateia que acabara de me assistir mamando uma rola, agora eram os meus companheiros de camarote.

O silêncio constrangedor, o sorrisinho amarelo, algum papo pra quebrar o gelo. NADA fazia sair da cabeça deles, nem da minha, tudo que havia acabado de acontecer naquele sofá.

Ninguém nunca me destratou, até pelo status de não mexer com a mulher do chefe, mas sempre fica aquele clima de desmoralização e inferioridade, quando estou sozinha com eles, depois de me assistirem chupar um pau.

E assim foi, dançando, bebendo, curtindo e esperando o meu negão voltar, pra terminar a festa naquele sofá, mas dessa vez sem plateia.

Como toda desmoralização é pouca, ainda tenho que passar pela situação de escutar o safado voltando ao camarote e pedindo licença aos amigos, porque agora ele queria dar um trato na loira dele.

Sim, na frente de todo mundo ele pediu licença PRA DAR UM TRATO NA LOIRA DELE.

Sentadinha no sofá, eu escutei aquilo sem nem ter coragem de levantar o olhar para os amigos. Precisava apenas, disfarçar, esperar e abrir as pernas.

A porta se fecha, a pressão vem pra cima de mim, os gemidinhos podiam ser escutados do lado de fora e deixo pra vocês imaginarem o que se passou ali dentro.

O ato final da vergonha e desmoralização, é depois de todos os gritinhos e gemidos, ter de abrir a porta, descabelada, puxando o vestidinho pra baixo, maquiagem borrada, e com um sorriso amarelo no rosto, avisar pros meninos que eles já podiam entrar no camarim.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Voyeurismo
Visualizações 408
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 1418
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Afiliados