Exibicionismo em Porto de Galinhas Publicado por anônimo em 02/09/2018 em Voyeurismo

"...então coloquei ela de quatro na cama virada de frente na direção dos operários e comecei a comer sua buceta, puxava seus cabelos e dava tapas na sua bunda, os operários estavam como verdadeiros tarados vendo tudo..."

Conto adicionado a favoritos
Autor adicionado a favoritos
Conto já adicionado a favoritos
Autor já adicionado a favoritos
Conto salvo para leitura posterior
O conto já estava em sua lista para leitura posterior

Olá, meu nome é Rodrigo e o da minha esposa é Janaina, para quem não leu ainda nenhuma das nossas aventuras, vou descrever minha esposa, ela é fofinha, cintura fina, seios médios com bicos rosadinhos, coxas grossas, bunda grande e bucetinha pequena e lisinha.

Em 2015 eu e minha esposa resolvemos fazer uma viagem para Porto de Galinhas no estado de Pernambuco, escolhemos ficar hospedado em uma pousada mais simples, pois queríamos fazer muitos passeios e somente usaríamos a pousada mais para dormir, tomar banho e café.

Nessa época eu e minha esposa adorávamos tirar fotos de exibicionismo em diversos locais, praças, supermercados, estacionamento de shopping, mas nunca tínhamos feito na praia, nossas fotos na verdade serviam para aguçar a imaginação na hora do sexo, como por exemplo, certa vez fomos em um rio, ela tirou a parte de baixo do biquini porém colocou a canga por cima, fomos até onde haviam alguns pescadores, então ela desamarrou a canga mostrando a bucetinha com os pescadores ao fundo, em casa imaginávamos olhando as fotografias transando ao lado dos pescadores e o que eles fariam, dava muito tesão em mim e também nela e gozavamos gostoso, porém nunca fizemos um exibicionismo para outras pessoas verem.

Quando chegamos na pousada, percebemos que ela estava servindo como uma espécie de alojamento para operários da Refinaria de Abreu e Lima, porém como nossa intenção era sair logo cedo e chegar no fim da tarde isso não seria problema.

No dia seguinte após tomar o café fomos até a praia próxima a pousada para dar uma volta apenas, já que não era boa para banho, pois era mar aberto, lá encontramos um bugueiro que nos ofereceu um tal de passeio de ponta a ponta, onde nos levaria a todas as praias de Porto de Galinhas, o passeio duraria o dia todo, acertamos com ele, então voltamos a pousada para nós trocar, minha esposa vestiu um biquini comportado colocando uma saída de praia de renda branca por cima que vinha até o meio da coxa, quando descemos o bugueiro já estava na frente da pousada, então fomos ao passeio, o bugueiro era muito educado e bem simpático, nos deu muitas dicas sobre passeios, fomos a duas praias no período da manhã, por volta da uma hora da tarde, nos levou a um restaurante, onde almoçamos, logo após falou que nos levaria ao centro onde poderíamos ver algumas lojinhas antes de irmos a uma outra praia, assim fizemos um breve passeio pelo centro e quando já voltavamos ao ponto de encontro onde estaria o bugueiro vi em uma vitrine um manequim com um biquini fio dental de cor pink, minha esposa olhou e perguntou se eu havia gostado, respondi que muito, então falou que iria experimentar, pediu o tamanho G, pois ela é fofinha, entrou no provador e eu na porta morrendo de curiosidade, quando abriu a porta meu pau ficou duro na mesma hora, que gostosa que ela estava, o biquíni na parte de cima, tapava somente os bicos dos seus seios, a parte de baixo tapava sua bucetinha, porém deixava toda sua virilha exposta, quando virou, vi que o biquíni sumia dentro da sua bunda, devido ao fato de minha esposa ter uma bunda bem grande e coxas grossas, ela olhou para mim e perguntou se havia gostado, eu então pedi para que olhasse na minha bermuda, ao ver o volume na minha bermuda teve certeza que a resposta era sim, então tirou o biquíni e fui até o caixa pagar.

Chegando ao ponto de encontro com o bugueiro, ele disse que íamos a mais uma praia, que era ótimo lugar para fotos, pois haviam vários coqueiros e ela não era muito frequentada por banhistas, pois o mar era um pouco mais agitado, ao chegar na praia, o bugueiro logo estacionou sob a sombra de uma árvore e falou que aguardaria por ali, minha esposa pegou sua bolsa e saímos para caminhar, de fato o lugar era bem deserto e com belos cenários para fotografias, foi aí que tive a idéia de tirar fotos da minha esposa com o biquíni novo, ela sem pestanejar aceitou, então entrou ao meio do coqueiral e começou a trocar de biquíni, logo já exibia seu corpo quase nú naquele minúsculo biquíni, tiramos várias fotos, o que nos deixou muito excitados,em um momento de êxtase tirei o pau da sunga e pedi para minha esposa chupar, ela então ajoelhou-se e começou a mamar meu pau enquanto bolinava sua bucetinha, de repente avistei um homem andando em meio ao coqueiral, vindo em nossa direção, então falei para minha esposa que vinha vindo gente e guardei meu cacete ela também se levantou e fingimos que não estava acontecendo nada, o homem carregava uma mochila e ao aproximar-se foi logo nos cumprimentando, e dizendo que fazia tatuagem de henna e antes mesmo de recusar seu serviço já foi tirando da sua mochila um catálogo e mostrando para minha esposa, logo percebi que minha esposa se intreteve com o catálogo, enquanto o homem ao seu lado comia ela com os olhos, minha esposa então virou-se de frente para mim mostrando seu rabo gostoso ao homem, que ao ver aquele rabão arregalou os olhos, ela então me mostrou uma tatuagem de pimenta, e falou que gostaria de fazer, eu então falei que só se fosse na buceta, ela então pensou e respondeu que até deixaria, mas não tiraria a calcinha, peguei o catálogo e perguntei ao tatuador se poderia fazer uma pimenta na virilha da minha esposa, ele falou claro que sim, mas que tinha um detalhe, ela teria que tirar a calcinha do biquíni, pois a tinta poderia manchar o biquíni, eu e minha esposa de cara não aceitamos, até fiquei um pouco irritado com o atrevimento do homem, vendo que não aceitaríamos a proposta ele começou a se explicar, dizendo que era tatuador conceituado em Porto de Galinhas, e que já havia feito várias tatuagens em partes íntimas, que era profissional, e que antes de vir trabalhar ali, trabalhou por quatro anos na praia de nudismo de Tambaba na Paraíba, que podíamos ficar tranquilos, pensamos mais um pouco, minha esposa então me disse que por ela estava sem problemas pois poderia ser legal nós realizarmos alguma das fantasias que rolava em nossas transas, eu ainda com um pouco de ciúmes relutei, mas depois comecei a pensar no que minha esposa havia dito e também fiquei com vontade em ver ela com uma tattoo naquela linda bucetinha, por fim aceitamos, então fomos a um local próximo dali, onde havia uma pedra, minha esposa então desceu a calcinha, deixando sua bucetinha lisinha a mostra e sentou-se na pedra, o tatuador então pediu para que ela abrisse um pouco as pernas, ao fazer isso deu para ver que sua bucetinha estava meladinha, o tatuador então começou a fazer o desenho, sua mão era firme mas fazia o desenho com delicadeza, às vezes tocava com a mão na abertura da bucetinha de minha esposa, percebi que ela estava ficando muito excitada, pois mordia os lábios, e eu vendo isso também fiquei, nunca havia deixado outro homem ver a buceta da minha esposa, passados alguns minutos o desenho estava pronto, o tatuador então disse que ela não poderia por roupa em contato direto com a tatuagem por cerca de umas três horas, até secar bem a tinta, nisso minha esposa pegou uma canga na bolsa e enrolou sobre a cintura como se fosse uma saia, deixando uma pequena abertura no lado da virilha direita, onde havia sido feita a tatuagem, pagamos ao tatuador que foi embora todo contente, então retornamos ao local onde estava o bugueiro, chegando subimos no Buggy e sentamos atrás, minha esposa ajeitou a abertura da canga no lado da tatuagem abrindo um pouco as pernas, nisso percebi que o bugueiro mexeu no retrovisor interno, com certeza para tentar ver a bucetinha da minha esposa, quando saímos percebi que o bugueiro não parava de olhar para o espelho, quando acelerou o Buggy o vento fez com que a canga abrisse toda deixando a buceta da minha esposa toda exposta, nesse momento o bugueiro já nem olhava para frente, olhou para trás e perguntou se estavamos bem, olhando fixamente para a bucetinha da minha esposa, nisso minha esposa tentava amarrar a canga novamente, foi quando passou por nós um homem de motocicleta, que ao olhar para nós também viu a buceta, porém sem modos algum saiu acelerando a motocicleta dizendo "que bucetão gostoso pai", eu e minha esposa começamos a rir da situação, finalmente minha esposa conseguiu amarrar a canga, nisso o bugueiro já nos levava de volta a pousada, chegando ao entrarmos na pousada, notamos que próximo a recepção haviam aproximadamente meia dúzia de operários conversando, eles estavam em um jardim que possui vários bancos, e para chegar a recepção da pousada para pegar a chave do quarto teríamos que passar por eles, então fui na frente e minha esposa logo atrás, somente com aquela canga tampando sua bucetinha, porém como estava com uma abertura quando andava mostrava um pouco da bucetinha, por isso colocou a bolsa a frente, mas quando passou pelos operários um deles ao olhar deve de ter visto a buceta da minha esposa, pois ficou todo empolgado e já cochichou algo no ouvido do operário que estava ao lado dele, então enquanto estávamos na recepção ouvimos um burburinho, e todos operários olhando para minha esposa com cara de tarados, minha esposa claro que percebeu e ficou toda vermelha de vergonha, então pegamos a chave e subimos para o quarto, ao entrar minha esposa logo tirou a roupa deitando peladinha na cama com as pernas abertas, eu vendo aquela buceta com a tatuagem de pimenta, comecei a lembrar de tudo que havia acontecido naquele dia e comentei com a minha esposa que aproximadamente quatro machos haviam visto sua buceta, o tatuador, o bugueiro, o motociclista e um operário, nisso ficamos muito excitados, assim coloquei minha esposa de quatro na cama e soquei minha rola em sua bucetinha, imaginávamos aqueles operários ali vendo nossa transa, todos de paus duro, perguntava a minha esposa se ela tinha gostado de mostrar sua bucetinha a outros homens e ela respondia que sim, então gozamos juntos de tanto tesão que estávamos.

No outro dia fomos a um passeio logo cedo, voltamos para a pousada por volta das dezesseis horas, a pousada estava vazia, somente com a moça da recepção, então resolvemos ficar na piscina, minha esposa pediu para por o biquíni fio dental, pois queria fazer algumas fotos ali, já que estávamos sós, claro que aceitei, ela subiu ao quarto e voltou com uma saída de praia toda furadinha de cor preta, era bem curtinha acima do meio das coxas, então fizemos várias fotos, após minha esposa resolveu entrar na água e eu me sentei em uma mesa a beira da piscina, passados alguns instantes ouvimos uma falatório vindo da recepção, quando de repente surgiram alguns operários que tinham acabado de chegar do trabalho, logo um deles falou algo para outro e foram para os quartos onde estavam ficando, minha esposa então saiu da piscina e enrolou-se na toalha, sentando- se ao meu lado, passados alguns minutos quatro operários foram até a piscina, todos já sem uniforme, dois deles vestidos com bermudas e outros dois de sunga apenas, sentaram em uma mesa do nosso lado, porém que ficava de frente para onde estava eu e minha esposa, um deles ligou uma caixinha de som e a colocou sobre a mesa, tocando músicas de forró, perguntaram se incomodava, respondi que não, começaram a beber cerveja, um deles puxou assunto perguntando de onde éramos, respondi de São Paulo, assim começamos a bater papo com os operários, minha esposa em determinado momento, levantou-se tirou a toalha e pegou a saída de praia para vestir, um dos operários, olhou para a calcinha do biquíni e elogiou a tatuagem que ela havia feito, um outro em tom de brincadeira falou eu queria ter sido o tatuador, então dei uma risada sem graça, e minha esposa ficou toda vermelha, vestindo a saída de praia, porém ao sentar deixava ainda a mostra seu capô com aquela tatuagem, em certo momento um dos operários levantou-se e perguntou se dançávamos forró, respondi que eu não sabia dançar muito bem, já minha esposa respondeu que gostava de dançar, então o operário pediu permissão para dançar com ela, minha esposa olhou para mim como se pedisse para deixar, então falei que tudo bem, o homem então pegou minha esposa pelos braços colando o corpo dele junto ao dela, conforme minha esposa ia dançando sua saída de praia ia subindo deixando sua bunda grande toda a mostra, com aquele fio dental socado no rabo, os outros operários não tiravam o olho de seu rabo, quando a música acabou percebi que o operário que havia dançado com minha esposa estava de pau duro, pois dava para perceber o volume em sua bermuda, nisso começou outra música e um outro operário pegou minha esposa também para dançar, só que este estava usando sunga, percebi que ele esfregava sua sunga contra minha esposa, determinado momento da música percebi que o homem começou a meio que gemer, quando a música acabou minha esposa sentou-se ao meu lado e o operário foi então ao banheiro, minha esposa então passou a mão sobre a calcinha do biquíni e a virilha vendo que havia um líquido viscoso e mostrou para mim dizendo em meu ouvido, que estava com a calcinha e a virilha cheia de porra, que o homem havia gozado nela enquanto dançava com ele, que havia percebido sua excitação pois estava com seu cacete duro, nisso resolvemos subir para o quarto e nos despedimos dos operários que permaneceram na piscina, quando entramos no quarto minha esposa foi ao banheiro se lavar, ao sair peladinha deitou-se na cama e falou que queria transar, porém queria que eu abrisse a porta que dava para a sacada,o nosso quarto ficava no andar de cima de frente para a piscina, ao abrir a porta vi que os operários ainda estavam lá, nisso virei para minha esposa e disse que eles nos veriam, ela então respondeu que era isso que queria fuder com eles olhando, pois havia ficado muito excitada com o que tinha acontecido na piscina, eu sem perder tempo já fui chupando a bucetinha da minha esposa passando a língua nela toda, ela foi ficando com a buceta encharcada, depois de chupar gostoso a bucetinha pedi para ela me chupar, foi aí que o negócio pegou fogo, me encostei na cabeceira da cama, minha esposa ficou de quatro com a sua bunda grande toda arreganhada virada para a porta da sacada do quarto, de onde eu estava dava para ver os operários na piscina, porém eles ainda não haviam reparado no que acontecia em nosso quarto, porém um deles se levantou e olhou para nosso quarto, deu para ver sua cara de espanto quando viu aquela bunda toda arreganhada, de imediato avisou aos outros, todos então ficaram em pé e vieram para mais perto da sacada, minha esposa então resolveu sentar no meu pau, quando sentou falei no ouvido dela que os operários estavam assistindo a nossa transa, tá certo que pela distância não dava para ver os detalhes de seu corpo, mas conseguiam ver que ela estava peladinha levando rola, minha esposa então cavalgando no meu cacete pedia para eu abrir seu rabo com as mãos para que os operários olhassem sua bucetinha sendo fodida e seu cuzinho, ela então olhou para trás e me falou que os operários estavam se masturbando, que ela queria ver de frente, então coloquei ela de quatro na cama virada de frente na direção dos operários e comecei a comer sua buceta, puxava seus cabelos e dava tapas na sua bunda, os operários estavam como verdadeiros tarados vendo tudo, não aguentando mais dei um grito e gozei soltando um jato de porra dentro da bucetinha da minha esposa, ela sentindo o jato também gozou gemendo bem alto, os operários ainda continuavam a se masturbar, então minha esposa teve uma idéia, levantou-se da cama e foi até a sacada peladinha colocou um dos pés sobre um pilar da sacada deixando sua bucetinha bem aberta para que os operários pudessem ver melhor, eles ficaram loucos e logo gozaram, minha esposa então virou-se e abaixando mostrou ainda seu rabo para eles e depois entrou no quarto e fechou a porta da sacada.

Essa foi a primeira experiência de exibicionismo para outras pessoas que fizemos e por isso foi inesquecível. Adoramos a viagem e ainda mais as nossas aventuras com muito exibicionismo.

Avaliações

Só usuários podem votar 0 de Avaliações

Comentários 0

Sobre este conto

Autor anônimo
Categoria Voyeurismo
Visualizações 543
Avaliação 0 ( votos )
Comentários0
Favorito de0 Membros
Contador de palavras: 3291
Tempo estimado de leitura: 16 minutos

Afiliados